PREFEITURA SANEAMENTO

OUVIDOR DA PREFEITURA DE CUIABÁ: Cargo não pode se tornar presente do prefeito aos seus aliados, diz presidente da ONG Moral. 52 entidades assinaram moção de repúdio. Leia a moção aqui.

52 entidades do movimento social, comandadas pela Ong Moral, entregaram, na prefeitura, manifesto em que repudiam o processo de escolha do novo ouvidor da Prefeitura de Cuiabá. O documento foi protocolado por Bruno Boaventura, Paulo Lemos e Helena Bortolo.

52 entidades do movimento social, comandadas pela Ong Moral, entregaram, na prefeitura, manifesto em que repudiam o processo de escolha do novo ouvidor da Prefeitura de Cuiabá, Jairo Rocha. O documento foi protocolado por Bruno Boaventura, Paulo Lemos e Helena Bortolo.

Cargo não pode se tornar presente do prefeito aos seus aliados, diz presidente da ONG Moral

Ato político foi realizado nesta quarta-feira (09) na Prefeitura Municipal de Cuiabá

TARLEY AURÉLIO DE CARVALHO
ISSOÉ NOTICIA

Após o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana do Estado de Mato Grosso (CDDPH-MT) reprovar o último processo de escolha do novo ouvidor-geral de Cuiabá, a ONG Moral (Movimento Organizado pela Moralidade Pública e Cidadania), também, entrou na lista de organizações contrárias a nomeação do ex-petista Jairo Rocha.

O presidente da organização, Bruno Boaventura, esteve na manhã desta quarta-feira (08) na Prefeitura de Cuiabá, acompanhado do advogado Paulo Lemos, para entregar ao prefeito Mauro Mendes (PSB) uma moção de repúdio.

De acordo com a ONG, o processo violou os princípios da administração pública da impessoalidade, legalidade e moralidade.

Desde que Mauro Mendes nomeou o ex-petista, no último dia 20 de setembro, questionamentos sobre supostas irregularidades estão sendo feitas por entidades e lideranças. O primeiro a fazer tais questionamentos foi o advogado, e também ouvidor-geral, Paulo Lemos.

A ONG Moral, que encabeça a moção de Repúdio, reuniu 52 assinaturas em apoio à causa. São grupos de estudo, direitos humanos, estudantes, movimentos sociais. Assinam também a Comissão Pastoral da Terra e o Conselho Nacional do Laicato do Brasil, ambos ligados à Igreja Católica.

Em entrevista ao Isso É Notícia, o coordenador da ONG, Bruno Boaventura, informou que o objetivo da moção é anular a nomeação. “A expectativa é que aconteça a anulação. Nós vamos judicializar, até sexta-feira o processo estará aberto. O cargo na ouvidoria não pode se tornar só mais um cargo comissionado, só mais um presente do prefeito aos seus aliados”, disse.

Outro lado

Em uma nova entrevista ao Isso É Notícia, Jairo Rocha manteve suas respostas. “O rito da lei foi cumprido. Fui apoiado pelo Fecomércio e por várias outras entidades. Sobre os questionamentos que estão sendo feitos eu respeito e não vejo problema algum, faz parte da democracia e se quiserem me chamar para conversar, eu estou à disposição”.

Em defesa a Rocha, o advogado Vilson Nery afirmou que uma vez que o debate se iniciou na Câmara Municipal de Cuiabá, a população precisa estar atenta, pois “o que os vereadores combatem pode ser coisa boa”.
Vilson cita, também, que o medo dos vereadores ao ver o nome de Jairo Rocha na ouvidoria talvez seja porque, com uma gestão eficiente, a figura do vereador passe a ser reconhecida como desnecessária.

CDDPH-MT reprova processo de escolha do novo ouvidor-geral de Cuiabá

“Fui indicado pela Fecomércio e tive apoio de centrais sindicais”, rebate Rocha sobre denúncias

Leia a Moção apresentada hoje:

A ONG Moral aprovou Moção de Repúdio ao último processo de escolha do Ouvidor da Ouvidoria Geral do Município de Cuiabá/MT, uma vez que o processo foi realizado violando os princípios da Administração Pública da impessoalidade, legalidade e moralidade administrativa, além do texto expresso do §3º do artigo 1º da Lei Complementar 137/06, que assegura à sociedade civil, sem discriminação ou favorecimento de entidades ou classes sociais, a prerrogativa de indicar lista tríplice, com os nomes, para o Prefeito escolher um e nomeá-lo.

Acontece que, o Prefeito de Cuiabá editou o Decreto nº 5.337/13, restringindo e direcionando a participação da sociedade civil para apenas dez entidades, sendo a maioria delas classificadas como autarquias atípicas, e outras patronais, portanto, de legitimidade duvidosa para participarem do pleito. Deixou de fora inúmeras organizações populares e sociais, como os vários sindicatos de trabalhadores, associações estudantis, associações de usuários dos serviços públicos e de consumidores, associações de bairros e pastorais sociais.

Mais grave ainda: o mesmo Decreto ilegal criou uma Comissão de Governo, censora, sem respaldo na lei, para formação e indicação da lista tríplice, usurpando a prerrogativa legal das entidades da sociedade civil em fazê-los.

A entidade considera muito grave esse tipo de comportamento do prefeito Mauro Mendes, e alerta que a sociedade civil deverá estar muito atenta à essa administração, já que desde o início demonstra falta de respeito à sociedade e às leis.

A Ong Moral conclama as demais entidades da sociedade civil a subscreverem a presente Moção, para demonstrar efetivamente a insatisfação geral com o comportamento da Prefeitura Municipal de Cuiabá.

Cuiabá/MT, 02 de outubro de 2013.

 

Subscrevem esta Moção as seguintes entidades e pessoas:

 

1. Movimento Organizado Pela Moralidade Pública e Cidadania (Moral)

2. Associação Brasileira de Homeopatia Popular (ABHP)

3. Associação dos Cabos e Soldados da Polícia e Bombeiro Militar do Estado de Mato Grosso (ACSPMBM/MT) 

4. Associação dos Procuradores Autárquicos e Fundacionais de Mato Grosso (APAF/MT)

5. Associação dos Servidores da Secretaria de Estado e Infraestrutura de Mato Grosso (ASSINFRA)

6. Associação dos servidores Públicos da Carreira dos Profissionais do Desenvolvimento Econômico e Social do Estado de Mato 7. Grosso (ADES/MT)

8. Centro Brasileiro de Estudos Sociais e Políticos (CEBESP)

9. Centro Burnier de Fé e Justiça

10. Centro de Direitos Humanos Dom Máximo Biennès

11. Centro de Direitos Humanos Henrique Trindade

12. Círculo pela Paz

13. Coletivos Jovens de Meio Ambiente de Mato Grosso (CJMT)

14. Comissão Pastoral da Terra (CPT)

15.  Comitê Popular do Rio Paraguai

16. Conselho de Defesa dos Direitos de Pessoa Humana (coletivos sociais)

17. Conselho Nacional do Lacaito do Brasil (CNLB/MT)

18. Diretório Central dos Estudantes da Universidade de Cuiabá (DCE/UNIC)

19. Diretório Central dos Estudantes da Universidade de Várzea Grande (DCE/UNIVAG)

20. Escritório de Direitos Humanos da Prelazia de São Félix do Araguaia

21. Federação Mato-grossense das Associações de Bairro (FEMAB)

22. Fórum de Direitos Humanos e da Terra de Mato Grosso

23. Fórum Mato-grossense de Meio Ambiente e Desenvolvimento (FORMAD)

24. Grupo de Estudos, Educação e Merleau-Ponty

25. Grupo de Trabalho Mobilização Social (GTMS)

26. Grupo de Pesquisas, Movimentos Sociais e Educação (GPMSE)

27. Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte (GPEA-UFMT)

28. Grupo Raízes

29. Instituto Caracol (iC)

30. Instituto Mato-grossense de Defesa do Consumidor (IDC)

31. Instituto Humana Raça Fêmina (INHURAFE)

32. Instituto Pastoral de Educação em Saúde Popular (IPESP)

33. Movimento dos Mutuários da Habitação

34. Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH)

35. Projeto RuAÇÂO

36. Rede da Juventude pelo Meio Ambiente e Sustentabilidade (REJUMA)

37. Rede Mato-Grossense de Educação Ambiental (REMTEA)

38. Sindicato dos Investigadores da Polícia Civil de Mato Grosso (SIAGESPOC)

39. Sindicato dos Peritos Papiloscópicos de Mato Grosso (SINPP/MT)

40. Sindicato dos Profissionais da Área Istrumentall do Governo do Estado de Mato Grosso (SINPAIG)

41. Sindicato dos Técnicos da Educação Superior da UNEMAT (SINTESMAT)

42. Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Agrícola, Agrário, Pecuário e Florestal do Estado de Mato Grosso (SINTAP/MT)

43. Sindicato dos Trabalhadores em Pesquisa, Assistência e Extensão Rural do Estado de Mato Groso (SINTERP/MT)

44. Sociedade Fé e Vida

45. Ademar Adams – Jornalista e militante no combate à corrupção

46. Antonio Cavalcante Filho – Coordenador do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral em Mato Grosso (MCCE-MT)

47. Dalete Soares de Souza – Conselheira do Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH)

48. Helton Samudio – Vice-Presidente da União Estadual dos Estudantes de Mato Grosso (UEE-MT)

49. Janete Peruca da Silva – militante da advocacia popular e advogada em São Paulo/SP

50. Paulo Lemos – ouvidor externo, advogado eleitoralista, administrativista e militante de direitos humanos, com ênfase na pauta da cidadania.

51. Rubens Pinto Lyra – Escritor, Conferencista, Professor e Presidente do CEBESP

52. Viviane Gomes – Conselheira Nacional de Juventude e integrante da Confederação de Mulheres do Brasil

 

Categorias:Direito e Torto

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.64.235.119 - Responder

    Hummmm…..já entendi, o Ademar Adams tinha negociado essa boquinha com Mauro Mendes, mas a turma do Mauro refutou o pelego, agora o ” sem boquinha” Ademar apela para seus companheiros da ONG Imoral. Isso é ladeira a abaixo

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

dois × 4 =