Campanha Coronavirus

SILVAL VOCÊ TÁ MAL: Mais uma crise a colocar em xeque as políticas para a Educação do Governo de Mato Grosso: estudantes do curso de Medicina da Unemat fazem greve por melhorias básicas na estrutura do curso. LEIA O MANIFESTO

Manifesto de Greve Dos Estudantes de Medicina Da Unemat by Enock Cavalcanti

medicina unemat em greve geral

Mais uma crise na Educação de Mato Grosso, já marcada por tantas crises: os estudantes do curso de Medicina da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) entraram em greve por tempo indeterminado, a partir desta quarta-feira, 13, para cobrar melhorias na estrutura do curso. Sem obter avanços, os alunos divulgaram um manifesto pedindo soluções emergenciais. O documento foi assinado por acadêmicos de todos os semestres.

De acordo com os grevistas, a paralisação é uma medida enérgica mas necessária, para que as demandas sejam atendidas. As melhorias foram solicitadas diversas vezes pelos alunos desde 2012 à reitoria e Coordenação do Curso e os estudantes alegam que não há condições de prosseguir com as atividades.

Nesta quinta-feira, os alunos fizeram um protesto durante a manhã no campus Cidade Universitária. À tarde, a partir das 14h, devem se concentrar no pátio do campus da Cavalhada e fazer em caminhada em direção à Reitoria.

A divulgação da greve vem sendo feita pelos alunos através do blogue sosmedicinaunemat.blogspot.com e pelo twitter @sosmedicinaunemat

 

 

OPINIÃO

OPINIÃO

Educação deve ser prioridade

Problemas na Unemat refletem descaso do governo com segmento

Carlos Brito

Em quase todas as instituições de ensino superior o curso de Medicina costuma ser o de maior concorrência nos processos seletivos, nas públicas então, a disputa é ainda mais ferrenha.

 

É necessário muita preparação e esforço para conseguir uma vaga. Imaginar que, depois de conseguir tal feito, estudantes tenham que interromper os estudos, é difícil de compreender. Mas é o que está acontecendo em Cáceres.

 

Desde a última quarta-feira (13.08), alunos do curso de Medicina da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) estão sem aulas. Eles entraram em greve por tempo indeterminado, reclamando melhores condições de infraestrutura e estudo.

 

Faltam livros, professores, salas de aula e laboratórios, alegam os acadêmicos. Eles organizaram um protesto ontem e seguem cobrando providências da reitoria e do governo do Estado.

 

O curso de Medicina da Unemat em Cáceres é novo, começou a ser ofertado em 2012, e mesmo assim já apresenta problemas tão graves. A situação reflete como anda a educação em nosso Estado.

 

Gastam-se milhões em obras de utilidade e qualidade duvidosa e investe-se insuficientemente em setores essenciais, como a educação e saúde.

 

Os recursos públicos precisam ser geridos com mais responsabilidade e eficiência.

 

Defendo a expansão da Unemat para outras regiões de Mato Grosso, contudo, é necessário que os campi existentes estejam funcionando adequadamente, com os investimentos necessários assegurados, para que não ocorram situações como a vivenciada atualmente pelos estudantes de Medicina em Cáceres.

 

A política estadual de educação precisa ser priorizada. Na Assembleia Legislativa, como deputado estadual, atuarei, junto com o futuro governador de Mato Grosso Pedro Taques, para que a Unemat e toda a rede de ensino do Estado sejam tratadas com a devida importância e respeito.

 

Carlos Brito, ex-vereador em Cuiabá, ex-deputado estadual e ex-secretário de Segurança em Mato Grosso

3 Comentários

Assinar feed dos Comentários

    • - IP 200.175.150.208 - Responder

      Lúdio Cabral,

      Você está com Silval,

      Então Você

      Também tá mal.

  1. - IP 187.7.193.99 - Responder

    A Reitoria da Unemat recusou nesta sexta-feira,15, a reunião emergencial solicitada pelos alunos do Curso de Medicina. Os estudantes, preocupados com a urgência das melhorias necessárias à volta das aulas, haviam requerido ao reitor Dionei José da Silva uma reunião no período entre sexta-feira à tarde e sábado de manhã.

    Em nota, no entanto, foi comunicado que o reitor estaria em Pontes e Lacerda, a 220 quilômetros de distância de Cáceres, e não teria possibilidade de se deslocar para discutir os itens imediatos apontados no manifesto dos estudantes.

    Também, apesar da urgência do tema, o posicionamento é de que a gestão da Unemat somente poderá abrir um espaço na agenda do reitor na terça-feira à tarde, seis dias depois de deflagrada a greve.

    Os alunos, frente à posição da Reitoria, decidiram por um ato neste sábado, a partir das 16h, na Praça Barão, no Centro de Cáceres.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

20 − cinco =