PREFEITURA SANEAMENTO

Zé Pedro Taques pode ter trocado seis por meia dúzia, uma crise por outra crise. Ausência de Mauro Zaque à frente da Secretaria de Segurança Pública pode preencher uma lacuna, como diria o Stanislaw Ponte Preta. Mas Fábio Galindo, a pretensa solução, não soluciona nada, já que teria anunciado intenção de voltar para o sossego do Ministério Público, em Minas Gerais

Fábio Galindo, a solução que pode não ser a solução

Fábio Galindo, a solução que pode não ser a solução

A semana de Natal e a virada do Ano Novo para o governador Zé Pedro Taques não serão de paz e tranquilidade. Os problemas batem à sua porta e, sem dúvida nenhuma, ele aparenta que ficou atarantado com a inesperada decisão do promotor Mauro Zaque de abandonar o barco, mal começada a viagem, deixando sem mais aquela o comando da secretária de Segurança Pública, uma das áreas mais delicadas de qualquer governo, em qualquer parte do Brasil e do mundo, na atual conjuntura.

Diz a sabedoria popular que quem planta vento, colhe tempestades. O nosso governador, que gosta de fazer da arte da provocação um dos seus exercícios favoritos, mais uma vez está sendo desafiado pela realidade.

Quem colocar no lugar de Mauro Zaque que resolveu dar as de Vila Diogo (quem é que se lembra dessa expressão?) e se mandar da Sesp?

Fico imaginando que Zé Pedro Taques, apegado à família e ao domínio patrimonial sobre o governo, de acordo com as evidências, gostaria de ter outro primo para colocar no lugar do Zaque.

Fazer o que fez com a Casa Civil, para onde escalou o seu preposto, o primo Paulo Taques que, também sem mais aquela, largou sua respeitável banca de advogado para ficar na distribuição de cargos e outras benesses aos correligionários do Zé Pedro e a todos os participantes deste grande projeto que visa forjar um novo grande líder nacional a partir de Mato Grosso.

(Sim, tenho pra mim que Zé Pedro sonha em ser o Dante de Oliveira de sua geração. Um Dante sem barba e com uma musa bem mais sossegada que a musa do Dante que, como se conta, em certa época, teria levado o Magrão a vagar em meio aos corixos do Pantanal em uma espécie de diálogo soturno com o Criador. Mas essa é outra história, que deixo para o Palmério Dória, que já começou a contar a história secreta desta família, sem ter sido,  até agora,  incomodado por qualquer questionamento judicial.)

Mas voltando à Segurança Pública. Leio nos jornais amigos e nos jornalistas amestrados (que não apresentaram qualquer explicação mais aprofundada quanto às razões que levaram Zaque a resolver voltar ao MP) que já estaria tudo resolvido pelo governador com a indicação do Subsecretário Fábio Galindo (outro promotor!) para ocupar a vaga aberta com a saída de Mauro Zaque. Ou seja, não tem crise, sugere a nossa grande mídia.

Sim, a maioria dos jornais amigos e dos jornalistas amestrados se limitaram a publicar o material enviado pelo Gabinete de Comunicação do Governo, com um ou outro adendo. Sai o Mauro, entra o Fábio mas a política de Segurança Pública já foi formatada, todo o planejamento feito, a máquina tem apenas que continuar a rodar, já que está bem azeitada. (Engraçado como alguns jornalistas, depois de participarem de uma coletiva com o governador, voltam de lá com informações muito parecidas com as que são alinhadas pelo pessoal do Jean Campos em seus relises. Mas vá entender o jornalismo mato-grossense, repleto de repórteres que não perguntam, não questionam, não correlacionam os fatos, etc e tal!)

Apenas o Folhamax resolveu desafinar o coro dos contentes, como nos versos imortais de Torquato Neto.
O Folha Max publicou em uma notinha aquilo que deveria ter sido aprofundado e virado a  manchete do saite. Mas o Folhamax, claro, também tem seus contratos. Reproduzo aqui:

Galindo assume só até janeiro de 2016

Da Redação

fabiogalindo-pedrotaques.jpg

Embora tenha sido anunciado pelo Governo de Mato Grosso como novo secretário de Segurança Pública de Mato Grosso, o promotor Fábio Silvestre Galindo já comunicou ao governador Pedro Taques (PSDB) que só ficará no cargo até o dia 31 de janeiro de 2016. Ele assumiu a vaga de forma interina com a saída do secretário Mauro Zaque, que retorna as funções na promotoria de Patrimônio Público e Probidade Administrativa do Ministério Público de Mato Grosso.

Galindo pretende retornar para Minas Gerais para reassumir o cargo em que foi aprovado como primeiro colocado no concurso público. Ou seja, o governador terá um prazo de cerca de 40 dias para escolher um novo secretário para uma das pastas mais complexas da máquina pública estadual.

 

———

Viram só? Pelo jeito, a crise da Segurança Pública continua e pode até se agravar, com esse interino que assume já dizendo que também vai embora.

Por essas e por outras é que eu digo que as festas do Zé Pedro Taques, além dos luxos da vida de governador e os paparicos mis de seus puxa-sacos, terá também muita dor de cabeça.

Fábio Galindo não é uma solução. Pode ser até um problema maior que Mauro Zaque.

Fico por aqui para não agravar as dores de cabeça do pequeno grande homem que temos no Paiaguás. Longe de mim imaginá-lo em meio aos corixos do Pantanal, vagando e balbuciando: a saída? onde fica a saída?

Pelo contrário. Pelo bem de Mato Grosso e do seu povo até torço para que Zé Pedro tenha um Natal em que se faça a Luz!

 

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 66.102.8.133 - Responder

    Pensou que ia ser moleza ne? Se enganou seu Pedro
    .

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

19 − dez =