SAÍTO, entre irônico e colérico, identifica que boa parte dos homens ou mulheres públicos pensa ter adquirido a grandeza dos grandes. “A posição de destaque lhes dá a sensação de superioridade, e não de atores de um modesto picadeiro, pueril e intrigante, efêmero e pífio”, lamenta.

gonçalo antunes de barros neto saito juiz de direito em cuiabá mt

Penso, mas não sou.
POR GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO – SAÍTO

Desculpem-me errar em René Descartes, mas boa parte dos homens ou mulheres públicos pensa ter adquirido a grandeza dos grandes. A lógica é interessante. A posição de destaque lhes dá a sensação de superioridade, e não de atores de um modesto picadeiro, pueril e intrigante, efêmero e pífio, que faz da ilusão, verdade, da modéstia, humildade.
Encenam esses megalomaníacos dramas e caricatas comédias, divindades amadas por um Calígula moderno, expectador atento, adorador cruel e extravagante da miséria intelectual. Às vezes ébrios de alucinações, entorpecidos pelo narcisismo que lhes dá vida e destaque. Aliás, já assistiram a um julgamento colegiado? O grande se faz pequeno, a mediocridade de uns o faz menor. É inevitável. Qualquer tentativa de apartear será alcunhado de atrapalhar os trabalhos, mostrar erudição e professar conhecimento. Em brados, um dos míseros: estou com a palavra. Eis a mágica que se reveste de autoridade para afastar o debate. Não lhe é permitido as frustrações. Afinal, ilusão é verdade; encenação, realidade; independência, mito.
Que saudades do ócio. Não aquele que castiga uns para favorecer luxentos preguiçosos. Mas o elogiado por Bertland Russell – “O hábito de buscar-se mais prazer no pensamento do que na ação constitui uma salvaguarda contra a imprudência e contra a paixão pelo poder, um modo de preservar a serenidade diante do infortúnio e a paz de espírito em meio à aflição”. Julgar está, hoje, e em qualquer sentido que não só o técnico, mais próximo da matemática do que de sentença. Etapa do conhecimento empírico, sentença vem de sentir, e só sente quem tem o hábito e a coragem de auscultar. Senão, não.
O que está por trás disso tudo? O famigerado conhecimento útil. Traz grandeza, ainda que passageira, ou pelo menos sua mania. Conhece-se para a técnica, dominá-la, vencer pelas vaidades. Tal concepção utilitarista do conhecimento, e a academia enforca-se nisso, ignora o fato da premente necessidade de os indivíduos serem treinados em suas qualificações no mesmo patamar de seus propósitos. A utilidade para o dia a dia do conhecimento deve ter relação direta e proporcional com a formação humanística do sujeito cognoscente. O homem e a mulher públicos têm má formação humana em sua razoável parte. O utilitarismo de agora faz com que líderes intempestivos se arvorem em protagonistas de um momento que não é o dele. São os falsos profetas, propagadores do “welfarestate” às avessas.
A mania de superioridade, portanto, de duvidosa grandeza, está quase sempre relacionada com o conhecimento útil, voltado somente para o mercado e suas necessidades.
Detalhe esquecido na selva de fórmulas e equações, a pessoa se torna máquina, objeto, o contrário do ser, do estar, do compartilhar. Sua essência e aparência se confundem. Nada mais sobra. Do picadeiro pueril e de hálito modesto, se sonha acordado, se liberta, acorrentado, e se queda, amordaçado.
Que destino nos reserva a lógica da matéria a unir consciências? O que os mesquinhos, e agora nomeados de canalhas, não sabem, e vou sussurrar-lhes, é que levantaram um gigante, adormecido que estava, mas de caninos afiados. A velha ordem das coisas está de volta. Sou só escrita, tenho as baionetas. É por aí…

GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO é magistrado e professor, em Cuiabá, Mato Grosso. Artigo escrito originalmente para A Gazeta

4 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 179.179.89.189 - Responder

    Dr. Gonçalo, brilhante!!! Me fez lembrar o genial Gilson de Barros. Abraço

  2. - IP 177.65.151.126 - Responder

    Muito, muito bom, Dr. Gonçalo ! Nossos aplausos !

  3. - IP 191.11.188.18 - Responder

    Verdade…
    E a inversao da Republica de Platao…
    E a deturpacao do conceito de autoridade…
    E nenhum desses “servidores” funcionarios publicos supera os “deuses de toga” em materia de ilusao…
    Afinal, estes colocam a maquina judiciaria a servico de seus interesses espurios que incluem ate vingancas e perseguicoes aos que veem como desafetos…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dois × 4 =