Campanha Coronavirus

SAÍTO nos conta a história da difícil convivência de dois garotos, João e Antonio, e nos mostra que as barreiras que nos afrontam, diariamente, em nossas vidas, são como asas de um intrépido pássaro a nos levar ao encontro do destino

Gonçalo Antunes de Barros Neto, juiz de Direito em Cuiabá, Mato Grosso, conhecido pelos amigos como Saíto

Gonçalo Antunes de Barros Neto, juiz de Direito em Cuiabá, Mato Grosso, conhecido pelos amigos como Saíto

Cuidado…
GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO – SAÍTO

As barreiras que nos afrontam diariamente são como asas de um intrépido pássaro a nos levar ao encontro do destino. Não que ele, o destino, seja certo e inevitável, ou mesmo que devemos a ele esperar. Penso nele como uma plataforma, um plano de vida consciente ou inconsciente, da qual o livre arbítrio poderá lançar-se, como a precipitar-se num abismo, tendo como forças antagônicas a gravidade e o calor, o vento e a vontade, a coragem e o desconhecido.

Pela verve jornalística de Terésio Bosco conhecemos a saga de um caminhar. Conta-nos que um menino, então com doze anos, estava sempre a sentir o peso da incompreensão e do desamor de seu irmão mais velho, Antonio, de dezenove anos de idade. Antonio não aceitava trabalhar na roça e, após as jornadas diárias extenuantes e implacáveis, vir o pequeno João na disposição da leitura de um livro. Após comerem o pão da ceia noturna, regada a palavras pesadas, grita ferozmente – ainda jogo esse livro no fogo. A caridosa mãe Margarida, fazendo jus ao nome de caro e especial significado (pérola), aparteou – João trabalha como os outros, se depois quiser ler, o que você tem que ver com isso? Em fugaz resposta, movido pela audácia dos ignorantes, Antonio responde – Tenho sim, senhora. Porque sou eu que toco esta joça para frente. Dou um duro danado na roça e não tenho nenhuma vontade de sustentar um senhorzinho. Após, espancou ao pequeno João, ocasionando a atuação severa da ironia.

O coração de mãe está sempre a protagonizar as mais variadas formas de clamor, renúncia e desprendimento. Observando a resposta de João ao irmão, firme e de ruminadas palavras, e como quem embala a tristeza com o manto da resignação, chamou ao pequeno para uma conversa a selar destinos. Firme como a descortinar a verdade, após uma noite em pensamentos e orações, iluminada pelo dever de julgar e por cobro aos fatos e evitar o pior, percebeu, naquele fatídico instante, que o mal existe para reverenciar o amor, sendo este muito mais resoluto e absoluto. Disse ao pequeno – Joãozinho é melhor você deixar esta casa, Antonio não pode mais vê-lo e um dia pode machucá-lo. Guardou na alma o que lhe restava para viver, a súplica.

O pequenino pôs-se a caminhar, e de caminhada em caminhada, ganhou o mundo. Foi trabalhar com uma generosa família, longe dos seus, aprendendo as lições necessárias na consolidação de um Santo. João se tornou Dom Bosco, padroeiro de muitos, inclusive da capital do Brasil. Reverenciado por outro Santo, João Paulo II, que o proclama, em 1989, “pai e mestre da juventude”.

Por conhecer onde estava o mal e de sua necessidade, o Nazareno já adiantava aos apóstolos que dali, de seus mais próximos seguidores, sairia a desonra, que o levaria a cumprir sua missão. Se o mal existe e cumpre seus desígnios, é no amor que se encontra seu infortúnio, sua derrocada, extinção. Aquela mãe julgou com sabedoria, sabia que a perdição lhe devia estar próxima, sob sua vigilância, pois o porta voz do amor, encarnado no pequeno João, era mais forte a ganhar as batalhas futuras que a vida sempre reserva no mundão da incompreensão. Qual seria o destino de Antonio, solto, sozinho, senão o castigo da solidão e miséria? As ovelhas desgarradas devem ser motivo de compaixão, e não de ódio. Recuperá-las é nosso dever de cristão.

Ao assistir a certos julgamentos do Poder Judiciário, após doer ouvir “acho isso ou aquilo”, só me sobra lamentar; não um lamento sem voz, mudo, mas daqueles que quebra as correntes da opressão. A humanidade, em seu estágio atual, não assina as atas ignóbeis, as maledicências do corpo sem alma. Os que assim procedem, não terão destino piedoso, serão renegados a ficarem sob a vista da mãe de Antonio, também a de João. É por aí…

GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO – SAÍTO é Juiz de Direito e escreve aos domingos em A Gazeta
e-mail: [email protected]

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.193.173.55 - Responder

    Concordo. Esse é o cenário nacional. Divisão. Injustiça. Paradoxos e desigualdades sem fim…quem devia controlar, fomenta.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

11 + 18 =