SAÍTO: A escuridão é ausência de luz. Então, ambas coexistem. O ódio é a ausência de amor, portanto, estão por aí

Saíto

Sejas…

POR GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO

 

A escuridão é ausência de luz. Então, ambas coexistem. O ódio é a ausência de amor, portanto, estão por aí. A existência precede a essência (Heidegger).

Poder-se-ia aceitar a ideia de que primeiro a escuridão, depois, a luz? Se fosse o contrário, haveria decréscimo, então? Primeiro, existo; depois, sou em essência.

O que andas fazendo consigo? Estar-se-á a decrescer ou a ascender? Aspiras algo maior ou menor?

Será a consciência uma inútil adição ao cérebro e aos nervos (Huxley)? Em tempo, deve-se esclarecer que o termo consciência aqui empregado é diferente de seu significado comum, mas o de uma relação interior ou espiritual ao homem ou à mulher, pela qual se pode conhecer-se e fazer julgamentos.

Ao nascer, tens atributos natos que ajudarão na formação e formatação de sua essência, de seu ‘eu’ dos anos, como a alteridade te reconhece (quando o agente se mostra sem máscara, somente o estar no mundo) e como és projetado (Ser).

Tem-se, então, um Ser de início e uma Essência (Ser qualificado e Essência) por final. Aqui não se tem espaço para a expiação, divindade alguma te há de substituir na própria culpa. A consciência não é inútil e não há harmonia preestabelecida entre espírito e corpo (como pareceu querer Leibnitz). És o que se tornou.

Tu és criatura, que também se fez criador de si, pois, o Criador só gerou a Um. Carregue consigo a sua culpa e não chores o ‘eu’ que se tornou e nem derrame sobre ombros alheios a própria desilusão.

Temendo em se afogar, um escorpião pediu carona a um sapo para atravessar determinado rio. Temendo ser aferroado, o sapo inicialmente negou ajudar. Após muitas insistências, e tendo o escorpião jurado não lhe fazer mal algum, aceitou. Já nas costas do sapo e no meio da travessia, o escorpião lembrou da própria natureza (existência) e aferroou o sapo. Ambos morreram.

O escorpião não tem consciência para julgar, ele é somente natureza (existência), e a exerceu, mesmo se destruindo. Tu se tornas em determinada essência. O escorpião é.

Nunca se deixes levar pelo veneno dos venenosos por natureza. Não tiveram consciência sã para bem poder julgar. Perdoa-lhes, pois, da essência que tens como exemplo, nem de longe os alcançará.

Seria uma grande perda de tempo mudar o curso do rio que se sente aprisionado pelas margens do ódio e da estupidez.

 

É por aí…

 

GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO, o SAÍTO, é responsável pelas páginas Bedelho.Filosófico (Facebook) e bedelho.filosófico (Instagram)   

 

 

Categorias:Mora na Filosofia

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

onze − 6 =