Rede Record supera a Rede Globo e é lider de audiência em Goiás

Record supera Globo em Goiás
TV Anhanguera imita quadro e contrata profissional da concorrente na tentativa de reverter baixos índices de audiência, que têm causado crise nos corredores da emissora

JORNAL OPÇÃO

A Record conseguiu em Goiás atingir a meta que a emissora busca em âmbito nacional: ser líder de audiência. Três dos seus programas jornalísticos superam, em número de telespectadores, a afiliada da Globo no Estado, a TV Anhanguera, de acordo com medições do Ibope. O “Direto da Redação”, jornal apresentado por Manuela Queiroz que começa às 6h27 e vai até as 7h15 da manhã e concorre diretamente com o “Bom Dia Goiás”, da TV Anhanguera, marcou no dia 23 de abril a média de 4,3 pontos de audiência, enquanto o “Bom Dia Goiás” ficou abaixo, com 4,1. Logo depois, vem o “Goiás no Ar”, que fica até as 8h40, disputando diretamente com o “Bom Dia Brasil” e início do programa “Mais Você”, de Ana Maria Braga. O jornal apresentado por Alysson Lima atingiu, no dia 23 de abril, 9,2 pontos de audiência, contra 4,5 da concorrente. O grande líder de audiência da Record em Goiás é o “Balanço Geral”, apresentado por Oloares Ferreira. Nas duas horas e 35 minutos de jornal — vai ao ar às 12h30 e termina às 14h35 – a Record atinge uma média de audiência de 15 pontos, o que representa cerca de 300 mil telespectadores, e picos de até 20 pontos.

O único jornal da emissora que não lidera a audiência, o “Goiás Record”, não compete com a programação local da Globo. Vai ao ar no horário das novelas da concorrente. “Concorre com uma tradição brasileira”, explica a gerente de jornalismo da Record Goiás, Ana Raquel Copetti. Mesmo assim, atinge uma média de 15 pontos. As medições são feitas pelo Ibope e, desde março deste ano, são overnight, coletadas em um dia e apresentadas no dia seguinte. Antes, as verificações eram acumuladas durante 15 dias e só depois repassadas às emissoras e a medição era feita em 150 domicílios por meio do aparelho peoplemeter. Passou para 220 casas. O sistema overnight é anterior ao real time, que é a audiência em tempo real.

O jornalismo da Record Goiás segue um modelo adotado em todas as praças onde a Record tem emissora própria, o que é o caso de Goiás. O primeiro jornal do dia, o “Direto da Redação”, entrou no ar no Estado em fevereiro de 2011 e, segundo o editor-chefe, Victor Rezende, veio fortalecer o jornalismo com matérias nacionais. Victor chega à emissora, que fica Setor Oeste, às 3 horas da madrugada para receber as matérias das demais praças, da Record News e do JR e selecionar aquelas que têm maior relevância nacional e proximidade com os goianos. O toque local fica por conta das entradas ao vivo dos repórteres, por meio do link e do mochilink (um  link móvel). O cinegrafista coloca a câmera em uma mochila e transmite via internet as imagens do que está acontecendo na cidade ao vivo para a emissora. No estúdio, sempre de pé, Manuela Queiroz vai comentando as cenas. A apresentação fora da bancada é uma das características dos três jornais da Record, assim como o comentário improvisado.

Manuela Queiroz experimentou esse modelo de apresentação pela primeira vez em 2010, quando dividiu o estúdio com Cláudio Silvério em um jornal de esporte que saiu do ar. Em menos de um mês foi convidada a comandar o jornal da manhã de Belém (PA), onde ficou dez meses. De volta a Goiânia, em outubro passado, assumiu a apresentação do “Direto da Redação”. Manuela chega à emissora às 5 horas da manhã e ajuda Victor no fechamento da edição, além de adaptar os textos a sua linguagem. “Eu e Victor temos uma parceria”, conta. Uma parceria que soma média de audiência de 5 pontos e picos de 9. “A cada mudança percebemos que fazemos a audiência crescer.”

Essa sintonia está presente também na relação da dupla responsável pelo jornal que vem em seguida ao “Direto da Redação”. O “Goiás no Ar” é apresentado por Alysson Lima sob a batuta do editor-chefe Deny Almeida. Antes de apresentar o “Goiás no Ar”, Alysson trabalhou na Bandei­rantes, do Tocantins, e em rádio com vendas. Substituiu a jornalista Raquel Azeredo, em 2009.

Alysson considera o jornal uma rádio news, “que reúne o maior número de informações”, nos seus 85 minutos de duração. Além das matérias, cerca de dez, o “Goiás no Ar” também conta com dois links e imagens do mochilink sobre o trânsito, o transporte e a movimentação do início do dia ao vivo. “É que dá agilidade ao jornal”, explica Deny. E lhe confere uma média de 6 pontos de audiência no Ibope e picos de até 12 pontos. “Ficamos na liderança isolada durante 70 minutos do jornal”, conta o editor-chefe. Há um ano e meio o “Goiás no Ar” lidera a audiência no horário.

O editor-chefe do “Balanço Geral” entrou na Record como estagiário. Hoje, com 27 anos, José Carlos de Oliveira Filho, o Zeca, responde pelo carro-chefe da casa, que tem como foco os problemas da população que mora na região metropolitana. “Não só mostra os problemas, mas traz solução para eles.” Há dois anos o “Balanço Geral” é líder de audiência e Zeca atribui o sucesso ao carisma do apresentador Oloares Ferreira. “Ele veste a causa do telespectador, dá voz a povo.” Povo que interage com Oloares ao vivo seja por meio de mensagens que o apresentador lê no ar ou pelo canal exclusivo do jornal. “É um contato direto e espontâneo. Assim, o povo se vê no “Balanço Geral””, diz o editor-chefe. Além das matérias comunitárias, o jornal aposta nos assuntos policiais, mas essa preferência vem diminuindo. “Apenas os casos importantes ganham cobertura ao vivo, o foco principal dos links sãos os problemas da população.”

A grande atração do jornal é sem dúvida o apresentador. Oloares é assediado nas ruas como se fosse um artista, as pessoas pedem para tirar foto e autógrafos. A carreira dele na televisão teve início em Luziânia, cidade do Entorno do Distrito Federal, na Rio Vermelho. Em 2001, ele entrou na Record, em Goiânia, para cobrir férias da repórter Alessandra Faria e nunca mais saiu. O grande salto na carreira de Oloares foi fruto de um acaso. O então apresentador do “Goiânia Urgente”, Luiz Carlos Bordoni, pediu demissão no ar, surpreendendo toda a direção do jornal. Oloares havia acabado de chegar à redação quando o diretor da Record na época, Evandro Trindade, entrou procurando um repórter para terminar de apresentar o jornal. Oloares era o único e foi praticamente empurrado para o estúdio. Não havia teleprompter — equipamento no qual o apresentador lê o texto na frente da câmera — e ele recebeu apenas as laudas das matérias. Era para ficar uma semana até contratarem um apresentador, mas apesar da fila de candidatos que fizeram teste, ninguém foi contratado. Oloares assumiu não só o comando do “Goiânia Urgente” como também a direção do jornalismo.

Com a reestruturação da Record Goiás, em 2007, Oloares passou a apresentar o “Goiás no Ar”, que estava sendo criado, e voltou ao horário do meio-dia quando o “Goiânia Urgente” adotou o nome de todos os jornais da Record, “Balanço Geral”. A base para o jornalismo que pratica, Oloares diz que vem do Jornal Opção, no qual trabalhou no início da carreira. “As experiências que tive com jornalismo investigativo eu trouxe para a televisão.”

A empatia que tem o telespectador Oloares atribui à autenticidade. Ele conta que, quando se tornou apresentador pensou em se inspirar em jornalistas já consolidados, mas decidiu não criar nenhum personagem, ser ele mesmo. “No vídeo, sou eu mesmo e o segredo é ser verdadeiro.” Mas nem todos aprovam essa atitude. Oloares recebe muito e-mails de críticas e os lê ao vivo. “Quem joga pedra tem que estar preparado para receber pedradas.” O apresentador recebe em média 500 e-mails. Quanto às críticas de sensacionalista Oloares diz até gostar. “Quem assiste o “Balanço Geral” não entra como entrou porque ele causa alguma sensação, pode ser até raiva.”

O jornal não tem um formato fechado e Oloares tem liberdade para criar situação como uma recentemente. Uma criança precisava de um aparelho de R$ 10 mil para fazer uma cirurgia e durante três semanas ninguém se dispôs a pagar. Ele decidiu iniciar uma campanha dando 100 reais e conseguiu arrecadar a quantia necessária. “O segredo é não ter fórmula. Você sabe como começa, mas não sabe como termina”, diz. Mas isso se consegue com uma interação muito grande com a equipe. “Eu penso aqui e eles fazem lá”, brinca.

Essa fórmula deu tão certa que vem sendo copiada pelas emissoras concorrentes, “que antes consideravam o jornal brega, popularesco e sensacionalista”, conta Oloares. O quadro “O Bairro que Tenho; o Bairro que Quero”, da TV Anhanguera, repete o modelo do “Balanço Geral nos Bairros”, que reúne uma vez por mês cerca de 5 mil pessoas em alguma região da cidade. “Hoje é chique fazer matéria comunitária”, ironiza Oloares. Mas enquanto os concorrentes copiam um quadro ele cria outros. Atendendo a desafios do telespectador, o apresentador já foi taxista, lixeiro, agente de trânsito, ciclista e andou na cidade de olhos vendados para sentir as dificuldades de um cego. “As coisas surgem do nada e nós experimentamos.”

Para isso Oloares conta com o aval da gerente de jornalismo Ana Raquel, que chegou a Goiânia em janeiro de 2011 vinda de Mato Grosso do Sul. Em Campos Grande, cidade de 700 mil habitantes, era gerente da afiliada da Record. Aqui, responde diretamente à Record, “que está dentro da emissora”. Para ela, o sucesso do jornalismo da emissora está na proximidade com o telespectador. “Usa­mos uma linguagem simples, que não agride, não causa constrangimento.” Além do carisma dos apresentadores, “que são visto como amigos pelo telespectador”.

O crescimento da Record tem provocado crises nas outras emissoras. Na TV Serra Dourada, afiliada do SBT, nove jornalistas foram demitidos ou pediram demissão nos últimos meses. A TV Anhan­guera foi buscar na Record uma pessoa na tentativa de reverter os baixos níveis de audiência. O ex-diretor da Record do Rio de Janeiro Orlando Loureiro substituiu Jackson Abrão com o desafio de mudar o jornalismo morno, historicamente “sem pegada”, da afiliada da Globo em Goiás.

Categorias:Imprensa em debate

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.4.44.193 - Responder

    muito bem!

  2. - IP 186.254.250.27 - Responder

    Eu só queria dizer que na televisão goiana não existe mulheres mais lindas do que Emanuela, Nathália e Flavia todas uma princesinhas

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezessete + seis =