UM OUTRO MUNDO É POSSIVEL: A mais jovem bilionária americana chama-se Elizabeth Holmes, tem 30 anos e aos 19 abandonou a Universidade de Stanford, onde estudava engenharia química. Elizabeth inventou processo pelo qual podem-se fazer dezenas de exames com algumas gotas de sangue, a preço equivalente a uma fração do que cobram os laboratórios. Uma senhora que fizera uma bateria de exames ao preço de US$ 876 cobrados ao seu plano de saúde, picou-se na Theranos, empresa de Elizabeth, e pagou US$ 34

Custos de exames de análise clínica e patologia clínica podem desabar, assim que as novas técnicas inventadas pela engenheira química norte-americana Elizabeth Holmes  desembarcarem no Brasil.

Custos de exames de análise clínica e patologia clínica podem desabar, assim que as novas técnicas inventadas pela engenheira química norte-americana Elizabeth Holmes desembarcarem no Brasil.

UMA BILIONÁRIA POR QUEM VALE TORCER

POR ELIO GASPARI, EM O GLOBO

A mais jovem bilionária americana chama-se Elizabeth Holmes, tem 30 anos e aos 19 abandonou a Universidade de Stanford, onde estudava engenharia química. Com a poupança das anuidades fundou sua empresa para levar adiante a pesquisa que começara no laboratório da escola. Ela inventou um processo pelo qual podem-se fazer dezenas de exames com apenas algumas gotas de sangue, a um preço equivalente a uma fração do que cobram os laboratórios. Sua empresa chama-se Theranos, vale US$ 9 bilhões e no conselho senta-se o ex-secretário de Estado Henry Kissinger.

Grandes laboratórios tentaram comprar sua patente ou associar-se a ela. Educada numa casa onde o pai se dedicara a trabalhos de assistência humanitária, resolveu ficar bilionária com um sentido de missão. Recusou todas as ofertas a associou-se à cadeia de farmácias Walgreen no Arizona e na Califórnia. Seu objetivo é construir uma rede onde o freguês vai ao balcão, toma uma picada (sem a temível agulha), deixa algumas gotas de sangue e em poucas horas recebe o resultado pela internet. Tudo isso sem esperas ou intermediação de médicos. Os exames custam de 25% a 50% do que cobram os laboratórios e de 10% a 25% dos preços nos hospitais. Uma senhora que fizera uma bateria de exames ao preço de US$ 876 cobrados ao seu plano de saúde, picou-se na Theranos e pagou US$ 34.

Um dia essa boa notícia chegará ao Brasil. Aqui as operadoras privadas de saúde gastam em torno de R$ 7,5 bilhões com exames de análises clínicas, e ai de quem cair nas tabelas dos laboratórios ou de hospitais do Padrão Lula.

Comparando-se os preços da Theranos com os do mercado brasileiro resulta que em todos os casos aqui os planos de saúde pagam mais caro. Nas tabelas do Padrão Lula, a diferença é de chorar. Por exemplo: um hemograma pode custar R$ 80 no andar de cima de Pindorama e, na Theranos, R$ 20. O velho e bom exame para medir o colesterol custa R$ 143 no Padrão Lula. Na Theranos, US$ 2,99, ou R$ 7,80.

Uma das preocupações de Elizabeth Holmes é dar transparência aos custos da saúde. No site da Theranos estão os preços de cerca de mil exames. A outra preocupação é de quem sabe que dinheiro não aceita desaforo: 50% das ações da Theranos são dela.

Categorias:Gente que faz

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 179.254.45.175 - Responder

    No Brasil essas novas técnicas vão ficar engavetas, aguardando autorização, como o tratamento com ozônio, que espera já por duas décadas autorização, sendo que usado há muitos anos em países de primeiro mundo.

  2. - IP 177.221.96.140 - Responder

    Isso só foi possível graças ao sistema de respeito à livre iniciativa, caso contrário não haveria interesse de pesquisadoras como ela desenvolver coisas úteis à sociedade.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

17 + 17 =