Promotor Clóvis Almeida vai convocar primeira-dama Roseli Barbosa para explicar contratações sem concurso público e possível montagem de cabide de emprego na Secretaria de Assistência Social do Governo do Estado

Roseli Barbosa, titular da Secretaria de Trabalho e Assistência Social e o promotor de Justiça Clóvis Almeida. Ministério Público investiga possível irregularidade em contratações promovidas pela esposa do governador Silval Barbosa

Roseli Barbosa, titular da Secretaria de Trabalho e Assistência Social e o promotor de Justiça Clóvis Almeida. Ministério Público investiga possível irregularidade em contratações promovidas pela esposa do governador Silval Barbosa

Promotor vai convocar primeira-dama para explicar denúncia de improbidade

Ela é acusada de realizar contratações sem concurso público
Antonielle Costa
MATO GROSSO NOTICIAS

A primeira-dama e secretária de Estado de Trabalho e Assistência Social, Roseli Barbosa, será convocada nos próximos dias pelo Ministério Público Estadual (MPE), para prestar esclarecimentos no inquérito civil em que é investigada por suposta improbidade administrativa.

Ela é acusada de realizar contratações sem concurso público para o Lar da Criança em Cuiabá. Atualmente a unidade atende 116 crianças de Cuiabá e Várzea Grande e a última contratação realizada para prestação de serviço na unidade foi de 120 funcionários pelo período de seis meses. No total, 303 funcionários estão à disposição do Lar.

Ao Mato Grosso Noticias, o promotor Clóvis de Almeida Júnior, afirmou nesta quinta-feira (5), que aguarda as informações solicitadas junto ao Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), para então convocar a secretária.

Com posse dos documentos e a oitiva realizada, o promotor irá analisar se houve ou não excesso na contratação.

Segundo ele, se houve e foi doloso caberá ao MPE ingressar com uma ação de improbidade administrativa. Já se não houve dolo, a ação será de ressarciomentro ao erário.

Clóvis de Almeida revelou que pretende encerrar as investigações no final do mês.

Inquérito civil

As investigações tiveram início a partir de uma representação relatando que foram contratados mais servidores do que o órgão comporta, visto que, segundo a informação recebida no MPE não há necessidade de tantos funcionários para o desempenho das funções”.

Ainda está sendo analisada pelo Ministério Público a natureza dos cargos providos sem concurso público em razão de que as atividades realizadas por esses servidores não poderiam ser desenvolvidas por cargos de confiança, por não se tratarem de gerência, chefia ou assessoramento.

Concurso público

No mês passado, a secretária anunciou a realização de um concurso público para preenchimento de cem vagas, mais cadastro reserva.

No entanto, de acordo com o promotor, não tira o objeto da investigação, apenas resolve um problema existente.

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.5.117.244 - Responder

    MP visivelmente a serviço de Pedro Taques, fazendo campanha às custas da ignorância da maioria. Ê Brasil !

  2. - IP 200.140.6.188 - Responder

    Mais uma vez esse baixinho querendo aparecer,tentou de todas as formas acabar com a obra do VLT,não conseguiu,mas sempre procura uma forma de chamar a atenção da mídia!!

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dezesseis − quatro =