Taques reage, pelo menos em VG, e veta apoio a partido de Riva

O site O Documento, produzido pela equipe de Maksues Leite, taxa a atitude de Pedro Taques de “radicalismo”. Pois é esse radicalismo que os homens e as mulheres de bem de Mato Grosso esperam de Pedro Taques. Tolerância zero com os partidos marcados pela corrupção. Mas se não pode coligar com o PSD em VG, não pode também coligar com o PR do Escândalo dos Maquinários em Cuiabá. Meio radicalismo não vale. Ser meio radical com a corrupção é como querer ficar meio grávido: não dá pra acreditar. Confiram o esperneio do site do Maksuês Leite, sabidamente ligado a Riva. (EC)

Senador impede coligação do PDT com qualquer um dos três candidatos a prefeito

CLÁUDIO MORAES
Da Editoria – O DOCUMENTO

O radicalismo do senador Pedro Taques (PDT) acabou prejudicando o PDT na composição política para a disputa da prefeitura de Várzea Grande neste ano. Ele impediu que a Comissão Provisória do partido na cidade se coligasse com qualquer um dos três candidatos ao paço Couto Magalhães, que são a ex-primeira-dama Lucimar Campos (DEM), deputado estadual Wallace Guimarães (PMDB) e ainda o prefeito Sebastião dos Reis Gonçalves, o “Tião da Zaeli” (PSD).

Em princípio, o PDT tinha o projeto de lançar um candidato próprio sendo que os nomes cotados eram dos empresários Juliano Bortolotto, Fernando Minosso e Fernando Mendonça. Todavia, nenhum deles se viabilizou para a disputa.

Sem projeto próprio, o PDT passou a ser a “noiva da vez”. Os três candidatos a prefeito ofereceram a indicação de vice em suas chapas para os pedetistas.

Todavia, a composição foi vetada pelo senador pedetista que alegou “coerência”. Em relação a uma composição com o DEM, ele teria argumentado que não se sentiria bem no mesmo palanque da força política que representa o conservadorismo em Várzea Grande.

Já sobre o apoio a Wallace Guimarães, ele usou a mesma tese usada para evitar uma composição do PDT com o PMDB em Cuiabá. Ele tem se usado um discurso de oposição ao governador Silval Barbosa (PMDB), que é a referência de imagem de Wallace na disputa pelo paço Couto Magalhães.

Os três líderes pedetistas tinham simpatia pelo apoio a reeleição do prefeito “Tião da Zaeli”. Todavia, Pedro Taques rejeitou a aliança pelo ato de que o partido do prefeito é liderado no Estado pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual José Riva (PSD), desafeto político do senador.

Desistência

Diante da indefinição, o PDT vive uma intensa crise interna em Várzea Grande. Além de ficar sem uma vice e candidatura própria, os candidatos do partido a Câmara de Vereadores começam a desistir.

Dos 14 pré-candidatos ao Legislativo, quatro já recuaram da ideia. Sem palanque, o partido passa por um processo de autofagia.

Categorias:Jogo do Poder

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 200.101.11.210 - Responder

    Juridicamente o Pr não tem nada contra si! Ao contrario do PSD do Zé Riva! O Maior ficha suja do Pais!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

5 + seis =