Campanha Coronavirus

Três meses de salários atrasados na Univag levam professores à greve de protesto. Paralisação começará dia 20, na volta do recesso. “O objetivo é fazer com que a sociedade saiba o que estamos passando aqui. Tem funcionárias que estão gestantes e outras que já tiveram seus filhos. Tem muita gente passando necessidade por conta dos salários atrasados” – conta professor

univag greveProfessores do Univag confirmam início de greve para 20 de janeiro

Profissionais não receberam 13º pagamento e estão com férias atrasadas

TARLEY CARVALHO
ISSOÉ NOTICIA

Docentes estão sem receber o salário desde o mês de outubro. Profissionais também não receberam 13º pagamento e estão com férias atrasadas Os professores do Centro Universitário de Várzea Grande (Univag) confirmaram, nesta sexta-feira (10) a paralisação dos docentes da universidade. A greve está marcada para ser iniciada no dia 20 de janeiro e foi aprovada durante assembleia que aconteceu na noite de ontem, no hotel Veneza.

O motivo da paralisação está no atraso de três meses no pagamento do salário. O último recebido pela classe foi do mês de setembro. O caso se torna mais alarmante para aqueles cuja renda depende única e exclusivamente do Centro.

Em carta aberta, o Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino do Estado de Mato Grosso (Sintrae/MT) diz lamentar o prejuízo que a greve irá causar aos alunos, mas que esta é a única maneira encontrada para receber o que lhes é de direito.

O pagamento imediato já foi determinado pela Justiça do Trabalho, mas não foi cumprido. Em 2009, o Centro firmou um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) justamente em decorrência a atrasos salariais dos profissionais.

Os profissionais conquistaram, no dia 17 de dezembro, uma liminar que determina o pagamento imediato dos salários, contudo, devido ao prazo de 48 horas para o cumprimento da liminar, o recesso forense, os prazos estão suspensos. O prazo voltará a valer a partir do dia 20 de janeiro.

Em entrevista ao Isso É Notícia, o professor Joacelmo Barbosa Borges, o ‘Professor Biro’, esclareceu as articulações que estão sendo feitas. “Nós marcamos a greve para o dia 20 de janeiro porque é a data que retornaremos de nosso recesso. É o primeiro dia do calendário pedagógico. Neste dia, faremos um ato público, às 8hrs da manhã na própria instituição. Nós estamos recebendo apoio dos alunos, inclusive, neste dia, muitos alunos estarão presentes em sinal de apoio aos professores e demais funcionários”.

“O objetivo é fazer com que a sociedade saiba o que estamos passando aqui. Tem funcionárias que estão gestantes e outras que já tiveram seus filhos. Tem muita gente passando necessidade por conta dos salários atrasados”, explicou.

No facebook, os professores pedem adesão e apoio da sociedade à causa e que pessoas compartilhem o cartaz da greve.

 

————————–

CONFIRA O PROTESTO DOS PROFESSORES NA INTERNET

https://www.facebook.com/drauzio.univag?fref=ts

Agora é oficial – GREVE DOS DOCENTES DO UNIVAG!!!
Acabou agora pouco nossa Assembleia junto com o Sindicato da categoria. Havia a presença significativa de muitos professores, o salão de eventos no hotel Veneza estava lotado.A TV bandeirantes e a Rede Record estiveram presentes, amanhã será noticiado: Não retornaremos as nossas atividades enquanto não pagarem nossos salários em atraso desde o mês de outubro. Somos cerca de 300 professores ao todo sem receber.Agora é definitivamente deflagrado nossa greve!A greve é uma coisa histórica no Univag que é uma instituição que vem lesando seus trabalhadores desde 2006.
Acabou o anonimato! Acabou o peleguismo!
Estamos organizados em defesa de nossos direitos e agradecemos o apoio de todos nossos alunos nesse momento delicado.O Dr. Dráuzio queria justificar o atraso salarial em função do governo ter retido 9 milhões do FIES, o Juiz do Trabalho Wanderley Piano garantiu que o governo federal reter o FIES do Univag não justifica a falta de pagamento. A retenção do FIES se deve a problemas tributários não resolvidos. Estamos falando de muita grana. Agora como essa desculpa do Reitor não colou. Somos cientes que querem culpar a falta de pagamento do alunado que paga em dia sua mensalidade. Sabemos que o aluno paga e a instituição não honra seus compromissos com os trabalhadores. Faz parte de sua história de desrespeito com o trabalhador. Isso já aconteceu em 2008 porém não conseguiram articular uma greve como essa que deflagramos em 2014.

Ainda não nos explicaram o porque não nos pagaram. Quando retornaremos? Isso só o Dr. Dráuzio Medeiros pode responder. Quando ele nos pagar TODOS os salários, só então retornaremos.

O Univag vai deixar de ser aquela fazenda linda custeada através da exploração da classe dos trabalhadores da educação.

Me sinto orgulhoso de fazer parte desse movimento em defesa da dignidade humana. Uma alegria miserável! Pois só sabe o que é isso quem já ficou 1 mês sem receber. Imagina você trabalhar desde outubro sem salários? Pasmem.

O movimento ganhou forças, somos muitos agora!

Estamos no mesmo barco remando contra essa maré de injustiças cometidas pela gestão desse centro de ensino que mantem o conceito de Melhor Instituição de Ensino Privado do Estado de MT (Conceito 4 pelo MEC) graças ao suor e o sangue de seus trabalhadores não remunerados e violentados nas relações trabalhistas. Um total descaso com professores e alunos!

A justiça não fez nada até hoje (o judiciário está em recesso até o dia 20/01), o patrão se esconde e não responde. A greve é nossa única arma para pressionar.

Nossa greve entra para história como luta da classe dos trabalhadores explorados da educação do estado de Mato Grosso. Infelizmente.

O “Pacto da não colaboração” é cruzar os braços diante do opressor, como anunciava Henry David Thoreau em sua obra famosa chamada Desobediência Civil.

Cruzamos nossos braços diante do opressor!

Foto: Agora é oficial - GREVE DOS DOCENTES DO UNIVAG!!!<br /><br /><br /><br />
Acabou agora pouco nossa Assembleia junto com o Sindicato da categoria. Havia a presença significativa de muitos professores, o salão de eventos no hotel Veneza estava lotado. </p><br /><br /><br />
<p>A TV bandeirantes e a Rede Record estiveram presentes, amanhã será noticiado: Não retornaremos as nossas atividades enquanto não pagarem nossos salários em atraso desde o mês de outubro. Somos cerca de 300 professores ao todo sem receber. </p><br /><br /><br />
<p>Agora é definitivamente deflagrado nossa greve!</p><br /><br /><br />
<p>A greve é uma coisa histórica no Univag que é uma instituição que vem lesando seus trabalhadores desde 2006.<br /><br /><br /><br />
Acabou o anonimato! Acabou o peleguismo!<br /><br /><br /><br />
Estamos organizados em defesa de nossos direitos e agradecemos o apoio de todos nossos alunos nesse momento delicado. </p><br /><br /><br />
<p>O Dr. Dráuzio queria justificar o atraso salarial em função do governo ter retido 9 milhões do FIES, o Juiz do Trabalho Wanderley Piano garantiu que o governo federal reter o FIES do Univag não justifica a falta de pagamento. A retenção do FIES se deve a problemas tributários não resolvidos. Estamos falando de muita grana. Agora como essa desculpa do Reitor não colou. Somos cientes que querem culpar a falta de pagamento do alunado que paga em dia sua mensalidade. Sabemos que o aluno paga e a instituição não honra seus compromissos com os trabalhadores. Faz parte de sua história de desrespeito com o trabalhador. Isso já aconteceu em 2008 porém não conseguiram articular uma greve como essa que deflagramos em 2014. </p><br /><br /><br />
<p>Ainda não nos explicaram o porque não nos pagaram. Quando retornaremos? Isso só o Dr. Dráuzio Medeiros pode responder. Quando ele nos pagar TODOS os salários, só então retornaremos.  </p><br /><br /><br />
<p>O Univag vai deixar de ser aquela fazenda linda custeada através da exploração da classe dos trabalhadores da educação. </p><br /><br /><br />
<p>Me sinto orgulhoso de fazer parte desse movimento em defesa da dignidade humana. Uma alegria miserável! Pois só sabe o que é isso quem já ficou 1 mês sem receber. Imagina você trabalhar desde outubro sem salários? Pasmem.</p><br /><br /><br />
<p>O movimento ganhou forças, somos muitos agora!</p><br /><br /><br />
<p>Estamos no mesmo barco remando contra essa maré de injustiças cometidas pela gestão desse centro de ensino que mantem o conceito de Melhor Instituição de Ensino Privado do Estado de MT (Conceito 4 pelo MEC) graças ao suor e o sangue de seus trabalhadores não remunerados e violentados nas relações trabalhistas. Um total descaso com professores e alunos!</p><br /><br /><br />
<p>A justiça não fez nada até hoje (o judiciário está em recesso até o dia 20/01), o patrão se esconde e não responde. A greve é nossa única arma para pressionar. </p><br /><br /><br />
<p>Nossa greve entra para história como luta da classe dos trabalhadores explorados da educação do estado de Mato Grosso. Infelizmente.</p><br /><br /><br />
<p>O "Pacto da não colaboração" é cruzar os braços diante do opressor, como anunciava Henry David Thoreau em sua obra famosa chamada Desobediência Civil. </p><br /><br /><br />
<p>Cruzamos nossos braços diante do opressor!
 

Professor SEM salário
Aluno SEM educação
Brasil SEM futuro e sem evolução!
Foto: Professor SEM salário<br /><br /><br />
Aluno SEM educação<br /><br /><br />
Brasil SEM futuro e sem evolução!
DRAUZIO GREVE

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.24.11.83 - Responder

    É um contrassenso mesmo nosso país. Se um pai desempregado não paga durante três meses uma pensão alimentícia de 100 reais pro seu filho: CADEIA!
    Agora deixar vários pais e mães de famílias por meses sem salário (que tem NATUREZA ALIMENTAR) não dá nadica, e ainda tem que esperar acabarem as férias dos advogados….

    • - IP 201.2.21.159 - Responder

      Nesse caso eu vejo que a “Cautelar” tem todos os elementos para justificar a urgência do caso, ou seja, devendo ser cumprida mesmo no recesso (plantão), mas no Brasil existe uma verdadeira inversão de interesses.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dois − 2 =