SILVAL, VOCÊ VAI MAL! : Mal acabou greve dos agentes penitenciários, o Conselho de Representantes do Sintep indica greve em todas as escolas estaduais, por tempo indeterminado. Paralisação deve ser definida, pra valer, em assembleia que acontece nesta segunda, 14 horas, no Presidente Médici

 O presidente do Sintep, Henrique Lopes do Nascimento, considerou "muito frágil", o documento encaminhado pelo governo da coligação PMDB-PT-PR com propostas para os profissionais da Educação de Mato Grosso. Sem habilidade para negociar com o Sintep, governo Silval deve enfrentar nova greve, nas escolas, a partir desta segunda


O presidente do Sintep, Henrique Lopes do Nascimento, considerou “muito frágil”, o documento encaminhado pelo governo da coligação PMDB-PT-PR com propostas para os profissionais da Educação de Mato Grosso. Sem habilidade para negociar com o Sintep, governo Silval deve enfrentar nova greve, nas escolas, a partir desta segunda

O Conselho de Representantes do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público de Mato Groso (Sintep/MT) indicou o início da greve por tempo indeterminado imediatamente na rede estadual de ensino. O encontro, que reuniu representação de cerca de 100 municípios, apontou que a paralisação é a única forma de pressionar o governo ao atendimento da pauta de reivindicações da categoria.

Considerado um “termômetro” para a assembleia geral, o Conselho de Representantes foi realizado neste sábado e domingo (3 e 4), em Cuiabá, com o objetivo de avaliar o indicativo de greve apontado no início de julho.

Dois dias antes da reunião dos representantes das subsedes do Sintep/MT o governo chegou a encaminhar uma resposta oficial à categoria pontuando sobre a pauta de reivindicações dos profissionais da educação. No entanto, o documento não contentou os servidores. “O documento se mostrou muito frágil em relação ao que viemos reivindicado desde o ano passado. Apesar de considerar itens da pauta importantes, o governo não aponta meios concretos para dobrar o poder de compra dos trabalhadores da educação em um prazo de até 7 anos”, diz o presidente do Sintep/MT, Henrique Lopes do Nascimento.

Segundo Henrique a categoria demonstra-se insatisfeita e este cenário estará presente na assembleia geral que será nesta segunda-feira (5), às 14h na Escola Estadual Presidente Médici em Cuiabá.

A pauta de reivindicações dos trabalhadores da educação exige a aplicação dos 35% dos recursos do Estado em educação, a realização de concurso público, cumprimento da hora-atividade, investimento nas unidades escolares e compromisso de valorização profissional do trabalhador por meio da dobra do poder de compra em um prazo estabelecido de no máximo 7 anos.C

fonte SINTEP MT

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

7 − 6 =