Supremo Tribunal Federal passou a ter um papel político, avalia jornalista Paulo Moreira Leite, autor do livro “A Outra História do Mensalão”. Veja, em vídeo, íntegra do debate, promovido pelo programa Contraponto, do Sindicato dos Bancários de são Paulo, que também teve participação do jurista Dalmo Dallari

247 – As contradições do julgamento da Ação Penal 470, o chamado ‘mensalão’, são fortemente ressaltadas pelo jornalista Paulo Moreira Leite, da revista IstoÉ, em entrevista ao programa Contraponto, uma parceria do Sindicato dos Bancários com o Blog da Cidadania, de Eduardo Guimarães.

Autor do livro “A outra história do mensalão”, PML lembra que, com o julgamento, o Supremo Tribunal Federal (STF), presidido pelo ministro Joaquim Barbosa, passou a ter um papel político. “Eu acho que esse julgamento teve e terá um efeito político muito grande”, disse ele.

O programa conta ainda com a participação do jurista Dalmo de Abreu Dallari, que fala a Eduardo Guimarães. Segundo ele, a corte suprema, em primeiro lugar, “aceitou julgar, decidiu julgar [o processo da AP 470], sem ter competência constitucional”. Segundo ele, “são pouquíssimos os casos de foro privilegiado, de acordo com a Constituição brasileira.

No vídeo, a íntegra do programa.

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.41.92.137 - Responder

    Mas que opinião isenta ,importante e decisiva.Agora sim, é só soltar os mensaleiros pois o notável e extraordinário jornalista Paulo Moreira JULGOU que os ministros do Supremo Federal,são imcompetentes e políticos.Portanto o julgamento é nulo.PALHAÇOS é o que são e fazem questão de assim aparentar sem se constrangerem!

  2. - IP 177.1.234.233 - Responder

    De fato, o julgamento do mensalão foi muito mais político do que técnico. Isso explica o fato de que um réu confesso de ter recebido 4 milhões de reais, não ter sido obrigado a devolver a quantia embolsada. E ainda estar solto até a presente data. Influenciado pela Grande Imprensa, adversária do PT e do atual governo, o Supremo sucumbiu ao justiçamento, punindo com rigor exclusivamente réus do PT, condenando alguns deles até sem provas, ao passo em que mantém engavetado o processo do mensalão tucano, aquele em que o PSDB inventa o esquema do mensalão em Minas Gerais.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

7 − 5 =