SILVAL, VOCÊ VAI MAL! – Greve dos estudantes de Medicina da Unemat completa 4 semanas – e continua forte.

Manifesto de Greve Dos Estudantes de Medicina Da Unemat by Enock Cavalcanti

No dia 13 de agosto de 2014, os acadêmicos de Medicina da Universidade do Estado de Mato Grosso se reuniram em Assembleia, no campus Cidade Universitária, e optaram por deflagrar uma greve em busca de melhorias para o curso. As reivindicações estão contidas no manifesto da greve (clique aqui para ler o manifesto na íntegra). A decisão não foi tomada isoladamente, de forma que alunos das cinco turmas atuais demonstraram-se a favor do movimento.
Durante essas quatro semanas, os acadêmicos fizeram diversas manifestações de forma silenciosa e pacífica, forma de protesto essa valorizada inclusive pelo reitor da Unemat e pelo governador do estado do Mato Grosso.

As manifestações ocorreram em diversos pontos da cidade sede do curso, Cáceres, que fica a 200 km de Cuiabá. A primeira manifestação ocorreu na Cidade Universitária, no dia seguinte à deflagração da greve.

No dia 18, os acadêmicos se dirigiram para Cuiabá, capital do estado de Mato Grosso, e fizeram manifestações, pela manhã, em frente ao Palácio Paiaguás, sede do governo do estado. Na ocasião, os estudantes foram convidados a entrar no Palácio para uma reunião com o governador do estado do Mato Grosso, Silval Barbosa, e do Secretário Chefe da Casa Civil, Pedro Nadaf. O reitor da Unemat também esteve presente. Na parte da tarde, os acadêmicos protestaram, também, na Praça 8 de Abril (Choppão).

No dia 22, os estudantes fizeram protestos em frente à Prefeitura Municipal de Cáceres e ao Hospital Regional de Cáceres. Na ocasião, foi exposto que uma reunião seria marcada com os acadêmicos, para discussão das pautas de responsabilidade da prefeitura. Porém, os discentes aguardam, até hoje, a referida reunião. Já no dia 27, houve uma caminhada entre a Praça Major João Carlos e o campus da Cavalhada. Durante a caminhada, parte do trânsito foi interrompida.

Uma reunião com o reitor e a coordenação do curso ocorreu nos dias 01 e 02 de setembro, sendo marcada pela exposição detalhada das pautas contidas no manifesto.
No período, mais de 30 universidades de diversos estados enviaram notas de apoio à greve dos estudantes de Medicina da Unemat (clique aqui para acessar a lista de apoiadores). Ademais, os discentes contam com o apoio do Sindicato dos Médicos do Estado de Mato Grosso (Sindimed-MT) e da Direção Executiva Nacional dos Estudantes de Medicina (DENEM).

Diante das inúmeras promessas, feitas durante as diversas reuniões, os acadêmicos declararam a continuidade da greve até que as reivindicações imediatas sejam atendidas. Os discentes compreendem que o cumprimento das pautas é uma responsabilidade dirigida não somente à reitoria e à coordenação do curso de Medicina da Unemat, mas reiteram que o cumprimento dessas é de suma importância para uma graduação de qualidade, especialmente por se tratar de uma área que lida com vidas.

É importante ressaltar, ainda, que o movimento é independente e apartidário, ou seja, os alunos não estão ligados a nenhum partido político. Além disso, vale ressaltar que o cumprimento das pautas beneficiará a instituição como um todo, e não apenas os acadêmicos. Ao contrário do que alguns possam pensar, os discentes de Medicina da Unemat não querem prejudicar a instituição e nem aqueles que nela exercem suas atividades, incluindo o corpo docente. Reconhecem, ainda, a competência de muitos professores do curso, mas a falta de infraestrutura, ausência de projeto pedagógico coerente e de qualificação e educação continuada em método PBL, dentre outras deficiências, impossibilitam que esses docentes utilizem todo seu potencial, o qual fica limitado perante os escassos recursos atualmente disponíveis.
FONTE BLOG OFICIAL DA GREVE

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

um + 17 =