PREFEITURA SANEAMENTO

Proteção da Rede Globo aos negócios da família do prefeito Eduardo Paes (PMDB-RJ), no Panamá, expõe, mais uma vez, a manipulação informativa da emissora, através do Jornal Nacional. Confira o pito que o deputado Anthony Garotinho (PR-RJ) deu em William Bonner, da tribuna da Câmara

O deputado federal Anthony Garotinho (PR-RJ), o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, a jornalista Patrícia Poeta, apresentadora do Jornal  Nacional e o prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (PMDB-RJ): personagens de uma história que envolve, mais uma vez, denúncia de manipulação da informação promovida pela Rede Globo em prejuízo dos cidadãos-telespectadores, notadamente do Rio de Janeiro, principal base de operação da emissora

O deputado federal Anthony Garotinho (PR-RJ), o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu, a jornalista Patrícia Poeta, apresentadora do Jornal Nacional e o prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (PMDB-RJ): personagens de uma história que envolve, mais uma vez, denúncia de manipulação da informação promovida pela Rede Globo em prejuízo dos cidadãos-telespectadores, notadamente do Rio de Janeiro, principal base de operação da emissora

Garotinho denuncia negócios da família Paes no Panamá

LUCIANA NUNES LEAL – Agência Estado – O Estado de S. Paulo

A revelação de que a família do prefeito Eduardo Paes (PMDB) é dona de duas empresas no Panamá que têm, juntas, capital de US$ 8 milhões (R$ 19 milhões) abriu uma guerra entre o peemedebista e o ex-governador e deputado Anthony Garotinho (PR-RJ). Pré-candidato ao governo do Rio, Garotinho reproduziu em seu blog reportagem do site Brasil 247 sobre as empresas Conval Corporation e Vitznau International Corporation, criadas, respectivamente, nos dias 12 e 19 de junho de 2008, com sede no Panamá, e que pertenceriam ao pai, à mãe e à irmã do prefeito, Valmar Souza Paes, Consuelo Costa Paes e Letícia Costa Paes. Garotinho acusa a família de Paes de ter criado “empresas laranjas” e “fantasmas”.

Segundo documentos divulgados pelo site e por Garotinho, a Conval e a Vitznau foram constituídas e têm como sócio o panamenho Jose Eugenio Silva Ritter, presidente da empresa Truston International Inc., sócia majoritária e administradora do Hotel St. Peter, em Brasília. Reportagem do “Jornal Nacional”, da TV Globo, revelou, na última terça-feira, que Jose Eugenio Ritter mora em um bairro pobre da Cidade do Panamá e seria “laranja” da Truston.

O St. Peter ganhou notoriedade na semana passada, quando o ex-ministro José Dirceu pediu à Justiça autorização para trabalhar como gerente geral do hotel, o que garantiria o regime semiaberto ao petista, condenado no processo do mensalão e preso na Penitenciária da Papuda. Anteontem, Dirceu desistiu do emprego, que lhe renderia um salário de R$ 20 mil mensais.

Segundo a reportagem do “Jornal Nacional”, Ritter é sócio de mais de mil empresas no Panamá. Os documentos de criação das duas empresas da família do prefeito Eduardo Paes foram elaborados pelo escritório de advocacia Morgan y Morgan, onde Ritter trabalha como auxiliar administrativo. Os papéis especificam que as empresas podem atuar em qualquer país e receber honorários para prestação de “assistência técnica e comercial”.

Garotinho denunciou que chamou de “gangue do chapéu Panamá”. “Paes e sua família vão ter que explicar a origem dos US$ 8 milhões usados para abrir duas empresas no Panamá no espaço de uma semana. Será que ganharam na loteria por duas semanas consecutivas? E por que esconder o dinheiro num paraíso fiscal, no Panamá? Esse dinheiro está declarado? Isso e muito mais vai ter que ser explicado aos órgãos competentes”, disse Garotinho em seu blog. O deputado discursou no plenário da Câmara, na tarde de quinta-feira, e pediu “atenção das autoridades policiais brasileiras”.

Paes reagiu à ação do adversário. Disse que o pai “é um advogado muito bem sucedido, ao contrário da família Garotinho, que enriqueceu na política”. “Não há nada de irregular no fato de o meu pai ter uma empresa no exterior. Ele é um advogado bem sucedido, com carreira internacional. A empresa é totalmente legal, está registrada no Banco Central e foi devidamente declarada em seu imposto de renda desde sua criação”, afirmou Paes, em nota divulgada pela assessoria de imprensa. O advogado Valmar Souza Paes não foi localizado ontem em seu escritório pelo Estado.

 

FONTE O ESTADO DE S PAULO

—————-

JN ATIRA NO INIMIGO DIRCEU E PROTEGE O AMIGO PAES

Edição/247 Fotos: Reprodução:  

Os irmãos Marinho conseguiram: com a reportagem sobre o laranja panamenho José Eugenio Silva Ritter, que já foi “dono” do hotel St. Peter, impediram que o inimigo José Dirceu obtivesse um emprego que poderia colocá-lo em regime semiaberto, ao qual foi condenado; no entanto, ao noticiar o caso, Patrícia Poeta omitiu que o mesmo Ritter foi também o criador de duas empresas no Panamá, pertencentes a familiares do prefeito Eduardo Paes, aliado dos Marinho, que receberam depósitos de US$ 8 milhões; jornal O Globo, por sua vez, saiu em defesa do prefeito na manchete: “Paes afirma que empresas de sua família cumprem legislação”; uma indignação seletiva, que envergonha a imprensa brasileira

 

247 – O Jornal Nacional, apresentado por William Bonner e Patrícia Poeta, noticiou nesta quinta que o ex-ministro José Dirceu desistiu do emprego oferecido pelo hotel St. Peter, em razão do que chamou de “linchamento midiático” promovido contra quem teve o gesto de generosidade de lhe oferecer um posto de trabalho.

Dois dias atrás, o JN noticiou que o St. Peter, do empresário Paulo Abreu, já foi controlado no papel pelo laranja José Eugenio Silva Ritter, um auxiliar de escritório do escritório Morgan y Morgan, no Panamá.

Hoje, em reportagem exclusiva, o 247 revelou que o mesmo personagem foi também o criador no papel de duas empresas no Panamá abertas pelos familiares do prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (leia aqui).

Ao noticiar o caso, Patrícia Poeta falou que Ritter foi o dono no papel de mais de mil empresas no País. Mas não citou o nome de nenhuma delas, especialmente da Vittenau e da Conval, que pertencem ao pai, à mãe e à irmã de Paes – e receberam US$ 8 milhões, o equivalente a R$ 20 milhões, em 2008, ano em que Paes fez campanha e se elegeu prefeito do Rio pela primeira vez.

Com a reportagem desta quinta-feira, a Globo confirmou que sua indignação em relação a eventuais laranjas é seletiva. A emissora dos Marinho foi ao Panamá para impedir que Dirceu obtivesse um emprego, sem comprovar qualquer vínculo do ex-ministro com o laranja panamenho, mas protegeu o aliado Eduardo Paes, cujos parentes têm offshores com patrimônio milionário.

Essa é a liberdade de expressão exercida pela Globo.

No jornal O Globo, a informação foi veiculada em tom de defesa de Eduardo Paes. Confira abaixo:

Paes afirma que empresas da sua família no Panamá cumprem legislação

RIO – O site Brasil 247 publicou hoje a informação de que familiares do prefeito Eduardo Paes (PMDB) são donos de duas empresas com sede no Panamá. A Vitznau International Corporation e a Conval Corporation seriam de Valmar Souza Paes (pai do prefeito), Consuelo da Costa Paes (mãe) e Letícia da Costa Paes (irmã). As duas empresas, que teriam capital de cerca de R$ 20 milhões, foram registradas em junho de 2008 na República do Panamá.

Eduardo Paes afirmou há pouco que as empresas estão na declaração de Imposto de Renda dos seus pais e irmã, e disse que não há qualquer ilegalidade no caso. Ao saber que a deputada estadual Clarissa Garotinho (PR) reproduziu a informação numa rede social, Paes se defendeu:

— Em primeiro lugar, a deputada Clarissa Garotinho não é necessariamente a pessoa que mais merece esse tipo de respaldo, não é? O que se tem é que meu pai é um advogado. Está tudo na declaração de Imposto de Renda dele, que não compete a ninguém. Eles vazam provavelmente pela Receita Federal, o que é um crime divulgar esse tipo de coisa. Não tem nenhum tipo de ilegalidade nisso (ter empresas no Panamá) — disse Paes, que completou — Ele (pai do prefeito) é um advogado muito bem sucedido, ao contrário da família Garotinho que enriqueceu na política, isso antes de ser prefeito. Os lugares que essa família Garotinho conheceu depois que ele entrou na política são os lugares que eu conheci desde pequeno antes de entrar na política.

A deputada Clarissa Garotinho negou envolvimento no vazamento de documentos para o site Brasil 247:

— Não fui a responsável pelo vazamento, que agora é o que menos importa. O que importa é saber por que as empresas foram abertas — afirmou.

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.22.171.110 - Responder

    A família do prefeito também está nos mesmos negócios dos patrões do Zé Dirceu.

    Também pudera o prefeito é aliado do PT.

    Estão todos juntos na política.

    É preciso colocar mais petralhas na papuda.

    Tá faltando petistas.

  2. - IP 179.216.205.163 - Responder

    a rede globo não faz jornalismo, faz campanha política dia sim e o outro também.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

treze + dezenove =