PREFEITURA SANEAMENTO

Pedro Taques teve apoio de parceiro de Riva, revela Suelme

Pedro Taques teve apoio de parceiro de Riva, revela Suelme

Na entrevista que fiz com o secretário geral do PSB, professor Suelme Evangelista, para a edição do CENTRO OESTE POPULAR que está circulando, o professor revela que a coligação Mato Grosso Muito Mais, na eleição de 2010, fingiu que não viu o apoio por baixo do pano que o ex-procurador da República, Pedro Taques teria recebido de um dos mais destacados parceiros de Geraldo Riva, o ex-deputado estadual Sérgio Ricardo, recentemente entronizado como novo conselheiro no Tribunal de Contas de Mato Grosso, em processo tido como viciado mas que ninguém conseguiu abortar. Por fora da coligação, Pedro Taques também teria negociado votos com Guilherme Maluf, do PSDB, da chapa de Wilson Santos, e com Luiz Marinho, deputado estadual do PTB de Chico Galindo, entre outros, segundo relata Suelme – avaliando que Pedro Taques, nesta eleição de 2012, deve devolver “a gentileza que o PSB fez ao PDT”. Confira a entrevista. (EC)

 

 

 

Suelme Evangelista, secretário geral do PSB em Cuiabá:

Mauro Mendes se articula para vencer a disputa pela Prefeitura deCuiabá no primeiro turno

Suelme Evangelista Fernandes, mestreem Educação, secretário geral do diretório municipal em Cuiabá e um dos integrantesdo ”núcleo duro” do Partido Socialista Brasileiro, no plano estadual, repele osesperneios do senador Pedro Taques e de outras lideranças do PDT e argumentaque as articulações que vem sendo desenvolvidas pelo empresário Mauro Mendespara manter em torno de si o PDT, o PPS e o PV e conquistar novas adesões de partidoscomo o PMDB, o PR, o PT, o PC do B e até mesmo o PTB, do prefeito Chico Galindo,à sua candidatura a Prefeito de Cuiabá, traduzem o esforço para construir umavitória no primeiro turno da eleição marcada para o próximo mês de outubro.

Suelme rebate quem fala em “traição”por parte de Mauro Mendes, ao ampliar a base partidária que o apoia  e lembra que, na eleição de 2010, o PSB fechouos olhos aos conchavos, por baixo do pano, que Pedro Taques armou para recebero apoio de adversários como Sérgio Ricardo, Guilherme Maluf, Luiz Marinho edissidentes do PT à sua candidatura ao Senado Federal.  “Esperamos que o PDT nos devolva a gentileza”,defende Suelme. Confira, abaixo, os principais trechos da entrevista.

ENOCK CAVALCANTI

CENTRO OESTE POPULAR

 

CENTRO OESTE POPULAR – Essa semana, a polêmica foi saber se o candidatoMauro Mendes, do PSB, aplicou ou não uma facada nas costas do senador PedroTaques e de seus parceiros do PDT.  Procedea preocupação do médico Kamil Fares?

SUELME EVANGELISTA – Penso queestá muito sangrenta essa eleição. É uma eleição que vai ser vitoriosa, nãotenho duvida de que o Mauro vai ser o prefeito de Cuiabá nos próximos quatroanos.  Acho que esse clima de facada,velório, de empurra-empurra não deve existir porque é uma eleição que começa positivapara o Mauro. Ele começa na casa dos  40%de preferencia dos eleitores, então falar em facada não combina com o clima denossa campanha. Nós hoje temos a liberdade escolher com quem queremos andar,inclusive no processo eleitoral. Todas as conversas do PSB sempre foram dentrodas regras democráticas, com as portas abertas. Sou testemunha de varias reuniõesdo Mato Grosso Muito Mais em que o Mauro sempre deixou muito claro que ia trabalharpor um plus porque entendia que só  quatro partidos era muito pouco para uma empreitadatão grande como a prefeitura de Cuiabá. Acho que Mauro está num projeto em quenão dá pra correr risco. Ou ele ganha agora ou será o enceramento, de formacruel, da carreira política dele. Então vamos trabalhar duro para que isso seconsolide, de preferência, no primeiro turno. E em uma eleição é precisoampliar o leque de partidos aliados,  a gentenão faz política escolhendo inimigos, desmerecendo adversários, apontando dedo,colocando veto de forma autoritária. Isso se faz com muito diálogo. Não penso  que quando o senador Pedro Taques falou defacada nas costas ele esteja se dirigindo ao PSB e não acho que o Kamil Farestenha o  direito de falar que o PSB estátraindo Pedro Taques. Se o PDT sair da coligação,  ai sim, afirmo, é que  será a grande facada nas costas do Mauroporque gentileza gera gentileza e, em política, quase ninguém quer fazer a reciprocidade.Se, em 2010, demos todo o ambiente favorável para o PDT tocar a sua candidaturade senador, inclusive recebendo o apoio do Sergio Ricardo do PR, do GuilhermeMaluf, do Luiz Marinho, inclusive o PT também, todos esses não estavam em nossacoligação, mas deixamos o ambiente tranquilo para que Pedro Taques pudessetocar o projeto majoritário que era o mais importante para todos. A genteespera, agora, essa reciprocidade e que seja honrado o compromisso de devolveressa gentileza ao PSB, dando ao Mauro as condições de construir e viabilizar seuprojeto.

COP – Todo mundo se surpreendeu  com o surgimento da candidatura do secretárioJoão Malheiros e o esvaziamento da candidatura de Francisco Vuolo. Esse desmonte da candidatura do PR teve o dedo do PSB?

SUELME EVANGELISTA – O Mauro nunca negou de que ia conversar com lideranças dos mais diversos partidos e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que é um craque em política e é uma referencia na política nacional, tem dito que são duas coisas que estruturam umprojeto eleitoral – é o poder e a perspectiva de poder. Hoje o poder, emCuiabá, que é o Chico Galindo, não é mais candidato e a perspectiva de poderreal e concreta está com Mauro Mendes. Em cima dessa perspectiva de poder você segura todo um conjunto político. Está acontecendo agora o que não ocorreu em2008, nem em 2010 porque o Mauro estava começando sua caminhada. Hoje não équalquer candidato que se coloca para enfrentar o  Mauro, gastar dinheiro, tempo, por em risco um mandato parlamentar. Então, apartir desse potencial, é evidente que o Mauro flertou e mandou sinais, num diálogoàs claras, para fazer o bom debate e aconteceu que, dentro do PMDB,  o Dorileo Leal acabou não conseguindo ambientepara se viabilizar, interna e externamente – e o mesmo ocorreu no PR. O Vuolo,logo que se pôs como candidato começou a abrir comunicação com o Dorileo e oMalheiros, percebendo que o Mauro era um projeto muito mais seguro, apostou noprojeto Mauro. Como se diz, ninguém quer acender vela para defunto ruim. Em quantascampanhas já se viu o candidato a vereador dobrar o santinho, esconder o númerodo prefeito e empurrar o de um adversário?! A gente sabe que o arranque dacandidatura majoritária possibilita muitas aberturas para a candidaturaproporcional, há uma pressão para que se aposte em algo seguro e o Mauro Mendes dá essa segurança hoje, atraindo diversos partidos.

 

COP – Dorileo Leal, que se afastou da disputa, disse que Mauro Mendesquer ganhar por WO.  A saída do Dorileoexpressa mais uma articulação do PSB?

SUELME ENVANGELISTA – Penso que  foi mais um charme que o Mauro jogou. O Maurodisse claramente para o Dorileo:  soucandidato! Quando ainda havia uma indefinição do Mauro, criou-se um monte de possíveis candidatos, inclusive o próprio prefeito Chico Galindo. Sem o Mauro no cenário seria muito favorável para qualquer umtentar vencer. Com a definição do Mauro é que começou a se limpar a pauta de pré-candidatos. Ao comunicar ao Dorileo e a outras lideranças do PMDB que era candidato, o Mauro criou um fato político e outros partidos começaram a se movimentar também na expectativa de participar desse processo, visando  uma composição ampla para garantir tempo de TV,capilaridade eleitoral e a consolidação do projeto, se possível, no primeiroturno. Penso que tanto a  candidatura do Dorileocomo a do Vuolo foram desmoronando mais internamente do que externamente,diante disso que chamo de perspectiva de poder real, que hoje se incorpora nafigura de Mauro Mendes.  Ele tem apreferencia de voto que os outros candidatos não apresentam. Essa perspectivade poder real  é que cria todas aspossibilidades e representa o grande patrimônio eleitoral do nosso partido, queé a intenção de voto expressa pela população, que é mais importante que tudo. Masé claro que ninguém governa sozinho e todo mundo, inclusive o próprio eleitor,  pensa muito no voto e os candidatos a vereadores,eles querem estar próximos daquele que realmente tem expectativa real de poder.Por tudo isso, acho que o processo polarizou demais em cima do Mauro Mendes. O presidente Lula vivenciou isso, é uma onda que acaba mexendo com todas as estruturas da política.

COP – O deputado Valtenir, presidente regional, participa das negociações desenvolvidas pelo Mauro Mendes ou o Mauro está credenciado para negociar isoladamente ?

SUELME EVANGELISTA –  Mauro Mendes amadureceu muito,  acho que a vivência dele no PSB tem sido fundamental.  Mauro tem uma historia lá atrás com omovimento estudantil, passou pelo PR, que é um partido mais desenvolvimentista ehoje o PSB lhe deu lastro para um compromisso social que é importante. Na últimaconferencia nacional do PSB, o nosso presidente Eduardo Campos deixou claro queuma das teses de nosso partido é o novo caminho para as cidades.  Um dos conceitos que vamos trabalhar nacampanha é um novo caminho para Cuiabá pois precisamos de uma reforma urbana defora para dentro da cidade, das periferias pro centro, e já vejo nos discursosdo Mauro essa preocupação com os setores marginalizados da cidade. Acho que teremoscondições de reproduzir as experiências exitosas do PSB em Belo Horizonte eCuritiba. Acho que esse jeito socialista de governar, de que o Mauro e oValtenir tem falado tanto é exatamente esse compromisso com o S do PSB, que é oSocialismo num conceito social  de visãosocial, de política publica. Muita gente pergunta: “O Mauro é um milionário, umcapitalista, o que está fazendo num partido socialista?” No entanto, quando sefala em socialismo, não estamos falando do socialismo do muro de Berlim, ovelho socialismo da União Soviética. Estamos falando do socialismo chinês,  que pensa na competitividade,  com um estado forte gerando bem estar social. Estamosfalando de um capitalismo mais humanizado e que possa gerar bem estar social paraas pessoas, políticas publicas para aqueles que mais precisam no estado.

COP – O confronto que se identificou,  no passado, entre Mauro Mendes e o deputado Valtenir está superado?

SUELME EVANGELISTA – Tranquilamente.Importante, agora, é testar o Mauro com o exercício do poder real.  Entendo que vai ser uma coisa positiva porqueesse Mauro em que as pessoas dizem que vão votar ainda é uma tese, umaesperança. O Mauro não disputa com o Valtenir. Na verdade, Mauro surge como a antítesedo Wilson Santos, acho que é isso que existe na cabeça das pessoas. Só com aentrada efetiva do Mauro no poder é que poderemos mensurar o tamanho dele. Achoque o Valtenir tem seu patrimônio eleitoral, tem a sua importância e o PSB temlugar para todo mundo. Estamos aí com a  Luciane Bezerra,  uma grande deputada, com um trabalho belíssimo.Para se ter uma idéia,  do DistritoFederal ao Mato Grosso, nesses estados do Centro Oeste, o PSB tem o senador  Rollemberg e o deputado federal Valtenir. Em  Goiás, não temos nada, no Mato Grosso do Sul  nada. Então, botar uma bandeirinha do PSB emCuiabá, com Mauro e Valtenir unidos,  abrirá uma perspectiva de irradiação para nossopartido. Por isso, o projeto  do Mauro éimportante não só para nós de Cuiabá mas para a executiva nacional do PSB que aposta muito neste projeto.

COP – O PSB, através da deputada Luciane Bezerra, tem mantido posturade oposição ao governo estadual. A aproximação do PSB com o PMDB, na disputaeleitoral, em Cuiabá, pode alterar este quadro?

SUELME EVANGELISTA – Penso que adeputada vai continuar a manter sua postura, com toda a autonomia que o PSB lhe garante. Não estamos fazendo umacordo de porteira fechada, não estamos fazendo negociações fisiológicas. OPSB, há tempos atrás, já foi barriga de aluguel, em Mato Grosso, isso não ésegredo para ninguém, o partido foi usado por várias siglas como uma espécie depuxadinho, mas,  submetido agora aocomando do deputado Valtenir Pereira, essa situação acabou.

COP – Em anúncios no rádio e na TV, em que, pretensamente, prestacontas à população, o governo de Chico Galindo diz que Cuiabá está avançando,com melhorias  em várias áreas. Qual asua avaliação?

SUELME EVANGELISTA – Acredito queChico Galindo poderia ter feito uma ruptura de forma corajosa e ter dito “eunão sou PSDB, não quero saber” –  e fazeras mudanças necessárias na prefeitura para criar esse conceito que agora elequer construir no imaginário das pessoas. Na verdade, ele continua fazendo a mesma gestão que o Wilson Santosfazia, com o mesmo modo operante mas tenta operar, no imaginário das pessoas, aidéia de que ficou quieto porque preferiu fazer as obras. No entanto,  vamos ter que avaliar muito essas concessõesque foram feitas, a Sanecap privatizada, a gente vai querer saber qual é ocompromisso da CAB com uma solução para o saneamento porque levar água tratadana casa do cidadão é muito fácil, temos que nos preocupar é com o rejeito daágua para que não caia nos córregos, não contamine o rio Cuiabá e vá destruir oPantanal . Não podemos nos contentar que a capital que se prepara para 2014,  tenha algumas trincheiras, um novo estádio masa grande maioria das pessoas continue vivendo na periferia, privados dascondições mínimas de sobrevivência. Nosso sistema de captação de esgoto aindasegue aquele modelo do século dezenove. Há muito  que mudar para que se possa chegar comdignidade em 2014. Acho que o Mauro vai ter um grande desafio, que é motivar ofuncionário da Prefeitura, motivar o cidadão de que podemos ter uma cidadediferente dessa que o atual governo vem nos impondo.

COP – O que se desenha é um chapão em torno do Mauro Mendes. Quando éque esse processo se conclui?

SUELME EVANGELISTA – Até o dia 30vai continuar havendo muito flerte, muito teatro, que é uma coisa própria dapolítica.

COP – Nesse bloco comandado pelo Mauro há uma vaga para o PSD?

SUELME EVANGELISTA – Não, eununca vi o debate chegar ao PSD dentro do partido. Nunca ouvi da boca do Mauro,apesar do respeito institucional  que eletem pelo Riva, ele falar em composição com o PSD. Pelo contrário, o Mauro achaque o Carlos Britto é candidato e que para o Brito pode ser interessante tentarse revitalizar nesse processo político.

—–

HUMOR – FRED NO MIDIA NEWS

Categorias:Jogo do Poder

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.47.154.72 - Responder

    SE ISTO QUE O SECRETARIO GERAL DO PSB ESTA DIZENDO FOR VERDADE ENTÃO HOUVE CAIXA DOIS NA CAMPANHA DO SENADOR PEDRO TAQUES. ALÔ MINISTÉRIO PUBLICO,CADÊ VOCÊ ? ALÔ ONG MORAL,ADEMAR ADAMS CADÊ VOCÊS? ESSA ACUSAÇÃO É GRAVÍSSIMA.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dez − 9 =