PREFEITURA SANEAMENTO

Silval gasta milhões com Riva e caititus – e o Estado sucateado

De acordo com Gilmar Brunetto, "o setor agropecuário fica com 0,53 do orçamento do Estado e o gabinete do governador argumenta que não existem recursos para melhorar esta situação. No entanto, a Assembléia é beneficiada, diversas vezes ao ano, com repasses extraordinários, devido a excessos de arrecadação. Essa distorção precisa parar. Por que nunca um excesso de arredação é direcionado para o Indea, para a Empaer?"

Reunião na tarde desta segunda-feira, entre secretários de Estado, dirigentes de empresas do setor agropecuário e servidores serviu para revelar que a atual administração do governador Silval Barbosa não priorizar investimento na melhoria do salário dos servidores, ao mesmo tempo que continua desviado expressivos recursos para bancar os gastos extraordinários gerados por esse “saco sem fundo” que é a Assembléia Legislativa de Mato Grosso.

No encontro, mais uma vez, os servidores e seus dirigentes retratam o sucateamento em que se encontram estruturas como a do Indea (Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso) e a Empaer (Empresa de Pesquisa, Assistencia Técnica e Extensão Rural do Estado de Mato Grosso). No centro das reivindicações não estão os salários, a necessidade de reestruturação das unidades regionais de serviços e laboratórios responsáveis, entre outras atividades, pela vigilância sanitária em todo o Estado, de forma a garantir a comercialização da carne bovina, suina e de frango, tanto para o mercado interno, como para as demais unidades da federação e para o exterior.

Coube ao sindicalista Gilmar Brunetto, dirigente do sindicato dos servidores da Empaer, o discurso mais candente: “O setor agropecuário fica com 0,53 do orçamento do Estado e o gabinete do governador argumenta que não existem recursos para melhorar esta situação. No entanto, a Assembléia Legislativa de Mato Grosso é beneficiada, diversas vezes ao ano, com repasses extraordinários, devido a excessos de arrecadação. Essa distorção precisa parar”. De acordo com Brunetto, só em abril o Estado repassou mais R$ 15 milhões para a Assembléia, um poder que dispõe de R$ 20 milhões de duodécido, a cada mês, para suas despesas. “Os deputados nadam em dinheiro – enquanto o Indea, a Empaer, o Intermat estão permanentemente sucateados” – denunciou o sindicalista.

De acordo com o que informa o Diário de Cuiabá, em sua edição desta terça-feira, o impacto desta rápida paralisação dos servidores do Indea já vem provocando um forte impacto econômico. Um dos entrevistados na reportagem, o presidente da Famato, empresário Rui Prado, revela a preocupação dos produtores com o sucateamento das empresas do setor agropecuário “pois está em risco a sanidade do setor animal em todo Mato Grosso”.

Vejam a distorção a que pode chegar uma administração estadual por culpa do controle polítiqueiro que a Assembléia Legislativa acaba exercendo sobre os cofres do Estado. Todos sabem que, em Mato Grosso, os recursos públicos são abundantes, devido aos altos índices da produção agropecuária. Só que essa produção deixa de avançar e atingir índices ainda mais extraordinários porque os recursos são desviados de sua finalidade. Até mesmo os grandes produtores se queixam da lentidão com que atuam os orgãos de fiscalização e controle como o Indea. E essa lentidão acabam por gerar perda de renda e de receita, prejudicanto toda a nossa população.

Os servidores do setor agropecuário estão paralisados como forma de alerta. A dúvida é saber se existirá, dentro da administração estadual, quem atente para este alerta e trabalhe para eliminar as distorções que acarretam tantos prejuízos para a economia de Mato Grosso.

 

—————-

ENTENDA O CASO

Servidores entram em greve e a sanidade fica ameaçada

A paralisação coloca em risco os 900 km de fronteira seca no Estado

CLARICE NAVARRO DIÓRIO
Da Sucursal de Cáceres

Servidores do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea/MT) entram novamente em greve. A paralisação iniciada ontem segue por tempo indeterminado. O presidente em exercício do Sindicato Rural, Jeremias Pereira Leite, afirmou que mais uma vez 900 quilômetros de fronteira seca ficam expostos, sem a atuação do Indea/MT na vigilância sanitária, na emissão da Guia de Transporte de Animais (GTA), que normatiza o embarque e desembarque de bovinos. “A falta de condições de trabalho a que hoje estão submetidos os funcionários do Indea é motivo de muita preocupação. O Estado precisa dar atenção e resolver este problema com urgência. A pauta deles é primordial e precisa ser atendida”.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Agrícola, Agrário e Pecuário do Estado de Mato Grosso (Sintap), Roberto Arruda e Silva, afirmou que apesar de vários ofícios enviados ao governo do Estado as reivindicações da categoria não foram atendidas. “E são reivindicações básicas. Não se trata de aumento de salário, mas sim da reestruturação do órgão e a saída do Indea/MT do Núcleo Sistêmico Agropecuário. Mas até agora o governo não se manifestou. Assim, os funcionários param em todas as unidades regionais de serviços, laboratórios e na administração central”.

Pereira Leite acrescenta que há meses os sindicatos estão cobrando as melhorias necessárias para que os “funcionários do órgão tenham condições dignas de trabalho”.

Em reunião realizada na última sexta-feira, no município de Rio Branco (356 quilômetros ao oeste de Cuiabá), o Fórum Permanente de Sindicatos Rurais da Região Sudoeste pode expor ao presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Rui Prado, as demandas da categoria e, em especial, a preocupação com a situação de falta de estrutura do Instituto. Rui Prado afirmou que a Federação intermediou “o quanto pode” a negociação entre o sindicato que agrega o Indea/MT com o governo, “mas não se trata de uma reivindicação relacionada à reposição salarial. Eles querem estrutura para trabalhar. E se o governo não enxergar isto como prioridade, o trabalho de fiscalização de sanidade animal no Estado ficará comprometido. Eles estão trabalhando no limite”.

Sobre o Indea/MT, os sindicatos expuseram que as unidades de atendimento nos municípios de Porto Estrela, Glória D’Oeste e Curvelândia estão para ser fechadas. “Falta tudo: em toda a região o Indea não tem funcionários em número suficiente, não tem carros em condições de uso, os prédios estão danificados e há unidades que não tem nem papel. Isto, quando há a etapa de vacinação contra a aftosa para novembro e quando foram detectados surtos de varíola em rebanhos de Araputanga e Glória D’Oeste. A preocupação da classe produtora em relação a este problema é grande, pois está em risco a sanidade animal em todo Mato Grosso. A ação do governo estadual em relação ao problema tem que ser imediata, conforme advertem os presidentes de sindicatos, que realizam a próxima reunião do Fórum em Pontes e Lacerda, no dia 21 de setembro.

FONTE DIÁRIO DE CUIABÁ

Categorias:Jogo do Poder

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

um × dois =