PREFEITURA SANEAMENTO

SAÍTO, contando a saga de Dom Bosco, nos lembra que as barreiras que nos afrontam diariamente são como asas de um intrépido pássaro a nos levar ao encontro do destino.

gonçalo antunes de barros neto saito juiz de direito em cuiabá mtBendito, João…

POR GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO – SAITO

 

As barreiras que nos afrontam diariamente são como asas de um intrépido pássaro a nos levar ao encontro do destino. Não que ele, o destino, seja certo e inevitável ou mesmo que a ele devêssemos esperar. Penso nele como uma plataforma, um plano de vida consciente ou inconsciente, da qual o livre arbítrio poderá lançar-se, como a precipitar-se num abismo, tendo como forças antagônicas a gravidade e o calor, o vento e a vontade, a coragem e o desconhecido.
Pela verve jornalística de Terésio Bosco, conhecemos a saga de um caminhar. Conta-nos que um menino, então com doze anos, estava sempre a sentir o peso da incompreensão e do desamor de seu irmão mais velho, Antonio, de dezenove anos de idade. Antonio não aceitava trabalhar na roça, e, após as jornadas diárias extenuantes e implacáveis, vir o pequeno João na disposição da leitura de um livro.
Num determinado dia, após comerem o pão da ceia noturna, regada a palavras pesadas, grita ferozmente – ainda jogo esse livro no fogo. A caridosa mãe Margarida, correspondendo ao nome de caro e especial significado (pérola), aparteou – João trabalha como os outros, se depois quiser ler, o que você tem que ver com isso?-. Em fugaz resposta, movido pela audácia dos ignorantes, Antonio responde: tenho, sim, senhora; porque sou eu que toco esta joça pra frente… Dou um duro danado na roça e não tenho nenhuma vontade de sustentar um senhorzinho. Após, espancou ao pequeno João, ocasionando a atuação severa da ironia.
O coração de mãe, de tamanha intuição, está sempre a protagonizar os mais belos caminhos, na renúncia e no desprendimento. Observando a resposta de João ao irmão, firme e de ruminadas palavras, e como quem embala a tristeza com o manto da resignação, chamou o pequeno para uma conversa a selar destinos. Firme como a descortinar verdades, após uma noite em pensamentos e orações, iluminada pelo dever de julgar e por cobro aos fatos e evitar o pior, percebeu, naquele fatídico instante, que o mal existe para reverenciar o amor, descobri-lo. Disse ao pequeno: Joãozinho, é melhor você deixar esta casa, Antonio não pode mais vê-lo e um dia pode machucá-lo. Guardou na alma o que lhe restava para viver, e calou-se.
O pequenino pôs-se a caminhar, e de caminhada em caminhada ganhou o mundo. Foi trabalhar com uma generosa família, longe dos seus, aprendendo as lições necessárias na consolidação de um Santo. João se tornou Dom Bosco, padroeiro de muitos, inclusive da capital do Brasil, e reverenciado por outro Santo, João Paulo II, que o proclama, em 1989, “pai e mestre da juventude”.
Aquela mãe julgou com sabedoria, sabia que o cuidado maior, a incompreensão, próxima deveria ficar; sob sua vigilância constante, pois, o que ilumina, encarnado no pequeno João, era espiritualmente mais forte e preparado para a vida.
Qual seria o destino de Antonio, solto, sozinho, senão o castigo da solidão e miséria? De compaixão se cuida, não de ódio.
É por aí…

GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO – SAÍTO escreve aos domingos em A Gazeta (e-mail: [email protected]).

 

João Melchior Bosco foi sacerdote diocesano católico apostólico romano e educador. Desenvolveu a educação infanto-juvenil e o ensino profissional, sendo um dos criadores do sistema preventivo em educação. Dedicou-se também ao desenvolvimento da imprensa católica.

João Melchior Bosco foi sacerdote diocesano católico apostólico romano e educador.  Desenvolveu a educação infanto-juvenil e o ensino profissional, sendo um dos criadores do sistema preventivo em educação. Dedicou-se também ao desenvolvimento da imprensa católica.

 

 

 

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.34.220.6 - Responder

    Saito não fala nada de auxílio-moradia… só quer saber de Filosofia… Mora na filosofia?

  2. - IP 191.33.219.193 - Responder

    Parabens
    mais uma vez belo artigo

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

3 × cinco =