Será que a mineradora da Chapada, objeto de possível fraude no TRT, vale mesmo R$ 700 milhões? Em decisão liminar, juiz federal César Bearsi mostra que não está muito convencido da alta avaliação da empresa apresentada pela procuradora Vanessa Zago. Bearsi diz que encontrou muitos documentos desnecessários anexados à ação, inclusive matérias de jornais. Magistrado dá sinais de que postura do juiz do Trabalho Luis Aparecido Torres, acusado de faturar gorda propina no negócio, não lhe agradou. LEIA A DECISÃO

Julz César Bearsi bloqueia patrimônio de mineradora objeto de fraude em MT by Enock Cavalcanti

O juiz federal César Augusto Bearsi e o juiz do Trabalho Luis Aparecido Torres.

O juiz federal César Augusto Bearsi e o juiz do Trabalho Luis Aparecido Torres.

Muita água ainda vai correr debaixo dessa ponte. A ação civil pública proposta pela promotora Vanessa Zago, do Ministério Público Federal, apontando possível fraude no leilão judicial da Maney Mineração Casa de Pedra, em Chapada dos Guimarães, já resultou em decisão liminar proferida pelo juiz federal Cesar Bearsi nesta sexta-feira(2), determinando a indisponibilidade de todo o patrimônio da mineradora.

Em 14 laudas, que esta PAGINA DO E, mais uma vez, divulga em seu inteiro teor, para a análise de cada um dos internautas que prestigiam este blogue, o juiz Bearsi se dedica a uma apresentação sistemática dos dados do processo e a uma primeira análise dos fatos e das evidências alinhavadas em sua petição inicial pela promotora Zago.

Imaginem que, em sua petição, a procuradora Vanessa Zago pedira a indisponibilidade dos bens, veiculos e outros ativos pertencentes à Mineradora Maney Casa de Pedras, aos empresários Valdinei Mauro e Mauro Mendes, e à jovem Jéssica Mauro, filha de Valdinei, no montante de R$ 700.700.000,00 (sete milhões e setecentos mil reais). A argumentação da procuradora e a documentação até aqui apresentada não foram suficientes, todavia, para convencer o magistrado federal que a mineradora possa efetivamente valer esses 700 e tantos milhões de reais, como o MPF alega, razão por que Cesar Bearsi rebate, em sua decisão:

cesar bearsi 700 milhões

Ao final, ele não autorizou uma invasão em todo o patrimônio dos acusados, mas determinou que a indisponibilidade atinja apenas o patrimônio da empresa, com o cuidado, além do mais, de não atingir os atos ordinários necessários ao regular funcionamento da empresa. Quer dizer, não se pode vender nada da empresa ou de dentro da empresa, mas ele deve continuar funcionando normalmente, até mesmo porque é preciso garantir o emprego daqueles cidadãos que ali se encontram empregados – teve o cuidado de determinar o juiz César Bearsi.

Sua decisão é uma ótima oportunidade para que aqueles que não conhecem conheçam mais detalhadamente os diversos passos que marcaram e cercaram esta possível negociata em Chapada dos Guimarães.

Em minha leitura, visualizei uma maior carga do magistrado contra a atuação, em todo o alegado esquema, por parte do juiz do Trabalho Luis Aparecido Torres. Vejam que, ao relatar a trama entre o juiz Aparecido e o corretor de imóveis José, Bearsi chega a falar da “aparência de que realmente houve enriquecimento do juiz às custas de sua função”, como pode se conferir nestes trechos que  destaco:

propina zero

propina 1

propina 2

Procuradora Vanessa Zago processa Mauro Mendes, Valdinei Mauro et alli by Enock Cavalcanti

Juiz Paulo Brescovici manda que MPF e Advocacia Geral da União investiguem decisões do juiz Luis Aparecido… by Enock Cavalcanti

Advocacia Geral da União contra juízes Luis Aparecido Torres e Leopoldo Figueiredo by Enock Cavalcanti

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 200.101.31.232 - Responder

    Pqp!! O dono do bogue foca a notícia, que por sinal é interessante, em um provável erro da procuradora. Isso demonstra uma certa rusga por parte dele. Mas prefiro ficar com o suposto erro material da procuradora do que um explícito erro ideológico do blogueiro, que ele mesmo explicita aqui.

  2. - IP 187.113.45.84 - Responder

    Verdade…de fato até a procuradora pode ter errado, no entanto errou mesmo o Juiz trabalhista, e os sócios na tentativa de lesar várias pessoas…a promotora esta fazendo o papel dela, o Juiz Bearsi o dele, se tudo que os promotores peticionassem fosse acatado poderíamos extinguir a função do Juiz…o que não é o caso.

Deixe uma resposta para Lucas Borges    ( cancelar resposta )

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

5 × 3 =