SALTO DE QUALIDADE: Lewandowski substitui Barbosa no STF

Ricardo Lewandowsk, com Joaquim Barbosa, nos corredores do STF

Ricardo Lewandowsk, com Joaquim Barbosa, nos corredores do STF

SUPREMO – Joaquim Barbosa sai em junho; Lewandowski assume

 

O ministro chefe do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, estará saindo de cena já no próximo mês.  Ele passou a informação de aposentadoria já no mês de junho, para o presidente do Senado Renan Calheiros. A informação partiu de Calheiros e está sendo divulgada hoje. “O motivo, da reunião, foi surpreendente e triste, o ministro veio se despedir. Ele estará deixando o Supremo Tribunal Federal. Falou que vai se aposentar agora, no próximo mês”, afirma Renan. Principal responsável pelas condenações da Ação Penal 470 (Mensalão), Barbosa diariamente está na grande mídia.

Recentemente voltou a ser criticado por não permitir que presos do mensalão possam trabalhar sem antes completarem um sexto da pena, de acordo com o código penal brasileiro. Com a saída, por aposentadoria de Joaquim Barbosa,  o ministro Ricardo Lewandowski irá presidir o Supremo Tribunal Federal. A escolha é sempre pela ordem de chegada.  Antes de chegar ao Supremo em 2006, Lewandowski era desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo

—————–

COM LEWANDOWSKI, STF IRÁ RESTAURAR SUA DIGNIDADE

: Poucas vezes, um brasileiro teve que suportar tantos insultos e ataques quanto o ministro Ricardo Lewandowski; o principal responsável foi o atual presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, um agressor em série, que vitimou colegas, réus, advogados e o próprio Direito; sua saída, anunciada nesta quarta-feira, permitirá que o Poder Judiciário retome seu leito normal; com Lewandowski, civilidade voltará a reinar na suprema corte e ambiente de respeito mútuo entre os ministros, sem sensacionalismo, permitirá que se faça Justiça; com um detalhe: a despeito de todos os ataques, votos de Lewandowski foram os que mais predominaram na Ação Penal 470
Brasília 247 – Faltam poucos dias para que o Brasil volte a ter um Supremo Tribunal Federal digno da confiança e do respeito dos brasileiros. Isso acontecerá quando o ministro Ricardo Lewandowski, jurista que completou 66 anos no dia 11 de maio, assumir a presidência da corte, no lugar de Joaquim Barbosa, que deixa a casa pela porta dos fundos.Barbosa saiu depois de violentar uma jurisprudência consagrada nos tribunais superiores, no que tange ao direito que réus condenados em regime semiaberto têm ao trabalho externo. Interpretou a lei a seu bel-prazer, imaginando que, assim, em sua implacável perseguição a José Dirceu, manteria os aplausos da mídia e dos bares que frequentava – e, em breve, voltará a frequentar.

Ledo engano. Barbosa sai escorraçado pela inteligência jurídica. Foi repreendido pela Ordem dos Advogados do Brasil, pela procuradoria-geral da República, por associações de magistrados e por juristas à direita, como Ives Gandra Martins, e à esquerda, como Celso Bandeira de Mello. Isolado, não teve alternativa, a não ser renunciar. Intramuros, dizia que não ficaria num Supremo Tribunal Federal durante a presidência de Lewandowski, que o sucederia em novembro, não houvesse a renúncia.

De fato, a convivência entre ambos seria praticamente impossível. Um é o avesso do outro. Afável, conciliador, respeitoso, mas, sobretudo, um magistrado que se preocupa com a Justiça, Lewandowski é tudo aquilo que Barbosa não é. Um é juiz, o outro é apenas um vingador que joga para a plateia – e que, provavelmente, já projeta um futuro político para si.

Barbosa fez da Ação Penal 470 seu trampolim. Agrediu colegas – sobretudo Lewandowski, mas não apenas ele – e pisoteou direitos dos réus. A tal ponto que mereceu uma impagável repreensão do ministro Luís Roberto Barroso, que criticou seu “déficit civilizatório”.

Enquanto isso, poucos brasileiros tiveram de suportar tantos insultos e infâmias nos últimos anos quanto Lewandowski. Era agredido a cada sessão – e, ainda assim, mantinha a fleuma e o respeito que a instituição merece. Foi agredido com frequência por Barbosa, mas poucos brasileiros sabem, que, na Ação Penal 470, os votos que predominaram foram os do juiz Lewandowski – e não os do Batman que agora sai de cena.

Em breve, o STF irá restaurar sua dignidade.

 

Abaixo, reportagem do Conjur a respeito:

Lewandowski foi quem liderou o julgamento do mensalão

Por Marcos de Vasconcellos

Concluídas as votações do julgamento do mensalão, predominou a percepção generalizada de que o ministro Joaquim Barbosa foi quem determinou os seus resultados. Mais: falou-se que enquanto Joaquim Barbosa só pediu condenações, seu colega Ricardo Lewandowski perseguiu obstinadamente a absolvição. Não foi bem assim. Um levantamento feito com dados do Supremo Tribunal Federal mostra que foi o ministro Ricardo Lewandowski quem deu o tom na maioria das decisões. Ele foi acompanhado pelo plenário 90 vezes, enquanto Joaquim Barbosa teve a adesão do colegiado em 82 ocasiões. Barbosa, realmente foi inclemente e pediu absolvição em apenas 16% das vezes. Mas Lewandowski não foi tão “bonzinho” com os acusados: propôs a condenação em 37% dos casos.
O levantamento inédito leva em conta todas as 113 questões sobre as quais os ministros deliberaram ao longo da AP 470. Em muitos pontos ambos concordaram (nesse caso, os dois “pontuam” na contagem). Mas quando relator e revisor discordaram Lewandowski (foto) levou a melhor na maioria das vezes, como na absolvição de Marcos Valério pelo crime de quadrilha, ou de João Paulo Cunha pelo crime de lavagem de dinheiro. É certo, contudo, que Joaquim Barbosa destacou-se por fazer prevalecer seu ponto de vista nas votações mais vistosas — e politicamente mais relevantes, como na crucificação de José Dirceu. Mas, por outro lado, Lewandowski conseguiu deixar sua marca, ficando o réu livre da pesada pena por formação de quadrilha

Analisados os números, constata-se que a corte condenou em 57% das deliberações — o que a posiciona mais próxima dos 37% de Lewandowski que dos 84% de Joaquim Barbosa. O levantamento inédito é a prova de como a opinião pública vê o Judiciário como ele não é, diz o criminalista Fábio Toffic Simantob. “Quem mais polemiza, é quem mais aparece, mas não necessariamente é quem mais contribui”, afirma.

O criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, que defendeu Duda Mendonça e Zilmar Fernandes no caso do mensalão, explica que o ministro Joaquim Barbosa “ganhou o julgamento midiático, que era o que o interessava”. Segundo o advogado, o presidente do STF “continua ‘presidindo’ este julgamento com os olhos voltados para a mídia, ao manter, por exemplo, o ex-ministro José Dirceu em regime fechado, contra o entendimento do Plenário que o condenou ao regime semi aberto”.

Além da busca pela atenção da imprensa citada por Kakay, outro ponto que pode explicar a visibilidade de Joaquim Barbosa no caso é o fato de sua visão ter prevalecido em pontos polêmicos do julgamento, aponta o criminalistaPierpaolo Cruz Bottini, advogado do réu Professor Luizinho . Essa também é a visão de Alberto Zacharias Toron, que defendeu João Paulo Cunha no caso.

“É surpreendente a revelação dos números, pois a ideia que todos tínhamos é de que o ministro Lewandowiski havia ficado vencido. Talvez isso seja verdade para grandes questões, como desmembramento que não se deu, ou mesmo a condenação inicial pelo crime de quadrilha, revertida somente nos embargos infringentes. De qualquer modo, é alentador perceber que a corte se mostra, no mínimo, balanceada”, declarou Toron è revista eletrônicaConsultor Jurídico.

Fenômeno ideológico
A importância de analisar os dados para mostrar, fora do calor do momento, o comportamento do tribunal é ressaltada também por membros do Ministério Público. O promotor André Luís Melo, que atua em Araguari (MG), afirma que, ao comparar a impressão que se teve do processo e os números do julgamento, é possível notar que no processo brasileiro ainda prevalece o processo inquisitivo e que ele é visto como natural — apesar de a Constituição dizer que deve ser um processo de partes. “As pessoas acham que tem um juiz acusador e um juiz defensor.” Para ele, é preciso repensar inclusive a forma de atuação dos ministros do STF. “O resultado foi o menos importante, pois o problema é na estrutura do julgamento”, afirma.

O procurador de Justiça do Rio Grande do Sul, Lenio Luiz Streck, analisa que o julgamento do mensalão foi visto pela imprensa e pela população “não como um fenômeno jurídico, mas como um evento ideológico”. Isso fez com que o cerne do julgamento ficasse obscurecido por diversas camadas de sentidos.

Os números agora apresentados, diz Streck, “proporcionam a que se faça uma desleitura do fenômeno, descascando-o para que ele possa, digamos assim, aparecer ao público. Nem tudo que parece é: esse pode ser o enunciado que explica um olhar de torcedor de setores da imprensa e por parte de parcela da população”.

Seria interessante também, segundo o procurador de Justiça, mostrar como aquilo que por vezes estava assentado na dogmática jurídica acabou por tomar um outro sentido no julgamento da Ação Penal 470. “Minha dúvida sempre foi: depois dele, como se comportará a Suprema Corte? Os números poderão nos ajudar a fazer comparações no futuro”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

————-

Barbosa protagonizou falso moralismo que comprometeu o CNJ

, em seu blogue

O anúncio da aposentadoria do Ministro Joaquim Barbosa livra o sistema judicial de uma das duas piores manchas da sua história moderna.

O pedido de aposentadoria surge no momento em que Barbosa se queima com os principais atores jurídicos do país, devido à sua posição no caso do regime semi-aberto dos condenados da AP 470. E quando expõe o próprio CNJ (Conselho Nacional de Justiça) a manobras pouco republicanas. E também no dia em que é anunciada uma megamanifestação contra seu estilo ditatorial na frente do STF.

A gota d’água parece ter sido a PEC 63 – que dispõe sobre o aumento do teto salarial da magistratura.

Já havia entendimento no STF que corregedor não poderia substituir presidente do CNJ na sua ausência. Não caso da PEC 63 – que aumenta o teto dos magistrados – Barbosa retirou-se estrategicamente da sessão e colocou o corregedor Francisco Falcão na presidência. Não apenas isso: assumiu publicamente a defesa da PEC e enviou nota ao Senado argumentando que a medida seria “uma forma de garantir a permanência e estimular o crescimento profissional na carreira” (http://tinyurl.com/mf2t6jl).

O Estadão foi o primeiro a dar a notícia, no dia 21. À noite, Barbosa procurou outros veículos desmentindo a autoria da nota enviada ao Senado ou o aval à proposta do CNJ (http://tinyurl.com/m5ueezb).

Ontem, o site do CNJ publicou uma nota de Barbosa, eximindo-se da responsabilidade sobre a PEC.

O ministro ressalta que não participou da redação do documento, não estava presente na 187ª Sessão Ordinária do CNJ no momento da aprovação da nota técnica, tampouco assinou ofício de encaminhamento do material ao Congresso Nacional.

A manipulação política do CNJ

Não colou a tentativa de Barbosa de tirar o corpo do episódio. É conhecido no CNJ – e no meio jurídico de Brasília – a parceria estreita entre ele e o corregedor Francisco Falcão.

É apenas o último capítulo de um jogo político que vem comprometendo a imagem e os ventos de esperança trazidos pelo CNJ.

Para evitar surpresas como ocorreu no STF – no curto período em que Ricardo Lewandowski assumiu interinamente a presidência -, Barbosa montou aliança com Falcão. Em sua ausência, era Falcão quem assumia a presidência do órgão, embora a Constituição fosse clara que, na ausência do presidente do CNJ (e do STF) o cargo deveria ser ocupado pelo vice-presidente – no caso Ricardo Lewandowski.

Muitas das sessões presididas por Falcão, aliás, poderão ser anuladas.

Com o tempo, um terceiro elemento veio se somar ao grupo, o conselheiro Gilberto Valente, promotor do Pará indicado para o cargo pelo ex-Procurador Geral da República Roberto Gurgel.

Com o controle da máquina do CNJ, da presidência e da corregedoria, ocorreram vários abusos contra desafetos. Os presos da AP 470 não foram os únicos a experimentar o espírito de vingança de Barbosa.

Por exemplo, o presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Félix Fischer é desafeto de Falcão e se candidatará ao cargo de Corregdor Geral quando este assumir a presidência do STJ. De repente, Fischer é alvejado por uma denúncia anônima feita diretamente a Joaquim Barbosa, de suposto uso de passagens aéreas para levar a esposa em viagens internacionais. O caso torna-se um escândalo público e o conselheiro Gilberto Martins é incumbido de investigar, na condição de corregedor interino (http://tinyurl.com/qg6cjx3) .

Passa a exigir, então, o detalhamento de todas as viagens oferecidas pelo STJ a ministros, mulheres de ministros e assessores (http://tinyurl.com/l6ezw3k). A investigação é arquivada por falta de fundamentos mas, àquela altura, o nome de Fischer já estava lançado na lista de escândalos.

A contrapartida de Falcão foi abrir uma série de sindicâncias contra desembargadores do Pará, provavelmente adversários de Gilberto Martins.

Nesse jogo de sombras e manobras, Barbosa foi se enredando em alianças e abandonando uma a uma suas bandeiras moralizadoras.

Sua principal agenda era combater o “filhotismo”, os escritórios de advocacias formado por filhos de ministros.

Deixou de lado porque Falcão, ao mesmo tempo em que fazia nome investindo-se na função de justiceiro contra as mazelas do judiciário, tem um filho – o advogado Djaci Falcão Neto – que atua ostensivamente junto ao STJ (mesmo quando seu pai era Ministro) e junto ao CNJ (http://tinyurl.com/ku5kdl5), inclusive representando tribunais estaduais. Além de ser advogado da TelexFree, organização criminosa que conseguiu excepcional blindagem no país, a partir da falta de ação do Ministro da Justiça.

Por aí se entende a razão de Falcão ter engavetado parte do inquérito sobre o Tribunal de Justiça da Bahia que envolvia os contratos com o IDEP (Instituto Brasiliense de Direito Público), de Gilmar Mendes.

E, por essas estratégias do baixo mundo da política do Judiciário, compreende-se porque Barbosa e Falcão crucificaram o adversário Fischer, mas mantiveram engavetado processo disciplinar aberto contra o todo-poderoso comandante da magistratura fluminense, Luiz Sveiter, protegido da Rede Globo.

————

O legado de Joaquim Barbosa, um antibrasileiro

Uma saída que eleva o Brasil

Uma saída que eleva o Brasil

Se for confirmada a aposentadoria de Joaquim Barbosa para junho, chegará ao fim uma das mais trágicas biografias do sistema jurídico brasileiro.

O legado de Barbosa resume-se em duas palavras absolutamente incompatíveis com a posição de juiz e, mais ainda, de presidente da mais alta corte nacional: ódio e vingança. Foi a negação do brasileiro, um tipo cordial, compassivo e tolerante por natureza.

A posteridade dará a ele o merecido espaço, ao lado de personalidades nocivas ao país como Carlos Lacerda e Jânio Quadros.

Barbosa acabou virando herói da classe média mais reacionária do Brasil e do chamado 1%. Ao mesmo tempo, se tornou uma abominação para as parcelas mais progressistas da sociedade.

É uma excelente notícia para a Justiça. Que os jovens juízes olhem para JB e reflitam: eis o que nós não devemos fazer.

O que será dele?

Dificuldades materiais Joaquim Barbosa não haverá de ter. O 1% não falha aos seus.

Você pode imaginá-lo facilmente como um palestrante altamente requisitado, com cachês na casa de 30 000 reais por uma hora, talvez até mais. Com isso poderá passar longas temporadas em Miami.

Na política, seus passos serão necessariamente limitados. Ambições presidenciais só mediante uma descomunal dose de delírio.

Joaquim Barbosa é adorado por aquele tipo de eleitor ultraconservador que não elege presidente nenhum.

Ele foi, na vida pública brasileira, mais um caso de falso novo, de esperanças de renovação destruída, de expectativas miseravelmente frustradas.

Que o STF se refaça depois do trabalho de profunda desagregação de Joaquim Barbosa em sua curta presidência.

Nunca, desde Lacerda, alguém trouxe tamanha carga de raiva insana à sociedade a serviço do reacionarismo mais petrificado.

Que se vá – e não volte a assombrar os brasileiros.

Vi, em Trafalgar Square, a festa que os ingleses fizeram quando Maggie Thatcher morreu. Um sindicalista contou que abriu e tomou uma garrafa de uísque que guardara durante vinte anos para a ocasião.

Penso aqui comigo que muita gente no Brasil haverá de comemorar o fim de JB como juiz. Mentalmente me uno à festa.

Paulo Nogueira
Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

————-

RICARDO MELO SOBRE BARBOSA: “JÁ VAI TARDE”

:

“Alguém poderia citar uma medida da gestão Barbosa que tenha servido ao povo contra os poderosos?”, questiona o colunista; segundo ele, a melhor coisa que o STF tem a fazer para resgatar alguma credibilidade é realizar a autópsia desse período em que a noção de Justiça foi trocada pela de justiçamento

 

 

247 – O colunista Ricardo Melo enumerou as incoerências de Joaquim Barbosa na Presidência do Supremo Tribunal Federal e conclui: “já vai tarde”.

Segundo ele, a maior das extravagâncias foi a adoção do escândalo jurídico apelidado de domínio do fato, primeiro, pela covardia, na AP 470; segundo, pelo oportunismo: “a transformar-se em jurisprudência, o domínio do fato colocaria na cadeia gente como Silvio Santos (como não sabia que o banco dele tinha um rombo de mais de R$ 4 bilhões?), Fernando Henrique Cardoso (como ignorava que sua reeleição fora comprada a céu aberto, fato registrado em gravações?)”, por exemplo.

Para Melo, a melhor coisa que o STF tem a fazer para resgatar alguma credibilidade é realizar a autópsia desse período em que a noção de Justiça foi trocada pela de justiçamento: “alguém poderia citar numa tacada só uma única medida do Supremo nestes anos de gestão Barbosa que tenha de fato servido ao povo contra os poderosos?”

LEIA A INTEGRA DO ARTIGO

 

Ricardo Melo

Já vai tarde

Alguém poderia citar uma medida da gestão Barbosa que tenha servido ao povo contra os poderosos?

Um desastre. Se considerada à luz dos fatos, essa é a forma de encarar a gestão de Joaquim Barbosa como presidente do Supremo Tribunal Federal.

Para não dar muito na vista, mesmo os que enaltecem esse período destilam críticas laterais ao ministro que vai se aposentar. Tinha temperamento instável, era ríspido com os adversários, não suportava críticas. Fossem esses os problemas da gestão de Barbosa, só teríamos a comemorar.

Mas não é disso que se trata. Sob sua batuta, o Supremo Tribunal Federal cometeu indecências renegadas até por juristas absolutamente insuspeitos de serem de situação ou oposição.

A lista de despautérios é imensa. Algumas: a recusa em adicionar como prova ao processo do mensalão o inquérito 2474, que jogava por terra boa parte das “provas” apresentadas contra os acusados. A admissão, em público, de que ampliou penas artificialmente para prejudicar réus. A aceitação de um julgamento que misturava ao mesmo tempo acusados atingidos pelo chamado foro privilegiado com réus com direito a tramitação em instâncias inferiores ao STF –maiores esclarecimentos com Eduardo Azeredo, do PSDB, símbolo do mensalão mineiro.

A maior das extravagâncias talvez tenha sido a adoção do escândalo jurídico apelidado de domínio do fato.

Primeiro, pela covardia. Se é para condenar alguém pela ação penal 470 porque, se não sabia, deveria saber –traduzindo em miúdos, o sujeito é culpado até que prove sua inocência, o inverso do Direito mais elementar–, o primeiro réu a ser arrolado deveria ser o então presidente Lula. Mas cadê coragem? O Torquemada nacional refugou.

Depois, pelo oportunismo: a transformar-se em jurisprudência, o domínio do fato colocaria na cadeia gente como Silvio Santos (como não sabia que o banco dele tinha um rombo de mais de R$ 4 bilhões?), Fernando Henrique Cardoso (como ignorava que sua reeleição fora comprada a céu aberto, fato registrado em gravações?), empreiteiros de diversos sobrenomes (que história é essa de desconhecer doações milionárias em troca de favorecimento em licitações?) etc. etc.

Tamanhos absurdos são muito mais importantes que o apego midiático demonstrado por Barbosa. A caravana aérea dos condenados na ação penal 470, a insistência em manter José Dirceu trancafiado, as investidas contra José Genoino “”tudo isso é apenas cortina de fumaça.

Ao comunicar seu afastamento, Barbosa afirmou: “Esse assunto está completamente superado. Sai da minha vida a ação penal 470 e espero que saia da vida de vocês. Chega desse assunto”.

Nada disso, pelo contrário. A melhor coisa que o STF tem a fazer para resgatar alguma credibilidade é realizar a autópsia desse período em que a noção de Justiça foi trocada pela de justiçamento. A propósito: alguém poderia citar numa tacada só uma única medida do Supremo nestes anos de gestão Barbosa que tenha de fato servido ao povo contra os poderosos?

 

FONTE FOLHA DE S. PAULO

41 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.59.50.30 - Responder

    Em JULHO E AGOSTO seguinte todos os mensaleiros estarão na rua curtindo e rindo novamente com a cara do povo brasileiro, pelo menos os dos honestos.

    • - IP 177.116.231.1 - Responder

      Igual o Riva e o Eder né …

      • - IP 177.221.96.140 - Responder

        Sim, liberdade para os mensaleiros meliantes petralhas e igualmente ao Riva e ao Eder, afinal eles são aliados políticos.

  2. - IP 177.221.96.140 - Responder

    Salto de qualidade foi o trabalho de Joaquim Barbosa na relatoria do mensalão e condenação dos meliantes petralhas que agora estão na Papuda.

  3. - IP 189.31.1.122 - Responder

    Agora a Dilmeta vai colocar outro petista lá dentro e a qualidade do STF vai se equiparar ao nosso TCE. Certamente irão ter mais decisões fundamentadas em vírgulas, pontos e letras e interpretação primária de texto como o Toffoli anda fazendo lá naquele plenário. O que ele faz é quase um stand-up comedy petista-jurídico.

  4. - IP 177.193.162.134 - Responder

    vc é decepcionante enock

  5. - IP 177.7.79.55 - Responder

    A chamada dessa “materia” , mostra bem como o site é parcial. Salto de qualidade blogueiro, foi a ida de Joaquim Barbosa para a presidencia do STF.
    Defenda esses quadrilheiros que estÃo na cadeia e esse partido nefasto que nos des-governa , mas tenha mais imparcialidade, afinal o blog é seu , mas voce é um jornalista .

    • - IP 201.47.152.192 - Responder

      Dessa vez o Enock foi apenas o primeiro a se manifestar como o porta-voz da comemoração dos petralhas pela saída do Magistrado que envia poderosos da república para a cadeia.

      O Enock está na turma dos que atacam os magistrados que fazem justiça aos petralhas,

  6. - IP 179.217.118.123 - Responder

    Enok, um cara sério como você falar um besteira dessa, deve estar bêbado ou drogado.ou é brincadeira ou ironia ou racismo.
    .
    Os ladrões do PT já estão soltando fogos. Viva o PT – viva os ladrões – viva o enok

  7. - IP 201.57.233.221 - Responder

    FORA PT… PesTe.. PT = PARTIDO DAS TREVAS.. PT NUNCA MAIS

  8. - IP 201.57.233.221 - Responder

    Mais uma vez Enock, vc me envergonha.
    Triste.

  9. - IP 177.67.194.122 - Responder

    QUALIDADE o STF teve enquanto o Min. Barbosa estava lá, agora vai ser entregue ao PT.

  10. - IP 177.132.246.29 - Responder

    Os piguentos vão a loucura!

    • - IP 177.221.96.140 - Responder

      Na verdade quem vai à loucura são os petralhas com o Joaquim Barbosa que eles imaginavam levado pelo Lula para ser o “negro” deles no Supremo. Mas Joaquim Barbosa não aceitou a “canga” e isso tirou o chão de todos os petralhas, petistas, filopetistas, filopetralhas e a liberdade de alguns deles.

      Enquanto eles forem o que são, essa corja tem razão em ir à loucura.

  11. - IP 187.4.82.196 - Responder

    E começa a farra no STF novamente….pt pt pt pt pt pt pt…até quando pt, como diz nosso povo VOTEEEEEEE

  12. - IP 177.132.246.29 - Responder

    Piguento órfão se candidata a adoção. Quem leva pra casa?

  13. - IP 177.132.246.29 - Responder

    Dilma devia colocar Fausto de Sanctis no lugar de JB. Só para fustigar Gilmar…ia ser engraçado.

    • - IP 177.221.96.140 - Responder

      Acho que devia colocar alguem que não fizesse papagaiada.

  14. - IP 179.217.120.174 - Responder

    Parabéns PT. O Brasil caminha para ser a nova Venezuela.

  15. - IP 177.116.231.1 - Responder

    Parabéns Enock pela coragem de desafiar esses coxinhas, tucanos e analfabetos políticos.
    De Direito não sabem nada.
    De política, só conhecem a fisiológicas.
    De Ética, só quando aplicada aos inimigos ideológicos.
    Ou seja, dá licença que depois de tanta asneira que essa gente escreve, vou sair para vomitar

    • - IP 177.221.96.140 - Responder

      O Ademar está certo em ficar feliz com a saída de Joaquim Barbosa do Supremo, afinal o Ministro mandou para a cadeia os meliantes ídolos dos petistas, filopetistas e filopetralhas.

      Mais alegre o Ademar deve estar é com a liberdade dos aliados dos petistas, os senhores Eder Morais, Riva, Jader Barbalho, Maluf, Renan Calheiros, Pallocci, Lullão, Lulinha, Sarney, e outros, todos da turma da base aliada do governo federal dos petistas que é comandado direto da Papuda.

  16. - IP 189.59.50.222 - Responder

    Enock,coloca seus interesses bloguista$ acima da sua dignidade e convicções,se dizendo jornalista ,faz a apologia dos mensaleiros que comprovadamente nos autos e tendo toda chance de defesa ,não desmentiram o MPF,que no fim foi quem fez a acusação.Enock,decepciona,quem não o conhece,para nós,apenas confirma o que nós já sabemos:PRIMEIRO ÊLE,DEPOIS O POVO BRASILEIRO!

  17. - IP 177.193.133.96 - Responder

    joaquim barbosa vai sair? não acredito. é uma noticia boa demais! torço para que para seu lugar seja escolhido alguém menos truculento e espalhafatoso. esse cara envergonha o brasil e os brasileiros.

    • - IP 189.59.50.222 - Responder

      Silvia, sugira o presidente do PT para a vaga,isso evitaria desapontamentos de vces no futuro,além de evitar intermediários! E nós já saberíamos que os julgamentos seriam parciais e não vomitariamos depois dos votos dele!

    • - IP 189.11.201.70 - Responder

      Fale por você e não pelos brasileiros. Seu comentário é típico de comunistas que se reúnem em minguados contados e dizem que representam uma nação. Vai pra Cuba sua comunista.

    • - IP 177.97.11.83 - Responder

      Envergonha o Brasil ??? Deve ser a corrupção que da orgulho pro país no seu entendimento né SILVIA MARIA.

  18. - IP 179.112.80.67 - Responder

    O CARA QUE ESCREVEU ESTE ARTIGO, FUMOU MACONHA ESTRAGADA. UMA QUADRILHA DESSE PORTE TERIA SIDO ABSOLVIDA PELO FUTURO PRESIDENTE DO STF. É SÓ VERIFICAR O QUADRO ANEXO. PELO QUE TUDO INDICA Lewandowski É DEFENSOR DO CRIME ORGANIZADO. A HONRA BRASILEIRA SERÁ MALUCADA DE VEZ.

  19. - IP 189.59.50.222 - Responder

    Para mim,Silvia Maria é o ENOCK,só pode ser,ele fala com codinome,como os revolucionários de esquerda e direita!

  20. - IP 187.52.106.82 - Responder

    ENOCK, tenha um pingo de sensatez. Com essas matérias petistas que você procura incutir, somente desmoraliza o seu Blog.
    Joaquim Barbosa, esse, com certeza, eu votava para Presidente da República!

  21. - IP 189.114.55.169 - Responder

    Os piguentos babam de raiva.

  22. - IP 201.47.153.128 - Responder

    Gosto de você Enock, seu site é único aqui em Mato Grosso.
    Mas sua posição partidária é lastimável. Parece-me que (às vezes) você coloca suas predileções petistas acima do jornalismo (que deve ser imparcial).
    Defender que Joaquim Barbosa é um retrocesso é o mesmo que dizer que os Araraths são Santos e que o Lulinha não sabia de nada no episódio mensaleiro.
    E olha, JB foi indicado por Lulinha. E o mensalão foi uma decisão colegiada (ou seja, a maioria do STF que decidiu, não o seu relator)

  23. - IP 201.49.164.46 - Responder

    Você ficou louco, Enock? Eu lhe tinha em alta conta, nunca imaginei ver tamanha besteira partindo de você. Não perco mais meu tempo acessando seu blog.

  24. - IP 187.54.114.76 - Responder

    Lewandoski presidente do STF…. Dias Tofoli presidente do TSE…. agora pode entregar tudo prá Cuba mesmo. Ah…. ia me esquecendo….. Enok lava essa boca prá falar do Negão !

  25. - IP 189.59.35.11 - Responder

    Enock PaTético. Ademar Adams ridículo.

  26. - IP 66.249.88.97 - Responder

    O senhor esta equivocaco em seus argumentos, ou simplismente é petista!

  27. - IP 200.129.244.219 - Responder

    Fico indignado em ler uma matéria como essa. Quem escreveu essa matéria deveria respeitar a população brasileira. “Em breve, o STF irá restaurar sua dignidade” . O supremo só veio ganhar o respeito da população com depois do que o Joaquim Barbosa fez. Agora qualidade e dignidade com Lewandowski, francamente.
    Achava que esse site era sério.
    O PT acha que todos são ignorantes, para acreditar que a vitima é o PT.

  28. - IP 200.163.83.209 - Responder

    6 meses antes da prisão, a mídia já divulgava que Zé Dirceu, Genoíno e Delúbio iriam para o sacrifício, um acordo de cúpula. Até agora não entendi o porquë de tanta polêmica, se já havia sido acordado, Afinal de contas o fantasma de Celso Daniel não poderia sair por um preço muito barato, o acordo de `nao prende corruptos do PT, nem do PSDB´ foi só um acordo inicial, mas o jogo continuava sendo desfavorável para a quadrilha de FCH, no jogo contra a quadrilha do PT, logo precisava equilibrar com algumas perdas. Pronto, foi o mínimo, mais que isso seria por o sapo barbudo pra curtir um jogo de dominó na Papuda e o intelectual da Sorbone, provavelmente, iria preferir Xadrez…o jogo, né? Sim, foi um avanço JB por na cadeia os delinquentes do mensalão, cujo maior roubo, foi o histórico roubo de roubar o Partido dos Trabalhadores dos trabalhadores. Uma pena que o povo brasileiro não tem um grau de organização maior pra por o resto da quadrilha do PT na cadeia, e do PSDB, PMDB, PSD, DEM etc…também. Mas um dia após o outro. Por enquanto dá gosto ver o velhaco do Genoíno se fingindo de doente e fazendo cara de coitadinho. Que se vayan todos. Denizalde Pereira, professor da Unemat.

  29. - IP 201.57.233.221 - Responder

    FORA PT… PT NUNCA MAIS… ESPEREM PETISTAS, A TETA VAI SECAR… AS ELEIÇÕES VÃO SER UMA SUPRESA BOA PRO BRASILEIRO… VER OS PETISTAS FORA DO GOVENO É O SONHO DO NOVO BRASIL..

  30. - IP 201.49.165.106 - Responder

    me falaram desse site, q tinha umas denúncias, achei q era um site sério, aí quando abri vi essa matéria.. ja deu pra ver a qualidade, não vejo nunca mais

  31. - IP 177.97.11.83 - Responder

    BLOG DE PETISTA É ISSO AÍ… FORA PT…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

nove + 18 =