Riva esperneia no STJ mas perdeu mais uma, em Brasilia. Seus bens continuam bloqueados, por determinação do Superior Tribunal de Justiça, para serem usados, mais adiante, quem sabe, para repor parte do dinheiro que ele é acusado de ter desviado dos cofres da Assembleia Legislativa de Mato Grosso

Geraldo Riva, o deputado mais processado por corrupção, em Mato Grosso e os promotores Roberto Turin e Célio Fúrio que assinaram a grande maioria das ações civis públicas impetradas pelo Ministério Público estadual contra o atual parlamentar do PSD que continua a contar com muitos defensores, em nosso Estado, do seu estilo de fazer política.

Geraldo Riva, o deputado mais processado por corrupção, em Mato Grosso e os promotores Roberto Turin e Célio Fúrio que assinaram a grande maioria das ações civis públicas impetradas pelo Ministério Público estadual contra o atual parlamentar do PSD que continua a contar com muitos defensores, em nosso Estado, do seu estilo de fazer política.

Os advogados de José Geraldo Riva não param, parece que não tem sossego. Eles são muitos e trabalham incessantemente para aliviar a situação desse deputado estadual do PSD que é, seguramente, o parlamentar mais processado por corrupção, em todos os tempos do nosso Legislativo estadual, no Estado de Mato Grosso e figura, certamente, entre os mais processados de todo o Brasil, em todos os tempos. (Na omissão dos badalados historiadores e cientistas políticos como Alfredo da Mota Menezes e Louremberg Alves, algum historiador mais atento haverá de aparecer algum dia, ou de ser escalado por algum editor competente, nos apresentar o registro detalhado deste personagem tão singular de nossa vida política.)  As evidências, todavia, parecem indicar que os processos impetrados contra Riva pelo Ministério Público Estadual, devido à atuação notadamente dos promotores Roberto Turin e Célio Fúrio, estão bem embasados com provas robustas, considerando-se o repetido insucesso dos recursos de seus defensores perante as decisões já fixadas em processos que correm na Justiça Estadual e nos tribunais superiores, em Brasilia. Neste sábado, 3 de agosto, o insuspeito jornal Diário de Cuiabá – sem oferecer aos seus leitores algum tipo de remissão no estilo “Entenda o Caso” ou “Processos são mais de 100” – registra mais uma derrota de Riva. Confira. (EC)

 

STJ nega recurso a Riva e mantém bloqueio dos bens

Do DIÁRIO DE CUIABÁ

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou o recurso interposto pelo deputado estadual José Riva (PSD) e manteve o bloqueio de seus bens. A decisão foi do ministro relator do caso, Benedito Gonçalves.

O social-democrata havia recorrido de uma decisão da Segunda Turma do próprio STJ. No recurso, a defesa do parlamentar alegou divergências entre esta decisão e uma outra, adotada pela Primeira Turma da Corte.

O bloqueio já era questionado pelos advogados de Riva à época da decisão. Mário Sá, responsável pela defesa, pontuava que a lei de improbidade administrativa determina a indisponibilidade apenas após o trânsito julgado do processo.

O ministro entendeu, no entanto, que as divergências apontadas sequer mereciam ser conhecidas porque não correspondiam à via recursal adequada para discutir a decisão sobre o bloqueio.

Riva teve os bens indisponibilizados em março deste ano. O STJ tomou a medida com base em uma acusação de ato de improbidade administrativa. A denúncia é que o parlamentar teria participado de um esquema de desvio de dinheiro da Assembleia Legislativa mediante pagamentos fraudados a empresas fantasmas.

Além dele, o conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Humberto Bosaipo, é acusado das supostas ilicitudes, que teriam ocorrido em 2001, quando ele ainda exercia mandato como deputado estadual. O prejuízo chegaria a R$ 2 milhões.

3 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.110.170.195 - Responder

    Faz, devolver nosso dinheiro veiodela do espirito santo para aprntar.

  2. - IP 189.59.59.159 - Responder

    Alfredo Menezes,Louremberg,e outros mais são funcionários do Dorileo chefe da Gazeta,todos recebem ou receberam indiretamente “VERBA DE ZELO” o mensalão da Assembleia; e são desprovidos de coragem ou vontade própria para enfrentar essa vergonha.Seriam despedidos sumariamente.Ambos são historiadores e estão escrevendo uma história pessoal ,triste , deprimente e covarde.Vão mais cedo ou mais tarde para o limbo do esquecimento.O tempo é o senhor da razão!

  3. - IP 189.74.190.57 - Responder

    Esses tais ‘historiadores’ são contadores de estória. Uns merdas.
    Mas a TV Assembléia poderia fazer um documentário sobre esse hamster anão…porque será que não faz.
    A Secom estadual e a Secom municipal são um cabide de emprego que abriga a galera da imprensa antiga de Cuiabá. São outros tantos surdos mudos com a boca cheia de notas de cem. Em suma, esse nosso estado está totalmente corrompido, corroído, enferrujado, podre, doente. É um corpo moribundo assolado por vermes e parasitas, pragas de todo tipo. Mas nós não haveremos de depender de velhice ou alguma doença do tipo pneumonia para nos livrarmos desse rato capixaba.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

4 × dois =