PMs e bombeiros foram à luta e convenceram o governador Silval a abrir rodada de negociação, nesta quinta (15). Categoria mostrou garra lotando o Ginásio Verdinho, fazendo caminhada e lotando também as galerias do plenário da Assembleia Legislativa. Mobilização atraiu até “militares de pijama”, como o histórico coronel Altair Magalhães, ex- comandante geral da PM

Sob comando da Associação de Cabos e Soldados, Assoade e Assof,  policiais militares  e bombeiros lotaram o Ginásio do Verdinho, em Cuiabá, e depois fizeram caminhada até a Assembleia Legislativa. Foto de Vanessa Moreno

Sob comando da Associação de Cabos e Soldados, Assoade e Assof, policiais militares e bombeiros lotaram o Ginásio do Verdinho, em Cuiabá, e depois fizeram caminhada até a Assembleia Legislativa. Fotos de Vanessa Moreno

O Governo do Estado vinha negaceando. Não queria negociar com bombeiros e policiais militares a reestruturação salarial pelas quais eles estão mobilizados. Depois da massiva assembleia que aconteceu em Cuiabá nesta terça-feira (13), parece que o jogo está virando, devido à forte manifestação dos militares, das unidades de Cuiabá e Várzea Grande. Antes dessa, assembleias regionalizadas foram organizadas em Cáceres, Rondonópolis, Barra do Garças e Sinop.

O saldo é que uma reunião com o governador Silval Barbosa foi marcada para a próxima quinta-feira (15), no gabinete do governador, às 15 horas. Devem estar presentes, dois comandantes, um da Polícia Militar e o outro do Corpo de Bombeiros, além dos representantes das associações que estão à frente do movimento –  a Associação de Cabos e Soldados, comandada pelo cabo Adão Martins,  a Assoade, comandada pelo sargente Luciano Esteves  e a Assof, comandada pelo major Wanderson Nunes de Siqueira. Os deputados que apoiam a luta também estão convidados s participar, bem como o secretário de segurança pública Alexandre Bustamante.

Durante a última reunião de apresentação da proposta realizada nesta terça-feira no Ginásio Verdinho em Cuiabá, mais de 1.200 militares estiveram presentes, lutando juntos com suas associações por um melhor salário e por condições dignas de trabalho.

Depois, a tropa militante ainda teve garra para se dirigir em caminhada à Assembleia Legislativa para cobrar o apoio dos deputados estaduais.

Para PMs e bombeiros foi uma terça-feira gorda. Um dia de vitória.

 

"A gente não pode parar nunca". Presente na manifestação, o coronel Altair das Neves Magalhães, um dos mais respeitados oficiais que já atuou como Comandante Geral da Policia Militar de Mato Grosso

“A gente não pode vacilar nunca, quando o dever nos chama”. Presente na manifestação, o coronel Altair das Neves Magalhães, da ala dos aposentados, mas que se mantém como um dos mais respeitados oficiais PMs do Estado, já tendo atuado como Comandante Geral da Policia Militar de Mato Grosso

Organizadores calcularam que mais de mil e duzentos militares estiveram no Ginásio do Verdinho, nesta terça-feira

Organizadores calcularam que mais de mil e duzentos militares estiveram no Ginásio do Verdinho, nesta terça-feira

PMs assembleia

PMs assembleia 2

PMs 4

 

 

3 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.87.159.25 - Responder

    Merecem o que revindicam!!! Salários do servidores do “pequeno” escalão, vulgo ralezada esta defasado!!! o que pode gerar concretude de alguns ditados populares: “A ocasião faz o ladrão” Salario baixo é vazão pra ilegalidade.

  2. - IP 200.193.207.132 - Responder

    Ladrão sempre será ladrão, ganhando pouco ou muito, ladrão é ladrão na Pouca Merda ou numa facção qualquer. LADRÃO É LADRÃO!

  3. - IP 177.203.33.36 - Responder

    Na hora que ameaçarem com “greve”, o senhor Governador tem a opção de buscar ajuda e segurança junto à Força Nacional de Segurança. Depois determinar a prisão dos presidentes da associação e da cúpula da PM porque não se pode admitir a quebra da disciplina e muito menos tolerar a violação da Constituição da República. E não devemos esquecer a orientação, dessa gente, de que “lugar de bandido é na cadeia”…

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

4 × 3 =