Daniela Mercury reforça o amor homossexual no Brasil

‘Eu comuniquei meu casamento com Malu Viçosa numa postura afirmativa da minha liberdade e uma forma de mostrar minha visão de mundo. Numa época em que temos um Feliciano desrespeitando os direitos humanos, grito o meu amor aos 7 ventos. Quem sabe haja ainda alguma lucidez no Congresso Brasileiro!’, escreveu a cantora

247 – Depois de divulgar na rede social Instagram sua união com a jornalista Malu Viçosa, a cantora Daniela Mercury declarou em nota oficial que se manifestou sobre sua nova relação com uma mulher como forma de afirmar sua liberdade.

“Eu comuniquei meu casamento com Malu para tratar com a mesma naturalidade que tratei outras relações. É uma postura afirmativa da minha liberdade e uma forma de mostrar minha visão de mundo. Numa época em que temos um Feliciano desrespeitando os direitos humanos, grito o meu amor aos 7 ventos. Quem sabe haja ainda alguma lucidez no Congresso Brasileiro!”, escreveu a cantora, que está em turnê em Portugal.

Daniela está separada desde novembro de 2012 do publicitário italiano Marco Scabia, após três anos de união. Com o empresário, ela adotou três meninas: Ana Isabel, 2, Ana Alice, 10 e Márcia, 13. A cantora também é mãe de Giovana, 25, e Gabriel, 26, frutos de seu primeiro casamento, com Zalther Povoas.

BRASIL 247

—————————-

Daniela Mercury surpreende a cantora Aline Rosa com beijo na boca durante gravação de DVD, em 2008

Grupo da Bahia convida Daniela Mercury para ser rainha da Parada Gay

Fotos publicadas pela cantora ao lado da jornalista Malu Viçosa Foto: Instagram / Reprodução
Fotos publicadas pela cantora ao lado da jornalista Malu Viçosa
Foto: Instagram / Reprodução

  • Lucas Esteves Direto de Salvador
  • portal TERRA

O grupo Gay da Bahia, primeira instituição do País fundada com o objetivo de combater a homofobia, convidou, nesta quarta-feira (3), a cantora Daniela Mercury para ser “rainha” da Parada Gay de Salvador, programada para ser realizada no próximo dia 8 de setembro. O chamado ocorre no mesmo dia em que a musa baiana “saiu do armário” e assumiu um relacionamento homossexual com a jornalista Malu Verçosa.

 

O criador do grupo, o antropólogo Luiz Mott, declarou que ainda não foi possível fazer o convite à própria Daniela, pois não conseguiu contato telefônico com a produção da cantora. Entretanto, como a manifestação repercutiu bastante nas redes sociais do GGB durante a tarde, ele espera que a Rainha do Axé já tenha tomado conhecimento do convite – e espera que ele seja aceito.

 

Tradicionalmente, há uma madrinha para abençoar a parada, mas no caso de Daniela, segundo Mott, como se trata da “Rainha do Axé”, é justo que se abra exceção para que ela seja “Rainha da Parada Gay”. Em outros anos, já foram madrinhas as cantoras Ivete Sangalo, Preta Gil e a ministra da Cultura, Marta Suplicy.

 

Luiz Mott comemorou o fato de Daniela ter se assumido homossexual e elogiou que a baiana tenha escolhido tempos conflituosos para fazer isso ao público. “Daniela Mercury é a cantora mais politicamente correta do Brasil. Ela é a favor da camisinha, do amor livre e saiu do armário em uma época crucial da luta contra a homofobia, em tempos do pastor Marco Feliciano e da cantora Joelma, do Calypso”, opinou.

 

As declarações da cantora paraense foram motivo de comentário do antropólogo, que disse não ter ouvido falar de Joelma até ela manifestar suas ideias supostamente homofóbicas. Ele afirmou  que, apesar de seu som ser “brega”, a base de fãs da banda é grande e merecia um melhor tratamento por parte dela. “Não há mais espaço no século XXI para intolerância e estímulo ao preconceito”.

 

Mott considera que o gesto simbólico da musa é muito forte e há de, além de aumentar sua base de fãs, também inspirar muitos jovens que ainda necessitam de força para assumir sua própria homossexualidade Brasil afora. Para ele, se outros artistas gays seguissem o exemplo de Daniela, anônimos poderiam ter mais chances de viver uma vida homoafetiva mais tranquila.

 

“Há o exemplo do (ator) Marco Nanini, que assumiu que era gay. José de Abreu também assumiu que é bissexual. Essas atitudes são fundamentais, pois os artistas precisam formar imagens positivas para que os jovens gays tenham seus ícones”, avaliou o criador do GGB.

 

Mott lembrou que o Brasil é o país com maior número de casos de morte por homofobia no mundo, com uma média de um assassinato de cidadão homossexual a cada 26 horas. Neste panorama, a Bahia é o estado mais violento para um gay viver. No ano passado, foram registrados pelo GGB 29 homicídios contra pessoas do segmento LGBT em todo o Estado.

 

O criador do movimento lamenta que, apesar de a Bahia ser governada pelo PT – “o partido mais simpatizante às causas gays” – e o governador Jaques Wagner e a primeira-dama, Fátima Mendonça, serem amigos e militantes do GGB, o Estado não tem políticas públicas para promover a educação a fim de prevenir a violência contra o homossexual.

 

Especial para Terra
————————–

Luiz Mott, do Grupo Gay da Bahia e a cantora Daniela Mercury

Daniela Mercury critica ‘felicianos’ e assume relação homossexual

  • ‘Conquistas, a gente não pode esquecer’, diz cantora

O Globo

<br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />
Daniela ao lado de Malu: “minha esposa, minha família”, disse a cantora<br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />
Foto: Terceiro / Reprodução Instagram

Daniela ao lado de Malu: “minha esposa, minha família”, disse a cantora Terceiro / Reprodução Instagram

RIO — No mesmo dia em que o Paraná regulamentou o casamento civil entre homossexuais, Daniela Mercury postou na rede social Instagram fotos com a jornalista Malu Verçosa e escreveu: “Malu agora é minha esposa, minha família, minha inspiração pra cantar”. Daniela não é a primeira cantora brasileira a assumir a homossexualidade. Preta Gil e Ana Carolina já revelaram relações com pessoas do mesmo sexo.

Em nota, a cantora disse que “comunicou o casamento com a mesma naturalidade com que tratou outras relações”. Ao site G1, Daniela criticou o deputado Marco Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos. “Sou apaixonada por Malu, pelo Brasil, pelas liberdades individuais. Eu acho que conquistas a gente não pode esquecer. Não podemos andar para trás, como os felicianos da vida!”.

— É um ato de extrema sensibilidade política num momento em que o fundamentalismo religioso está dentro da Comissão de Direitos Humanos — disse o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ).

A declaração de Daniela foi feita dias depois da vocalista Joelma, do Calypso, ter dito à revista “Época” que “lutaria até a morte” para “converter” seu filho caso ele fosse gay.

— O ato de Daniela é um ato de amor que vai na contramão da onda de homofobia. Mas vejo também um ato político. Ela foi oportuna — disse Julio Moreira, presidente do Grupo Arco-Íris.

Para o fundador do Grupo Gay da Bahia (GGB), Luiz Mott, a iniciativa condiz com a postura da cantora:

— O romance é o ‘grand finale’ de uma ópera maravilhosa que é sua vida na defesa da livre orientação sexual.

Daniela vai receber o Oscar Gay, prêmio do GGB.

————————-

Bruno Gagliasso protesta contra Marco Feliciano com beijaço gay

Bruno deixou a produção de ‘Isto é Calypso’ para protagonizar a novela das seis que sucederá ‘Flor do Caribe’

Não tá fácil para o deputado pastor Marco Feliciano. Quem aderiu ao protesto contra o deputado que assumiu a Comissão dos Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, em Brasilia, foi o ator Bruno Gagliasso.

Bruno, que volta para a televisão na próxima novela das seis, “O Pequeno Buda”, postou uma foto no Instagram dando um beijaço no ator Matheus Naschtergale. “”Quanto menos vc sabe mais vc julga.”#felicianonãomerepresenta”, disse o ator.

Alguns fãs ficaram chocados e não concordaram com a imagem: “Acho desnecessária essa campanha que os artistas tão fazendo… Não concordo com as atitudes do Deputado… Mas fica parecendo que ser gay é obrigatório… Venhamos e convenhamos”, disse a internauta @analuiza_mcruzOutras apoiaram o protesto de Gagliasso: “Ahazou @bgagliasso! #felicianonãomerepresenta #preconceitotambémnão”.

Bruno Gagliasso seria o protagonista do primeiro beijo gay masculino da TV brasileira quando o personagem dele em “América”, de Glória Perez, se apaixonou por um cowboy. A cena foi gravada mas foi eliminada na edição do capítulo final da novela, em 2007.

Esse é mais uma forma de protesto de um artista que não apoia a permanência de Feliciano na comissão. Sem falar que Bruno Gagliasso estava cotado para o papel de Chimbinha, no filme “Isto é Calypso”, ao lado de Débora Secco. Na tarde desta quarta-feira (03), o diretor do filme disse que ainda não tem um substituto, mas está em negociação. Ele também desmentiu o boato de que o filme teria sido cancelado.

PROTESTO: Bruno Gagliasso beija Matheus Naschtergale no Instagram.

PROTESTO: Bruno Gagliasso beija Matheus Naschtergale no Instagram

10 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.10.40.20 - Responder

    Enock, homofobia é aversão a homossexuais e não meramente manifestar uma opinião contrária a homossexualidade. Isso é meramente uma opinião. Nunca vi Felicianos, Joelmas pregar violência e nem desrespeito contra homossexuais. A mesma liberdade de opinião que teve o Mott ao classificar a música do calypso como brega e que uns naturalmente concordam ou não, qualquer pessoa pode manifestar uma opinião contrária a um tipo de prática que considere inadequada. É curioso que só se entende que é preconceito quando é com homossexual né classificar de brega não? É claro que não é preconceito falar que é brega, isso é meramente uma classificação musical convencional. É claro que não é preconceito ser contra a homossexualidade, preconceito é antes de se conhecer (conceito), pré estabelecer (pre).
    Outra coisa, se a violência contra um homossexual não se der em razão de sua homossexualidade ela não deve ser contabilizada como homofóbica, é violência contra uma pessoa. Não tem sentido haver um tipo penal com agravamento de pena, sob pena de darmos uma tratamento privilegiado desnecessário para uma minoria.

    • - IP 186.213.229.115 - Responder

      Meu brother. Você e os demais tem que perceber que não tem como ser contra. Ser contra parte do princípio de que há uma escolha a ser feita (hetero ou homo). E parece não haver essa escolha. Ou a pessoa é, desde o princípio, homossexual, ou não. Com isso, ser contra os homossexuais é igual a ser contra uma cadeira. Ela É cadeira e não tem como ser contra ela. Isso é juízo de realidade, pow!! Você pode não gostar, mas ser contra, é outra coisa.

  2. - IP 201.67.58.39 - Responder

    haa Enock valeu matéria! nos todos temos que sair do armário! um abraço e beijo

  3. - IP 200.17.60.247 - Responder

    BEM QUE A DANIELA MERCURY PODERIA CONVIDAR O PASTOR FELICIANO PARA SER PADRINHO DE “CASAMENTO” COM A MALU… CASO ELE ACEITE O CONVITE, A SOCIEDADE DEIXARIA DE PEGAR NO PE DELE E CHAMÁ-LO DE HOMOFÓBICO… DANIELA MERCURY QUER MESMO É MÍDIA E, PARA ISSO, COLOCA A PRÓPRIA VIDA PESSOAL EXPOSTA PRA TODO MUNDO… QUEM INTERESSA SABER SE ELA VIROU HOMEM? TANTA COISA MAIS IMPORTANTE ACONTECENDO NO MUNDO, NÃO ACHA ENOCK?

  4. - IP 187.123.1.110 - Responder

    eu vejo como uma agressividade pessoas que não concordam com algo serem chamados de preconceituosos, definitivamente aqueles que acusam opiniões contrarias de criminosas ao que parecem considera-se donos da verdade, não aprovo o homossexualismo, vejo isso como uma aberração moral, mas essa é só aminha opinião baseada em conceito pessoais, e isso é preconceito? se aqueles que conseguem enxergar naturalidade nisso estivessem apenas ocupados em viver o “amor livre” como eles mesmos afirmam, jamais estariam preocupados com a opinião daqueles que são contrários, mas como vemos nessas atitudes o desejo de fazer com que todos tenham a mesma opinião, isso definitivamente não é democracia. “penso logo existo” não é assim?

    deixem-me pensar, deixem-me viver. não sou “preconceituoso”, mas tenho os meus pré-conceitos.

  5. - IP 201.34.222.35 - Responder

    Os Gays , e seus histééééééricos simpatizantes são um porre e está duro de aguentar essa gente. Ora eles podem ser gays , viados , veados ( como diz o Cuiabano ) queima rosca ou sei lá oque , pois isso é um DIREITO DELES , mas uma coisa é querer que TODOS aceitem isso e arreganhem os dentes para eles fingindo simpatia . Ora bolas eu tenho o DIREITO de não aceitar , não concordar com o homossexualismo , mas isso nào pode ser considerado homofobia , isso é um direito DEMOCRATICO meu, e eu tenho o direito de não aceitar ; por exemplo ; conviver com um homossexual , não querer que ele conviva com meu filho ou filha , assim , como eu não simpatizo com gente tatuada ; que gosta de funk ; que fuma maconha ; que maltrata animais ; que pratica esportes radicais , etc.etc.
    Essa historia de “politicamente correto “com os gays é uma bobagem. Ninguém quer em sã consciencia um filho ou filha gay , quando acontece na familia , ela aceita na maioria das vezes obrigada e para evitar conflitos ( ha um caso em minha familia) . Para finalizar eu pergunto : Oque aconteceria com alguém que ao visitar o filho recém nascido de um amigo ; olhasse para ele e dissesse :” Que bonitinho , quando crescer se virar gay vai ser um belo gay”????

    • - IP 177.41.81.252 - Responder

      Eu não aceito você ser homem. Não concordo com seu filho ser homem. Isso é uma aberração. Pura safadeza. Também não aceito sua esposa ser mulher. Tenho o direito de me expressar dessa forma.

  6. - IP 177.1.233.236 - Responder

    -Aos leigos de plantão informo que homofobia não é e nunca será crime. Eu posso ter aversão às relações homossexuais, não concordar com elas e continuar respeitando as pessoas com essa “orientação sexual” . A violência implementada pelos adeptos desses movimentos beira ao absurdo, para não dizer desrespeitoso e pode deflagrar/ressuscitar grupos de extrema direita que passarão à dizimar qualquer pessoa que ostente tal “orientação”.

  7. - IP 177.77.221.153 - Responder

    A turma bamby ta nervosa!!!! Tudo sao Paulino

  8. - IP 37.228.105.149 - Responder

    aos adv. de plantão: eu poderia processar alguem que me chamasse de homofobico?
    Fobia é medo ou aversão percistente excessivo ou irreal de um objeto, pessoa, animal, atitude ou situação. Sendo um medo irracional.
    Se me chamam de homofobico eu sou doente? Sou eu quem precisa de tratamento?

Deixe uma resposta para juliano    ( cancelar resposta )

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezessete + dois =