Zé Maria, militante do Conlutas e do PSTU, três vezes candidato a presidência da República, debate, nesta quarta, em Cuiabá, a Reforma Trabalhista e Sindical em atividade da greve dos docentes da UFMT

 José Maria de Almeida, o Zé Maria, é um político brasileiro, que nasceu em Santa Albertina, interior de São Paulo, em 2 de outubro de 1957. Foi uma das lideranças da onda de greves no ABC paulista, no ano de 1978, sob a ditadura militar, e um dos principais dirigentes em Santo André. Operário da Cofap, tornou-se um dos membros do comando de greve do ABC; propõs no congresso dos metalúrgicos em Lins (SP), a fundação do Partido dos Trabalhadores. Participa, depois, da efetiva criação do PT e da CUT, atuando na Convergência Socialista, corrente interna do PT, de inspiração trotskista. Em 1980, foi preso com Lula e mais 10 sindicalistas, e enquadrado na Lei de Segurança Nacional ficando mais de um mês na cadeia. Em 1984, muda-se para Minas Gerais, participando da vitória da chapa da oposição no Sindicato dos Metalúrgicos de Belo Horizonte e Contagem. Em 1992, com a expulsão da Convergência Socialista, em articulação coordenada por Zé Dirceu, Zé Maria se afasta do PT. Em 1993, participou da fundação do PSTU - Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) cujas cores são o vermelho e amarelo e o seu código eleitoral é o 16.


José Maria de Almeida, o Zé Maria, é um político brasileiro, que nasceu em Santa Albertina, interior de São Paulo, em 2 de outubro de 1957. Foi uma das lideranças da onda de greves no ABC paulista, no ano de 1978, sob a ditadura militar, e um dos principais dirigentes em Santo André. Operário da Cofap, tornou-se um dos membros do comando de greve do ABC; propõs no congresso dos metalúrgicos em Lins (SP), a fundação do Partido dos Trabalhadores. Participa, depois, da efetiva criação do PT e da CUT, atuando na Convergência Socialista, corrente interna do PT, de inspiração trotskista. Em 1980, foi preso com Lula e mais 10 sindicalistas, e enquadrado na Lei de Segurança Nacional ficando mais de um mês na cadeia. Em 1984, muda-se para Minas Gerais, participando da vitória da chapa da oposição no Sindicato dos Metalúrgicos de Belo Horizonte e Contagem. Em 1992, com a expulsão da Convergência Socialista, em articulação coordenada por Zé Dirceu, Zé Maria se afasta do PT. Em 1993, participou da fundação do PSTU – Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) cujas cores são o vermelho e amarelo e o seu código eleitoral é o 16. Desde sua fundação, o PSTU, vem exercendo pequena influência sobre a sociedade brasileira, tanto política quanto eleitoral. Chegou a contar com diretório em Mato Grosso e Cuiabá, contando com militantes como Carlão do Movimento de Meninos e Meninas de Rua e Negão sem Cambalacho, liderança do bairro do Canjica, mas se enfraqueceu, acabando por se afastar das disputas eleitorais.


Ex candidato a Presidência debate Reforma Trabalhista e Sindical na Adufmat-Ssind

Como atividade de greve, os docentes da UFMT recebem nessa quarta-feira, 19/08, às 9h, o militante Zé Maria. Nacionalmente reconhecido por sua atuação nos movimentos sociais, sua palestra, “Contrarreforma Trabalhista e Sindical”, marca a abertura do Seminário Contrarreformas.

Atual membro da Central Sindical e Popular – Conlutas, Zé Maria tem uma trajetória de mais de 40 anos no movimento sindical. Foi um dos fundadores do PSTU, partido pelo qual se candidatou três vezes à Presidência da República. É reconhecido por ter sua vida inteira dedicada à luta dos trabalhadores.

Próximos debates

Na quinta-feira, 20/09, também às 9h, a professora da Escola de Serviço Social da UFRJ, Sara Granemann, debate “Contrarreforma Administrativa/do Estado”. Doutora em Serviço Social, suas áreas de pesquisa abrangem temas como tradição marxista, reforma do Estado, previdência pública e privada, serviço social e políticas sociais.

Fechando a primeira rodada de palestras, a diretora do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (SINDIFISCO), Clair Hickmann, debate “Contrarreforma Tributária” no dia 21/08 às 14h. Com vasto conhecimento teórico e experiência no campo da fiscalização, ao longo da carreira, fiscalizou políticos e grandes empresas. Fez parte da equipe que investigou o esquema de corrupção montado por Paulo César Farias, tesoureiro de Fernando Collor de Mello, e investigou empresas envolvidas no escândalo dos precatórios, operações irregulares com títulos públicos que teve a participação de bancos, corretoras, prefeituras e governos estaduais. Formada em Ciências Contábeis, Direito e pós-graduada em administração tributária, Clair também foi diretora de estudos econômicos da UNAFISCO.

Os participantes do debate receberão certificado.

Resumo:

19/08 às 9h – Debate: Contrarreforma Trabalhista e Sindical – Zé Maria (CONLUTAS)

20/08 às 9h – Debate: Contrarreforma Administrativa/do Estado – Sara Granemann (UFRJ)

21/08 às 14h – Debate: Contrarreforma Tributária – Clair Hickmann – (SINDIFISCO)

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 191.223.185.45 - Responder

    Conlutas prega diariamente contra governo Dilma. Tornou-se instrumento e linha auxiliar da Direita. No Sindijufe – MT abriga coxinhas e inimigos do PT e CUT.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezenove − 2 =