PSOL dá adeus à ‘era da inocência’. Desafio, agora, é governar Macapá com minoria na Câmara

Clécio Luis, prefeito eleito de Macapá. É o primeiro prefeito de capital eleito pelo PSOL

Psol dá adeus à ‘era da inocência’
Por Helena Sthephanowitz, especial para a Rede Brasil Atual

O primeiro prefeito eleito pelo PSOL de uma capital, Clécio Luís, em Macapá, declarou querer diálogo com o senador de seu estado José Sarney (PMDB).

“Não é o militante Clécio que está procurando o cacique José Sarney. É o prefeito que vai procurar a base parlamentar eleita pelo povo de Macapá para pedir ajuda. Para que eles cumpram seu papel institucional. Não podemos abrir mão da ajuda de ninguém. Então é necessário que a gente abra esse diálogo institucional republicano”, disse, em nota amplamente divulgada pela imprensa. Clécio também elogiou o apoio recebido do DEM e do PSDB à sua candidatura no segundo turno.

O gesto, porém, conflita com  o discurso passado de críticas ao que o PSOL chamava de “alianças espúrias”, sobretudo dirigido ao partido que lhe deu origem, o PT, quando passou a aliar-se a ex-oponentes para compor maiorias e conseguir a governabilidade.

Um dos primeiros atos de dissidência que deram origem ao PSOL foi da ex-senadora Heloísa Helena, em 2003, quando discordou de votar em Sarney para a presidência do Senado, em respeito à regra adotada na casa do partido com maior bancada indicar o presidente. Na época, a ex-deputada federal Luciana Genro, então petista e hoje noPSOL, teceu duras críticas.

Hoje, Luciana Genro e outros 33 dirigentes do partido manifestaram-se em nota mirando sua artilharia ao companheiro de Macapá. “Se esta aliança se mantiver, representará uma mancha que envergonhará e indignará todo o PSOL”, declararam.

Ivan Valente (SP), presidente nacional da legenda, procura minimizar a polêmica alegando que “adesão não é aliança”. Clécio, por ora, afirma que não foram negociados espaços em seu governo. Mas dos 23 vereadores de Macapá,  a base governista de Clécio elegeu apenas três, sendo dois do PSOL e um do PCB – o que pode fazer com que a negociação política venha a ser inevitável.

O deputado federal Chico Alencar (RJ) justifica que a discussão se deve às “dores do crescimento”, e diz que o partido “tem que escrever uma nova gramática no exercício do poder”, sem cometer o que ele chama de “erros do PT”, mas não explica como, nem o que significa essa tal nova gramática do poder.

Sem querer aqui duvidar da ética dos militantes psolistas, muito menos negar que a ética é imprescindível em qualquer aspecto da vida. Mas daqui em diante será interessante observar como se comporta a legenda, agora que passará a se ver às voltas com o, digamos, assim, mundo real da política, que costuma ser impiedoso com os que se fingem inocentes.

Sem comentários. Seja o primeiro a comentar

Assinar feed dos Comentários

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezessete + dezenove =