Tentando evitar que processo que investiga possível crime eleitoral praticado por José Riva em Campo Verde, nas eleições de 2010, continue se arrastando no TRE, juiz José Blaszak se declara suspeito para participar do julgamento e cobra celeridade dos demais membros

Considerando-se injustiçado na apreciação da suspeição levantada por Riva contra ele, o juiz José Blaszak se afasta da relatoria do rumoroso caso  de Campo Verde, tentando lançar luz sobre artificios protelatórioas que podem favorecer, em sua avaliação, o réu, deputado Geraldo Riva

Considerando-se injustiçado na apreciação da suspeição levantada por Riva contra ele, o juiz José Blaszak se afasta da relatoria do rumoroso caso de Campo Verde, tentando lançar luz sobre artificios protelatórioas que podem favorecer, em sua avaliação, o réu, deputado Geraldo Riva

Na segunda-feira, 17 de junho, o juiz eleitoral José Blaszak protocolou documento, no gabinete do juiz Francisco Ferreira Mendes, declarando-se suspeito, por razões de foro íntimo, para continuar atuando, na condição de relator do rumoroso processo que apura, no âmbito do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, a possivel prática de crime eleitoral por parte do então candidato à reeleição, deputado José Geraldo Riva (PSD-MT), nas eleições de 2010.

No documento, a que esta PAGINA DO E teve acesso, Blaszak demonstra sua insatisfação com os sucessivos adiamentos que vem marcando o andamento daquele processo e também com a atitude do juiz Francisco Ferreira Mendes que, escalado para julgar exceção de suspeição de Geraldo Riva apresentou contra ele, estaria dilatando demasiadamente a instrução deste processo o que, segundo Blaszak, “vai de encontro aos princípios da duração razoável do processo, bem como da celeridade”. Na avaliação de Blaszak, postura adotada pelo juiz Francisco Ferreira Mendes no julgamento da suspeição levantada por Riva contra ele, tem favorecido a tática dispersiva que interessa a Riva.

LEIA, AGORA, INTEIRO TEOR DO DOCUMENTO EM QUE BLASZAK SE DECLARA SUSPEITO, POR RAZÕES DE FORO INTIMO

Tre-mt Pagina Do e – Blaszak Se Diz Suspeito Para Julgar Riva by Enock Cavalcanti

————-

ENTENDA O CASO

Diretor da Polícia Civil em MT é acusado de favorecer deputado

RODRIGO VARGAS

FOLHA DE S.PAULO – 20/10/2011

O Ministério Público Federal denunciou sob acusação de quebra de segredo de Justiça e prevaricação o diretor-geral da Polícia Civil de Mato Grosso, Paulo Rubens Vilela.   Segundo a Procuradoria, os crimes foram cometidos em uma tentativa de beneficiar o então candidato a deputado estadual José Geraldo Riva (PP), hoje presidente da Assembleia Legislativa, em uma investigação por crime eleitoral em 2010.

A denúncia afirma que em 3 de outubro, data da eleição, Vilela determinou por meio de portaria que fossem encaminhados para seu gabinete em Cuiabá documentos que haviam sido apreendidos dois dias antes por determinação da Justiça Eleitoral em Campo Verde (130 km de Cuiabá).

O TRE-MT, em nota divulgada à ocasião, disse que as apreensões se deviam à denúncia de que “apoiadores do candidato” estariam distribuindo combustível e dinheiro em troca de votos.

“A diligência culminou em apreensões de vários tickets de combustível, agendas, cópias e documentos originais do título de eleitor, lista com nomes de várias pessoas, fotocópias de contas de energia elétrica, blocos de recibo e outros documentos”, disse o TRE, à época.   Para a Procuradoria, a portaria expedida pelo diretor-geral da Polícia Civil tinha o objetivo de “tomar a responsabilidade sobre a investigação para proteger ilicitamente” o candidato, em troca de “favores políticos”.

“No dia seguinte (04 de outubro de 2010) o assessor do delegado Paulo Vilela foi junto com o assessor de Geraldo Riva no avião do parlamentar para buscar o documento de investigação em Campo Verde”, diz a Procuradoria, em nota.   Após obter cópia de todos os documentos, diz a denúncia, Vilela as repassou para o então secretário-chefe da Casa Civil, Eder Morais, hoje titular da Secopa (Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo Fifa 2014).

“As investigações só não foram frustradas porque o delegado de Campo Verde informou ao Juízo Eleitoral sobre a portaria, que juntamente com o Ministério Público determinou que a investigação passasse a ser conduzida pela Polícia Federal”, diz a nota.

A denúncia foi oferecida no dia 20 do mês passado e recebida pela 5ª vara da Justiça Federal na última quarta-feira (26). Além da condenação por prevaricação e quebra do sigilo judicial (penas de 2 a 4 anos), a Procuradoria pede o afastamento imediato de Vilela da direção da Polícia Civil.   Procurado pela Folha, o delegado Paulo Vilela disse, por meio de sua assessoria, que está “tranquilo” em relação às acusações e que vai apresentar sua defesa à Justiça.

A defesa de José Riva disse que o deputado não é alvo da denúncia e não irá comentar o assunto. Sobre a acusação de crime eleitoral em Campo Verde, o advogado Ronimárcio Naves disse que “não houve crime” e que os materiais apreendidos eram “artigos regulares de campanha”.

A reportagem não conseguiu contato com o secretário Eder Morais.

Juiz eleitoral José Blaszak, da cota da Advocacia, se afasta do julgamento do rumoroso julgamento que investiga possível crime eleitoral praticado pelo deputado Geraldo Riva, na comarca de Campo Verde, na eleição de 2010. O caso se arrasta na Justiça eleitoral há mais de 2 anos.

Juiz eleitoral José Blaszak, da cota da Advocacia, se afasta do julgamento do rumoroso julgamento que investiga possível crime eleitoral praticado pelo deputado Geraldo Riva, na comarca de Campo Verde, na eleição de 2010. O caso se arrasta na Justiça eleitoral há mais de 2 anos.

 

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.193.146.248 - Responder

    QUANDO MATO GROSSO ACORDAR, OS POLITICÓIDES DESSA TERRA TERÃO TANTOS PESADELOS… VAMOS MOSTRAR PRA POLITICALHA DO NOSSO ESTADO QUE A SAFADEZA TEM QUE ACABAR… VAMOS PEGAR DURO PELO JUGAMENTO DOS CANALHAS E VÂNDALOS QUE DEPREDARAM O DINHEIRO PUBLICO EM MATO GROSSO… O POVO QUER ESSES CORRUPTOS NA CADEIA E SEUS BENS CONFISCADOS… ACORDA MATO GROSSO! O DIA JÁ VEM RAIANDO E O BRASIL JÁ ESTÁ DE PÉ…!

  2. - IP 187.5.109.196 - Responder

    Por primeiro, sei que a ONG MORAL e o MCCE não indicam juízes membros para o TRE, porém, o tão honrado e IMPROBO Dr. BLASZAK (como disse o cidadão ADEMAR ADAMS), para chegar a condição de Juiz Membro, teve o irrestrito apoio dessas instituições.

    Aliás, o Dr. BLASZAK, pelo que se comentam, está respondendo Inquérito na Policia Federal por improbidade, vez que, teria recebido verba pública para ministrar palestras no município de Brasnorte, porém, nem apareceu por lá. Por isso seu afastamento dos processos em trâmite no TRE, envolvendo alguns políticos de Brasnorte.

    Por segundo, deveria o cidadão ADEMAR ADAMS saber ao menos escrever o PORTUGUÊS da forma correta, haja vista que digitou em seu comentário o sobrenome de seu pupilo como sendo ‘BRASZAK’, quando o correto é ‘BLASZAK’ e também, no segundo parágrafo desse mesmo comentário, usou o termo como sendo ‘ESTÁ’ (com acento agudo), quando o correto é ‘ESTA’ (sem acento agudo).

    O cidadão ADEMAR ADAMS, com seu novo comentário, mais uma vez demonstra estar a serviço das instituições ONG MORAL e MCCE, pois aparenta querer fazer crer que quem desmoraliza o TRE/MT são seus próprios membros e, na verdade, ao que parece, quem está verdadeiramente desmoralizando esse tribunal é seu pupilo ‘BLASZAK’ (e não ‘’BRASZAK).

    Além do que, se ADEMAR ADAMS não sabe, apenas os advogados (como seu pupilo BLASZAK e não BRASZAK), após formação de lista tríplice nos Tribunais de Justiças Estaduais, com os nomes encaminhados ao TSE e após à Casa Civil em Brasília, tem sua nomeação firmada pela Presidência da República (demonstra o Sr .ADAMS ser total desconhecedor de tudo, apenas AGITADOR, ao alegar que os advogados são indicados por políticos corruptos).

    Já os demais membros (que são Desembargadores e Juízes Estaduais e Federal), são indicados por seus respectivos Tribunais, sem nomeação de qualquer autoridade de outro Poder.

    Aliás, não sei qual a formação do Sr. ADEMAR ADAMS, pois, se for formado em Direito, dou uma dica! Porque não disputa uma vaga como Juiz Membro do TRE/MT, para ver se você possui alguma capacidade moral ou intelectual para mudar as coisas que pensa sempre estarem erradas no Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, onde acusa seus membros de estarem sempre envolvidos com corruptos?

    Atualize-se senhor ADEMAR ADAMS e faça comentários, além de sérios e respeitosos, de maneira que estejam respaldados e não de forma aleatória e irresponsável. Vá estudar um pouco de Português.
    Bom aprendizado em português!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

20 − 17 =