Três dias depois da vitória sobre Silval nas urnas, Emanuel Pinheiro, coordenador da campanha de Mauro, se alia a Riva e comanda votação pró-Silval na Assembléia, desprezando voto popular. Processo por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, no rombo da Assembléia, vai para debaixo do tapete

Emanuel e Mauro: na campanha, discurso de oposição; na Assembléia, grupo de Mauro e Silval repetem o conhavão, desprezando o recado das urnas, se aliando ao superprocessado deputado Geraldo Riva e jogando para baixo do tapete denuncia por lavagem dinheiro e formação de quadrilha do STJ contra o governador Silval

Meus amigos, meus inimigos: a Asssembléia Legislativa de Mato Grosso não autorizou nesta quinta-feira, 31 de outubro de 2012, a investigação do Superior Tribunal de Justiça contra o governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), denunciado pelo Ministério Público por fraude em licitação, lavagem de dinheiro, supressão de documento, peculato e formação de quadrilha, entre outros crimes. Mais um dia de atentado contra o interesse público, no âmbito da Assembléia.

Um fato desanimador, verdadeiramente broxante, foi perceber que um dos mais ardorosos defensores de Silval Barbossa, na tribuna, foi o deputado Emanuel Pinheiro (PR) que, até domingo passado, atuava na coordenação da campanha a prefeito de Cuiabá do empresário Mauro Mendes, e descia a ripa no lombo do PMDB e de Silval Barbosa, contribuindo assim para que a maioria da população cuiabanase se engajasse num pretenso projeto de oposição ao Governo do Estado. Desmobilizada a população, que volta à sua rotina, Emanuel e o PR parecem voltar, cinicamente, aos braços de Silval Barbosa e, consequentemente, aos braços da quadrilha que o Ministério Público procurava punir com este processo que, agora, vai para debaixo do tapete.

Além de votar em favor de Silval, Emanuel Pinheiro ainda se deu ao desplante de dizer que o fazia por desconhecer o teor do processo que o STJ está conduzindo contra Silval Barbosa. Até os buracos de rua de Cuiabá sabem que é um processo que procura punir aqueles parlamentares que, no comando da Assembléia, produziram um rombo que, somadas todas as denúncias, provocou um rombo de cerca de 500 milhões de reais nos cofres da Assembléia.

Silval administrou a Assembléia ao lado de Riva – e o mesmo coordenador da campanha de Mauro Mendes que, até domingo, denunciava o repasse irregular de mais de 70 milhões para a Assembleia, agora se une a Riva e vira as costas à Justiça quando o STJ procura punir Silval, um dos mais de 20 denunciados por aqueles crimes.

O repasse de “excesso de arrecadação” para o Legislativo, deixa aberta a possibilidade de pagamento de um verdadeiro mensalão pelo Executivo para os caititus do nosso Legislativo, a cada mês. Em sua campanha, Mauro Mendes acenou com a possibilidade de investigar este possivel esquema fraudulento que sacrifica os cofres públicos e envergonha há muitos anos os cidadãos mato-grossenses.

O voto de Emanuel Pinheiro, todavia, representa um enterro na expectativa popular de que alguma coisa iria mudar na política de Mato Grosso. Que se manifestem aqueles que votaram em Mauro Mendes. (EC)

—————–

ENTENDA O CASO

Assembleia não autoriza investigação contra Silval

Lucas Bólico e Jonas da Silva
OLHAR DIRETO

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso não autorizou a investigação contra o governador Silval Barbosa (PMDB), acusado de fraude em licitação, lavagem de dinheiro decorrente de crime contra administração pública, supressão de documentos, peculato, ordenação de despesa não autorizada por lei e formação de quadrilha.

A votação foi feita em regime secreto e o placar acabou em 11 a 5 por aprovar o parecer contrário à autorização para processar o governador. Ou seja, deputados da Assembleia de Mato Grosso não autorizam o Superior Tribunal de Justiça (STJ) a não processar o governador.

O deputado Ademir Brunetto (PT), da base aliada e ferrenho crítico do governador foi o primeiro a avalizar a autorização. “Maioria dessa casa deu cobertura ao não prosseguimento desse processo”, afirmou da tribuna após a votação.

O pedido para autorização da investigação vem fazendo pelo Superior Tribunal de Justiça desde novembro de 2011. A votação do pedido estava prevista para hoje, mas não aconteceu por falta de quórum. Na sessão de ontem, os parlamentares iniciaram a votação da matéria e a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) se manifestou pelo arquivamento, mas a apreciação foi suspensa depois de pedido de vista do deputado Dilmar Dal Bosco (DEM).

Brunetto pede investigação

O deputado estadual Ademir Brunetto (PT) defendeu a investigação e comparou o caso ao Mensalão, que vem sendo julgado pelo Supremo Tribunal Federal. O apelo do parlamentar foi no sentido de deixar a Justiça “trabalhar”. “Se ele for inocente, será inocentado”, argumentou

O parlamentar pedetista Zeca Viana cobrou que os deputados votassem a favor da vontade popular, mas declarou que não acreditava na hipótese, porque, segundo ele a bancada governista é muito grande. “Me posiciono ao lado do povo”, afirmou. “Peço que votem com a razão e não com a emoção”, solicitou

“Votação não deixa governador em pune” (sic)

O presidente da Assembleia Legislativa, José Geraldo Riva (PSD), argumentou antes da votação que os deputados não podem impedir o processo, apenas “atrasá-lo”. Ele tentou esclarecer que a AL não estaria impedindo a Justiça e que não tem o poder de deixá-lo impune.

Pinheiro diz que autorização afasta Silval do cargo

O deputado Emanuel Pinheiro (PR) defendeu o governador Silval Barbosa e declarou que a autorização culminaria no afastamento do peemedebista do cargo e lembrou que o processo corre em segredo de Justiça, o que, segundo ele, é a prova de que os parlamentares não tem informações suficientes para fazer tal julgamento de afastá-lo. Pinheiro finalizou dizendo que em nome da segurança jurídica, os deputados não podem votar pelo processo.

MPF denúncia Silval Barbosa

O STJ vem oficiando a Assembleia Legislativa de Mato Grosso desde dezembro de 2011 para apreciar o pedido de autorização para investigar o governador Silval Barbosa (PMDB), acusado de fraude em licitação, lavagem de dinheiro decorrente de crime contra administração pública, supressão de documentos, peculato, ordenação de despesa não autorizada por lei e formação de quadrilha.

De acordo com a denúncia, os envolvidos teriam se associado para praticar delitos, desviando dinheiro público mediante fraudes em procedimentos licitatórios para pagamentos de serviços não prestados e ocultando e dissimulando a origem ilícita do dinheiro obtido.

A pedido do presidente da ALMT, deputado José Riva, também denunciado, a ação penal, que está no STJ desde 2009, foi desmembrada. Assim, ele passou a responder ao processo na Justiça de Mato Grosso. Na condição de governador e conselheiro, Barbosa, que também foi deputado estadual, e Humberto Bosaipo têm prerrogativa de foro perante o STJ.

5 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 200.172.44.31 - Responder

    Eu falei que MM sempre foi candidato dos outros, nem tem luz própria, nem os lideres do PSB o reconhecem…rsrsrs.. E agora seus Pinheiros??
    No programa Entrevista Record Atualidade que foi ao ar nessa quarta-feira, na RecordNews – clique aqui para assistir, o governador Cid Gomes, do PSB do Ceará, afirmou que o PSB deve ficar com o PT até 2018.

    E apoiar a re-eleição da Presidenta Dilma.

    Cid elogiou a posição republicana da Presidenta Dilma na eleição de Fortaleza, mas criticou a do Nunca Dantes.

    Em Fortaleza, Cid ajudou a eleger o jovem médico sanitarista Roberto Claudio, contra um candidato do PT.

    Cid explicou que tentou, desde o início, apoiar um outro nome do PT, já que o candidato da prefeita petista não tinha viabilidade eleitoral.

    Além disso, as pesquisas mostravam que o eleitorado de Fortaleza não queria que ele, Cid, apoiasse o candidato da prefeita.

    Mesmo assim, o PT ficou com o candidato da prefeita, que representa um grupo minoritário dentro do PT.

    Mas, em todo o Ceará, enfatiza Cid, a relação do PSB com o PT foi a de aliados.

    E deu o exemplo de sua terra, Sobral.

    Ali, o candidato vitorioso foi um petista e o vice, do PSB.

    Mesmo depois da rivalidade em Fortaleza, Cid disse que manterá os quatro petistas de seu secretariado.

    Um secretariado plural, com representantes de todos os partidos que o apóiam.

    O ansioso blogueiro ponderou que, em 2010, um candidato do PSB a Presidente, seu irmão Ciro Gomes, tinha dois dígitos de preferência nas pesquisas antes da eleição e, mesmo assim, os socialistas abriram mão da candidatura de Ciro para apoiar Dilma.

    O PSB faria o mesmo em 2014 ?

    Cid lembrou da antiga relação do PSB com o PT.

    Desde 2002, quando Ciro aderiu a Lula no segundo turno, sem que fosse preciso Lula dar um telefonema ao Ciro.

    O PSB optou corretamente, ele enfatiza, em crescer primeiro e, depois, tentar a presidência.

    Foi com essa estratégia que, em 2010, o PSB elegeu seis governadores, um a mais que o PT: ele, Eduardo Campos em Pernambuco, Casagrande no Espírito Santo, Camilo Capibaribe do Amapá, Ricardo Coutinho da Paraíba e Wilson Martins do Piauí.

    E, agora, em 2012, foi o partido que mais cresceu, e fez quatro prefeitos de capitais: Fortaleza, Recife, Campinas e Belo Horizonte.

    A prioridade dele, Cid, é manter essa estratégia para fazer o partido cresce ainda mais.

    E disputar a presidência só em 2018.

    Já que o objetivo de todo partido político é chegar à Presidência.

    O ansioso blogueiro perguntou se o PSB se aliaria em 2014 a um PSDB de Aécio na disputa para a Presidência.

    Cid lembrou que foi do PSDB, que é social-democrata, mas que o PSDB foi para a Direita.

    E pra lá ele não vai.

    O PSDB se tornou direitista especialmente sob a liderança de Cerra, que, Cid observou, se recusa a passar a o bastão – clique aqui para ler “Renovação é pauta petista”.

    Cid ainda fala da reforma tributária: e dá a entender que ela só não sai porque São Paulo não deixa.

    E que a refinaria Premium do Ceará ainda não saiu, porque ele procura um sócio estrangeiro para a Petrobras, como conseguiu coreanos para fazer, com a Vale, uma das maiores siderúrgicas do país, no Ceará.

    Cid explica que, no passado, a Petrobrás não investiu em refinarias.

    Foram 20 anos sem uma refinaria nova.

    Agora, o Brasil produz petróleo.

    E, como não refina, exporta petróleo e importa petróleo beneficiado.

    E a Petrobrás tem que vender aqui mais barato do que compra lá fora.

    Essa incongruência se deve à falta de investimentos.

    Agora, a Petrobrás é obrigada a vender refinarias no exterior, para poder investir em refinarias, aqui.

    Mas, ele está confiante em que os sócios estrangeiros virão para a refinaria do Ceará.

    Depois da entrevista, Cid Gomes, sem gravar, demonstrou a intenção de, ao sair do Governo, ir trabalhar numa agência internacional de crédito para países em desenvolvimento.

    Para estudar e se proteger um pouco de “horário-eleitoral-fobia”, como ele definiu.

    Clique aqui para ler “Eduardo com Dilma e Kassab com Lula”.

    E aqui para ler “O enigma Eduardo Campos”.

    Paulo Henrique Amorim

  2. - IP 200.17.60.247 - Responder

    Esse Coronel Riva jamais vai fazer algo que possa prejudicar o sogro de sua filha que, por coincidência, é o governador Silval. Quanto ao Emanuel Pinheiro, segundo a sua própria conveniência, apoia ou não determinada pessoa… Os eleitores devem fazer uma lista desse políticas que traem suas convicções em troca de interesses pessoais….
    O próprio governador deveria se afastar do cargo para ser investigado, mas aí tem outro problema: o vice é fraco para o cargo… e pior, ainda têm o presidente da AL que assume… nossa, não é bom nem pensar…
    Mato Grosso está como um barco a deriva, sem rumo… Só a AL vê grana, enquanto isso o MT Saúde virou doença, e os altos escalões estão se lixando para o servidor, pois eles podem pagar plano de saúde menosn ruim.. é o que há,,

  3. - IP 189.59.33.158 - Responder

    ENOCK TAKITA COM RIVA TAKITA COM EDER TAKITA COM SILVAL TAKITA COM LÚDIO… E AGORA ENOCK? VC E RIVA JUNTOS QUE VERGONHA!!!!

  4. - IP 189.0.133.204 - Responder

    ESTA É UMA DAS FACETAS DA FAJUTA DEMOCRACIA À BRASILEIRA. ESTÁ EXPLICITO QUE A TAO DECANTADA INDEPENDENCIA HARMONICA ENTRE OS PODERES NAO VIGORA. E OQ É MAIS HILÁRIO É QUE A PRÓPRIA CASA DAS LEIS (ASSEMBLEIA LEGISLATIVA), COMANDADA POR NADA MAIS NADA MENOS QUE JOSE GERALDO RIVA, NEGOU A AUTORIZAÇAO PARA SE PROCESSAR O SR. SILVAL. COMO QUEREMOS SER UM PAIS SERIO SE COISAS TOSCAS COMO ESSAS SE PROCESSAM E A POPULAÇAO NAO ESTA NEM AI ? ALIÁS, SO A POPULAÇAO, NAO, NINGUEM ESTA NEM AI! É UM ABSUUUUUUUUURDO ESSA NEGATIVA DE AUTORIZAÇAO. NAO ENTRA EM MINHA CABEÇA QUE O JUDICIARIO SEJA IMPEDIDO DE EXERCER O SEU DIREITO DE PROCESSAR ALGUEM QUE, COMO VIMOS PELA DENUNCIA DO MP, COMETEU DELITOS GRAVISSIMOS. E, O PIOR, ESTE CIDADÁO É NADA MAIS NADA MENOS QUE O GOVERNADOR DO NOSSO ESTADO. É, REALMENTE, PRÁ CABÁ! CHUPA MAIS ESSSA, POVO CUIABANO! SÓ ESPERO QUE EM 2014 TENHAMOS A DECENCIA DE MANDAR PRAQUELE LUGAR OS SENHORES DEPUTADOS CONIVENTES COM TAMANHA COVARDIA.

Deixe uma resposta para Maurício    ( cancelar resposta )

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezessete + 4 =