Sebastião Carlos estranha falta de reação à cobrança de tributos

Sebastião Carlos, historiador, membro da Academia Mato-grossense de Letras, autor do Dicionário de Termos e Expressões de Mato Grosso

Sebastião Carlos, historiador, membro da Academia Mato-grossense de Letras, autor do Dicionário de Termos e Expressões de Mato Grosso

 

O Quinto dos Infernos

Por Sebastião Carlos

 

Quem nunca ouviu essa expressão popular? Quando você está p. da vida com alguém ou com alguma coisa deseja que ele, ou ela, vá para “o quinto dos infernos”, ou seja, que vá para o pior dos lugares possíveis. O dito, de mais de dois séculos, tem uma origem muito prosaica. E, o curioso, é que se tornou em uma realidade muito presente em nossos dias.

Desde meados do século XVII e ao longo do século subsequente o ouro do Brasil alimentou o sonho imperialista de Portugal. Daqui foram carreadas toneladas do precioso metal. A descoberta dos aluviões no extremo oeste serviu para aguçar ainda mais a avidez lusitana. Quando, na manhã de 1º de novembro de 1755, um terremoto, seguido de tsunami, praticamente destruiu Lisboa, nos anos seguintes foi o ouro da Vila Real do Senhor Bom Jesus do Cuiabá que em grande parte contribuiu para a reconstrução da capital da Metrópole. Esse episódio, que até hoje é considerado uma das maiores catástrofes naturais da Europa, gerou uma série de consequências no campo da política, da ciência e até, vejam, da filosofia. Se na política serviu para demonstrar o gênio de Dom Sebastião José de Carvalho e Melo, posteriormente Marquês de Pombal, na ciência foi decisivo para o surgimento de uma nova disciplina, a sismologia, e já na Filosofia fomentou reflexões e demoradas polêmicas entre os sábios da Europa, nas quais se destacou Voltaire. Este, no longo e depois célebre Poema sobre o desastre de Lisboa [Poème Sur Le Désastre de Lisbonne], acidamente questiona: “Ou Deus quis impedir o mal e não pode, ou pode e não quis. Ou mesmo nem quis e nem pode. Se quis e não pode, não é Deus; se pode e não quis, não é bom. Se quer e pode, qual a origem de todos os males?”

Mas voltemos ao inferno. Vinte por cento, ou seja 1/5, de tudo o que fosse produzido pelos súditos da Colônia era destinado para a Coroa. O tributo, regular e impiedosamente cobrado, era denominado de “o Quinto”. A incidência se dava principalmente sobre o ouro que, com o tempo, começou a escassear. A Metrópole, no entanto, não estava nem aí para isso. O povo chiava e praguejava contra o odioso imposto a que passou chamar de “o Quinto dos infernos”. Nos fins dos anos 1780, a Metrópole criou o sistema da Derrama, pela qual cada região de exploração de ouro deveria pagar anualmente 100 arrobas de ouro (1500 quilos). E, se não tivesse essa quantia? Azar! Soldados invadiam as casas e retiravam os pertences de seus donos, até que fosse completado o valor devido. Ainda que os mui nobres ideais de Liberdade e de Igualdade tenham ilustrado a chamada Inconfidência Mineira, na realidade o motor principal da frustrada tentativa de rebeldia foi precisamente a cobrança do escorchante tributo que, no ano de 1789, se avizinhava pela execução da Derrama.

Vamos dar um salto no tempo. Que nome hoje se pode dar ao sistema tributário brasileiro que se mostra mais cruel que aquele que motivou a Conjura Mineira? Se no século XVIII, pagando-se um quinto, era o “Quinto dos infernos”, como denominar a carga tributária atual? E o curioso é que esse sistema iníquo é o grande elo existente entre os governantes brasileiros, governo após governo, não importa a que partido pertençam. Divergem de mentirinha em muitas coisas, pensam e agem diferentemente em tantas outras, uns dizem que tem a ideologia y ou z, mas todos estão concordes em duas coisas: a) em dizer que “o Brasil precisa de uma reforma tributária”, e, b) em aumentar e criar mais impostos quando estão no poder. E os que estão embaixo? Estes tão habituados e domesticados apenas ousam resmungar. Sempre timidamente. Até quando? Pois é, hoje pagamos mais tributos que no tempo da Colônia. Duvidam?

De 1º de janeiro a 30 de maio deste ano de 2015, portanto durante cento e cinquenta dias, trabalhamos de graça para os Governos – federal, estadual e municipal. Num artigo do ano passado, o professor Jacir J. Venturi, da Universidade Federal e da PUC do Paraná, mostra que a carga de impostos, taxas e contribuições no Brasil saltou de 21% para 36,4% do PIB desde 1985, início do mandato de Sarney. Isto representa quase o dobro do que trabalhávamos na década de 1970 para pagar as mesmas obrigações tributárias. Segundo cálculos do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal (2014), é algo em torno de R$ 35 bilhões a mais, já que, em razão da defasagem, as alíquotas do Imposto de Renda deveriam ser reajustadas em 61%. Agora, como nos faz lembrar o professor, se a isso ainda acrescentarmos os serviços a que somos forçados a contratar nas áreas de saúde, educação, previdência, segurança, pedágios em rodovias, devemos acrescentar pelo menos mais dois meses de trabalho para o governo. Tudo de dispêndio para sermos governados. É ridículo. Assim, meus caros leitor e leitora, hoje você trabalha 7 meses por ano só para arcar com o peso da burocracia dos governos. Ah! e da corrupção.

Até aí nada muito significativo, se poderia dizer, se se tivessem serviços públicos de qualidade. Serviços que pudessem justificar essa verdadeira “derrama” contemporânea. Mas não. Mantemos uma burocracia ineficiente, incompetente e medíocre. Mantemos a corrupção. Esta sim, uma das melhores do mundo. E, de tudo isso, quem paga mais? Bem, isto fica para um próximo artigo.

A verdade é que a turma dos Inconfidentes, hoje heróis da Pátria, de onde estiver, deve estar estupefata, primeiro com a carga tributária que hoje recai sobre os ombros do povo, e depois com a enorme passividade do povo. Ambas, de longe maior que em seu vetusto tempo. Enfim, o “quinto dos Infernos” – devem estar dizendo os Inconfidentes de 1789 – é os tempos de hoje.

_________________________________
Sebastião Carlos Gomes de Carvalho não é economista e, como grande parte dos brasileiros, paga os impostos em dia.

4 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.40.88.12 - Responder

    Excelente artigo, Dr. Sebastião! De fato, a passividade do nosso povo é deveras preocupante. Até ensaiamis a volta das grandes manifestações nas ruas, mas, inexplicavelmente, deu xabu e voltamos a nossa vidinha de gado. Infelizmente!

  2. - IP 179.216.217.48 - Responder

    Uma análise que não leva em conta a enooorme sonegação existente, as protelações, a troca de favores, etc, etc,
    me parece mal informado. Ou mal intencionado.

    • - IP 201.86.177.88 - Responder

      Ora “seu” Marcos tenha paciência, seja um pouquinho mais atento (para se dizer o minimo, educadamente) dizer que o professor é “mal informado ou mal intencionado” tão só por que não falou explicitamente sobre a sonegação, é o fim da picada … Releia o artigo e vc verá duas coisas: primeiro quando se fala no injusto sistema arrecadatório, sí esta compreendido tanto a incidênciaa sobre as camadas mais pobres, como a falha administrativa, somada à impunidade, que permite a sonegação; segundo, o autor diz que continuará a tratar do tema. Deste modo, por favor, não empobreça e amesquinhe a discussão. Traga novas ideias, apresente sugestões,e, se fores capaz, escreva um artigo que, pelo menos, permita uma discussão. Esse tipo de comentário que o sr, fez não acrescenta em nada, mas ajuda em muito os sonegadores e a “máquina”, porque contribui, em parte, para impedir o debate. Seja mais consequente …..

  3. - IP 179.179.95.90 - Responder

    A carga tributária tem que ser alta mesmo para poder sustentar os petralhas agarrados no dinheiro do povo como os bandidos do petrolão e do eletrolão responsáveis pelo preço altíssimo da conta de luz.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezesseis − 3 =