Taboreli questiona construção do Assaí no Cristo Rei

Denúncias de irregularidades na construção da nova filial do Assaí Atacadista, no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande, partiram do vereador e coronel Pery Taborelli, representante do Partido Verde

Denúncias de irregularidades na construção da nova filial do Assaí Atacadista, no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande, partiram do vereador e coronel Pery Taborelli, representante do Partido Verde

MPE apura participação de conselheira de Várzea Grande na construção do atacadista Assaí

Da Redação – Katiana Pereira
OLHAR DIRETO

O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou um procedimento para apurar a supostas irregularidades na construção do Atacadista Assaí, localizado no bairro Cristo Rei, em Várzea Grande.

Segundo denúncia oficializada pelo vereador de Várzea Grande Pery Taborelli (PV), foi detectado a participação da conselheira Wilma Felfilli, atuante no conselho das Cidades, como responsável pelo Estudo de Impacto de Vizinhança e também pelo Relatório de Impacto de Vizinhança do supermercado.

A denúncia diz ainda que a conselheira além de ser responsável técnica do empreendimento ainda vota o próprio relatório, procedimento que contraria aos princípios éticos da administração pública.

O procedimento foi instaurado pela promotora de Justiça Maria Fernanda Correa da Costa, titular da Promotoria da Ordem Urbanística de Várzea Grande. O procedimento do MP é para buscar mais informações a fim de apurar a denúncia que poderá resultar em inquérito civil público.

A promotora já solicitou à Secretaria de Desenvolvimento Urbano, à apresentação de todos os relatórios que acarretaram na concessão do alvará de construção, e também solicitou ao Departamento de Água e Esgoto de Várzea Grande (DAE/VG) a certidão de viabilidade quanto ao fornecimento de água para a região, provando que o empreendimento não irá acarretar nenhum prejuízo aos moradores do entorno do bairro Cristo Rei.

O parlamentar denunciou o empreendimento por iniciar a imensa construção sem as devidas documentações necessárias, tais como os estudos prévios de impacto de vizinhança (EIV) e Relatório de Impacto de Vizinhança (RIV).

Outro lado

A reportagem não conseguiu contato com a conselheira citada.

Categorias:Direito e Torto

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.72.232.30 - Responder

    Tery Taborelli não tem autoridade para levantar suspeição em relação a nada. É político ficha suja, condenado por atos de corrupção praticados quando ainda era “coronel” da ativa da Polícia Militar de Mato Grosso. Uma pergunta, “coronel”, já devolveu todos os valores retirados sorrateiramente dos cofres públicos? Não? Tá esperando ordem de algum comando? Então o Povo determina: “Coronel” devolva tudo o que foi retirado sem autorização legal, é a ordem do dia. E tenho dito!

  2. - IP 179.216.203.192 - Responder

    O intuito de atrasar a obra foi conseguido. Deveriamos perguntar ao vereador no interesse de quem estaria “ele” agindo para que a obra nao fosse inaugurada antes das festas de fim de ano, periodo de maior venda.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

um + dois =