PROFESSOR SÉRGIO NEGRI: Ao “estilo paraguaio”, um golpe de Estado caminha a passos largos no Brasil; nada de tanques, metralhadoras e baionetas, modernamente, o também chamado “golpe branco” é uma atualização que dispensa militares para a mesma finalidade: golpear a vontade popular, destituindo governantes eleitos e substituindo-os por vassalos a serviço de Washington!

Dilma e os golpistas da Oposição. Por que eles tem tanto medo das urnas?

Dilma e os golpistas da Oposição. Por que eles tem tanto medo das urnas?

Geopolítica, Fascismo verde e amarelo e golpe de Estado

Sergio S. Negri

Muito enganados estão aqueles que acreditam que grandes protestos de rua são, necessariamente, sinônimos de democracia ou de avanço para os trabalhadores. Nem sempre é assim! Ao contrário, nos últimos anos grandes manifestações de rua estão ligadas a retrocessos igualmente gigantescos. Recordemos da chamada “Primavera Árabe” em países do norte da África – Egito, Líbia, Síria e Tunísia – por exemplo. Com exceção deste último, onde uma coalizão tem mantido um Estado relativamente democrático, nos demais se viu a instalação ou volta ao poder de ditaduras teocentristas e guerras civis com a dissolução total de alguns Estados, como no caso líbio.

Na Grécia e na Espanha, em 2011, grandes protestos de grupos de extrema esquerda “contra tudo que está aí” resultaram em vitórias de governos ultradireitistas e neoliberais que levaram esses países à bancarrota (1). Em 2013, na Ucrânia, grandes manifestações conduzidas pela extrema direita resultaram num golpe de Estado que destituiu um presidente eleito democraticamente. O novo governo, presidido por um magnata aliado a grupos neonazistas, aterroriza segmentos da população com facções paramilitares, ao mesmo tempo em que funciona como um títere contra a Rússia a serviço da OTAN, sob o comando americano. Esse governo reacionário é diretamente responsável pelos conflitos armados e consequente aumento da miséria, com mais de 1,5 milhão de ucranianos famintos (2).

Em comum, entre os exemplos citados, temos a presença mais ou menos explícita dos EUA nestas “revoluções democráticas” (3). Seja por meio de seu Departamento de Estado ou da CIA, seja por meio de suas embaixadas ou fundações, financiam grupos opositores reacionários com dinheiro, incluindo o fornecimento de armas, logística, e também mercenários para o trabalho sujo de atentados, assassinatos e torturas.

No novo arranjo geopolítico mundial, os EUA tentam isolar a Rússia, a China e, em certa medida também a Índia, principais países membros do BRICs, grupo também composto pela África do Sul e Brasil. Neste contexto é fundamental o controle do Oriente Médio, Ásia e Leste Europeu. Daí o treinamento e financiamento de grupos terroristas na Síria, por exemplo, ou o cerco à Coréia do Norte. Lógico que o petróleo também continua sendo um motivo primordial. Tudo isso com cobertura da mídia, idolatrando a política americana, ao tempo em que sataniza os países sob sua agressão.

Na América Latina, os regimes neoliberais que substituíram as ditaduras civil-militares do continente, sobretudo, na década de 90, foram todos derrotados por projetos progressistas de cunho neodesenvolvimentistas e nacionalistas na tentativa de recuperar a soberania destes Estados Nacionais, incluindo a integração latino-americana. Em pouco mais de uma década, Venezuela, Argentina, Equador, Bolívia, Uruguai e Brasil, apresentaram grandes transformações econômicas, sociais e políticas. Houve o fortalecimento da democracia, com eleições livres e ampla participação popular, integração entre os países, incluindo a formação e/ou fortalecimento de blocos regionais, como MERCOSUL, UNASUL e CELAC, além de inédita distribuição de renda, geração de empregos, com diminuição da miséria e erradicação da fome. Nesse processo, o Brasil foi alçado à condição de potência mundial, sobretudo após a descoberta do Pré-Sal pela Petrobrás e de sua adesão ao BRICs (4).

Como esperado, esse processo inédito de avanço latino-americano não passaria incólume. O imperialismo norte-americano, incluindo os abutres de Wall Street, não suportaria a ideia de uma América Latina independente, progressista e integrada. Sua soberania não poderia ser solidificada nestes tempos de globalização. Assim, desde sempre a mídia nativa hegemônica, aliada às elites conservadoras e ao capital financeiro internacional, lançou todas as armas, para primeiro tentar impedir a eleição de líderes progressistas. Na sequência atuou e atua cotidianamente para desqualificar e derrubar essa nova configuração geopolítica regional.

Nesse contexto, os EUA estão avançando no desmantelamento dessa nova ordem regional, iniciada por Chávez em 1998. Na própria Venezuela, a direita conservadora e antinacional ganhou a maioria do Parlamento, enquanto na Argentina, o poder executivo foi ocupado por neoliberais a serviço de Washington. Além destes, Equador e Bolívia também estão sofrendo com as tentativas de desestabilização política (5).

No Brasil, o projeto de cunho trabalhista e neodesenvolvimentista, iniciado em 2003 encontra-se seriamente ameaçado pelo consórcio jurídico-midiático-parlamentar. Sob o manto de uma narrativa moral-hipócrita conservadora, as forças reacionárias ampliaram sua ofensiva um dia após o pleito eleitoral de 2014, na tentativa de inviabilizar o novo mandato da Presidenta Dilma, fenômeno que se acirrou com a tentativa de impedimento da mandatária do executivo nacional hora em curso. Ao “estilo paraguaio”, um golpe de Estado caminha a passos largos no Brasil; nada de tanques, metralhadoras e baionetas, modernamente, o também chamado “golpe branco” é uma atualização que dispensa militares para a mesma finalidade: golpear a vontade popular, destituindo governantes eleitos e substituindo-os por vassalos a serviço de Washington!

Também importa ressaltar nesse conluio do caso brasileiro o papel de grupos neofascistas como MBL (Movimento Brasil Livre), Vem Pra Rua e Revoltados Online, que financiados por grupos estadunidenses (6), somam-se ao consórcio já citado. Esses grupos têm seu DNA vinculado às chamadas “Jornadas de Junho”, gigantescas passeatas inicialmente convocadas pela extrema esquerda, sob o comando do grupo estudantil “Passe Livre”, que reivindicava melhorias na mobilidade urbana e gratuidade dos transportes em São Paulo. Rapidamente a revolta se tornou nacional e foi apropriada e hegemonizada pela extrema direita.

Atualmente estes três grupos são os principais organizadores dos protestos de rua em todo o país. Assim, o que parecia ser uma rebelião espontânea das massas se metamorfoseou em hordas Nazifascistas verde-amarelas amplificadas pela mídia hegemônica, que atua na destruição moral, ética e pessoal dos líderes do projeto progressista no país e na maioria do campo da esquerda, contribuindo para a ressuscitação do anticomunismo, discurso e prática muito eficiente durante a guerra fria. Percebe-se que para além das vias judiciais e parlamentares e suas extravagâncias, para se efetivar, o golpe de Estado nesta nova roupagem, precisa conquistar corações e mentes, causar revolta e comoção popular (7).

Os referidos grupos – que contam com variantes similares em nível local e regional – atuam na criminalização da política, em sua negação enquanto mecanismo primaz para a convivência social democrática. Parece que o jarro de Pandora foi aberto e dele saem esqueletos que já se imaginavam mortos. Os ovos da serpente do Nazifascismo, chocados pelo projeto golpista nos últimos anos agora parecem ter eclodido repentinamente e de forma incontrolável. Por isso, jargões do tipo “Fora todos”, “Ninguém me representa”, “São todos farinha do mesmo saco”, ”Militares no poder”, são vistos e ouvidos com frequência cada vez maior.
No roteiro golpista a radicalização de extrema direita surge como certo imprevisto para o consórcio jurídico-midiático-parlamentar. Possivelmente resultante de uma dose excessiva na receita do golpe, perdeu-se o controle das hordas teleguiadas nas ruas. Fenômeno que parece estar deixando atônitos os que se julgavam pilotos da boiada, pois os torpedos despejados diuturnamente contra as forças progressistas brasileiras, tal qual bumerangues, podem cair sobre suas cabeças também.

O fato concreto é que o Estado de Direito Democrático garantido pela Constituição Federal está seriamente ameaçado. Já sabemos quem são os culpados diretos por esse ocaso. O que ainda nos falta são prognósticos realistas sobre o que nos aguarda num futuro próximo. Se a história pode nos fornecer exemplos, lembremo-nos de ocasiões similares, com o surgimento de “Salvadores da Pátria” e de Ditadores que a situação possibilita; no Brasil já tivemos Collor de Mello ilustrando o primeiro caso, e no que tange ao segundo, alguém se lembrará de um senhor austríaco, de bigode esquisito, que sonhava ser pintor quando jovem… Ao mesmo tempo, teremos sempre o exemplo dos soviéticos resistindo heroicamente e vencendo a batalha mais sangrenta da história contra os nazistas em Stalingrado!

1 – Eduardo Guimarães. “Se Brasil não quiser mesmo fim de Grécia e Espanha, fuja do PSDB”. http://www.blogdacidadania.com.br/2015/06
2 – “ONU: Ucrânia Oriental tem mais de 1,5 milhão de pessoas famintas”. http://www.vermelho.org.br/noticia/278760-9
3 – Luis Nassif e Patricia Faermann. Entrevista. “Da Primavera Árabe ao Brasil, como os EUA atuam na geopolítica”. http://jornalggn.com.br/noticia.
4- Idem.
5 – Idem.
6 – “MBL recebe financiamento de petrolíferas americanas dos irmãos Koch”. http://www.plantaobrasil.net/news.asp?nID=93624
7 – “Mídia continua o massacre: o alvo é depor Dilma e destruir a esquerda”. http://ujs.org.br/index.php/noticias

SERGIO NEGRI UFMT ROO NA PAGINA DO ENOCK

SÉRGIO NEGRI é Professor da UFM/Campus de Rondonópolis – Doutor em Geografia Humana; Presidente Municipal do PCdoB e Membro da Coordenação do Fórum Popular em Defesa da Democracia de Rondonópolis. E-mail: [email protected]

Categorias:Cidadania

3 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.41.95.228 - Responder

    O erro do Brasil foi se vincular a uma Vaca.

    Esqueceram que o destino inexorável de toda Vaca é ir para o brejo.

    Assim, o melhor é deixar que a Vaca siga para o brejo sozinha.

  2. - IP 191.33.164.59 - Responder

    “LOUCO DELIRANTE;FUMOU MACONHA ESTRAGADA”!

  3. - IP 177.4.189.130 - Responder

    Graças a Deus!!! Fora PT, Dilma, Lula e toda a sua corja…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

9 + cinco =