SAITO: Fraternidade e solidariedade, nunca se precisou tanto dessas duas importantes virtudes

 

Saíto

 

 

Fraternidade e amizade social

POR GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO

 

Nunca se falou tanto em fraternidade e solidariedade como nos dias atuais. E a verdade é que nunca se precisou falar tanto dessas duas importantes virtudes a serem cativadas. Papa Francisco, no mês de outubro do corrente ano, na encíclica ‘Fratelli tutti’, ou fraternidade entre irmãos, discorre sobre o tema, especialmente pelo período pandêmico vivenciado mundialmente.

Francisco apresenta as deformidades da sociedade de hoje, quando muitos e muitas acabaram saindo de suas ‘ilhas’ e assumindo posições menos humanitárias. Diz das distorções vislumbradas com o interesse apenas pessoal, lucro desmedido para poucos e poucas, falta de democracia, cidadania e justiça com equidade. Acrescenta que o desemprego, o racismo, a pobreza, a escravidão e o desrespeito à liberdade de gênero tem causado males sem precedentes.

Rememorando a parábola do ‘Bom Samaritano’, o Santo Padre explica quanto à possibilidade de se fazer o bem independentemente de quem irá se beneficiar. Enfatiza que o Bom Samaritano é molde social e civil de inclusão, que deve ser trazido aos nossos dias para que possamos ‘sair do lugar comum’ atingindo o necessário.

 

Traz citações de São Francisco de Assis ao afirmar que a fraternidade não deve ser apenas com seres humanos (abandonados, doentes, descartados por vários motivos), mas, também, com a natureza (sol, vento, mar, etc.), devendo ser enxergada e praticada de modo global. Diz Francisco que a incapacidade dos seres humanos de agir em conjunto e sem pensar individualmente tem deixado marcas indeléveis, sem qualquer motivo para se orgulhar.

O Papa admoesta que a fraternidade não é apenas uma emoção ou um sentimento, devendo ser cultivada a amizade social. Há necessidade de inversão da lógica que vem acontecendo predominantemente. O mundo não vem agindo de acordo com os ensinamentos do Pai, como um ídolo eterno a ser seguido. Os irmãos e irmãs estão em busca constante por mártires.

A amizade social permite que o diferente se torne igual. A fraternidade ganha todos os tempos e momentos: quer na família, na política, na construção social e por aí afora. Apesar de o mundo estar interligado pela internet, na vida material não há esse sentimento real. É premente que essa palavra seja redescoberta como à época da Revolução Francesa.

A ‘Fratelli tutti’ se abre em uma fraternidade aberta, reconhecendo que qualquer pessoa possa ser amada, sentida, reconhecida, tocada e valorizada para além das fronteiras físicas.

As lições do Santo Padre quanto aos direitos humanos, posto teleológicas, traz à tona a importante Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948: ‘A presente Declaração Universal dos Direitos Humanos como o ideal comum a ser atingido por todos os povos e todas as nações, com o objetivo de que cada indivíduo e cada órgão da sociedade, tendo sempre em mente esta Declaração, se esforcem, através do ensino e da educação, em promover o respeito a esses direitos e liberdades e, pela adoção de medidas progressivas de caráter nacional e internacional, em assegurar o seu reconhecimento e a sua observância universais e efetivos, tanto entre os povos (…)’.

Como Bom Samaritano, Francisco deixa evidente na encíclica a esperança de dias melhores. Assim, como estamos a esperar por uma vacina, que deverá assegurar a imunização indistintamente, a imunização fraterna da amizade social deverá acontecer como forma de incluir em todos os lugares, guetos e países.

 

Gonçalo Antunes de Barros Neto (Saíto) é formado em Filosofia e Direito, autor da página Bedelho.Filosófico no Face e Instagram

Categorias:Mora na Filosofia

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

19 + sete =