“Veja” adota jornalismo de perfil nazifascista

CIENTISTA SOCIAL DIZ QUE VEJA DEIXOU DE SER FASCISTA PARA VIRAR NAZISTA

:

“A capa da veja dessa semana não deixa dúvidas. Não se trata mais de uma publicação fascista. Acho que já se trata de uma publicação nazista”, disse o cientista social Robson Sávio Reis Souza, ao comentar a capa em que o ex-presidente Lula foi vestido de presidiário; “em nome de uma pseudo liberdade de imprensa, atenta contra direitos constitucionais, afrontado o estado democrático de direito, ao arrepio das leis”, diz ele

247 – “A capa da veja dessa semana não deixa dúvidas. Não se trata mais de uma publicação fascista. Acho que já se trata de uma publicação nazista”, disse o cientista social Robson Sávio Reis Souza, em seu Facebook.

Confira abaixo:

A capa da veja dessa semana não deixa dúvidas. Não se trata mais de uma publicação fascista. Acho que já se trata de uma publicação nazista. Por que nazista?

1. Ao fazer julgamentos e impor condenações, sem provas, sem direito a defesa e contraditório, usurpa da ordem constitucional, que possui órgãos institucionais encarregados de processarem a justiça.

2. Em nome de uma pseudo liberdade de imprensa, atenta contra direitos constitucionais, afrontado o estado democrático de direito, ao arrepio das leis.

3. É um panfleto totalitário: seus produtores, agem com bestial autoritarismo [porque além de se postarem como superiores, são autocentrados; manipulam informações para destilarem um ódio descomunal contra alguns grupos sociais e não conseguem mais respeitar princípios básicos da civilidade]. Ademais, julgam-se donos absolutos da verdade e, portanto, querem impor a qualquer custo essa verdade, além de tentar doutrinar seus seguidores, inoculando-lhes, em doses cavalares, o veneno desse ódio mortal.

4. É até mesmo antiliberal: sequer respeita princípios basilares dos direitos individuais, além de eliminar qualquer possibilidade de reconhecimento da diversidade étnico-política e cultural do país.

5. Ostenta teses militaristas, ao impor um modo único de pensamento,um modelo único de organização social, uma hierarquia verticalizada de comando, segregando/rotulando/excluindo e promovendo uma caça às bruxas, com tentativas de erradicação de todos(as) e tudo que é diferente de seu fundamentalismo político-ideológico.

6. Por fim, expressa um nacionalismo de extrema-direita, porque advoga claramente que um determinado segmento [e/ou elite política] é detentor natural dos rumos e destinos da nação e que qualquer subversão a essa ordem (natural, quase de base divina) é ilegítima e, portanto, deve ser combatida com requintes de perversão.

É preciso, em nome da democracia, dar um basta nesse folhetim que flerta com teses nazistas a cada nova edição…

 

———-

O FOGO ALTERNADO CONTRA LULA E DILMA

“Em conversas com parlamentares do PT Lula chamou a atenção para o fogo alternado dos adversários: sempre que a manobra golpista do impeachment perde força, o fogo sobe contra ele. E assim segue a pancadaria, ora alvejando Dilma, ora golpeando Lula, com o objetivo resumido por Gilberto Carvalho: levá-lo à prisão e tirá-lo da disputa de 2018”, informa a colunista Tereza Cruvinel, ao comentar as capas de Veja e Época deste fim de semana; “E quanto mais Dilma sair do foco, mais pesado o fogo descerá sobre Lula, seus parentes e auxiliares.  Sem o impeachment, a prioridade absoluta passa a ser não deixar Lula voltar”; confira a íntegra:

O fogo alternado contra Lula e Dilma

POR TEREZA CRUVINEL – BRASIL 247

:

Quando avisou que estava pronto para a pancadaria e que irá sobreviver a ela, no discurso de quinta-feira na reunião do Diretório Nacional do PT, o ex-presidente Lula já esperava pelos ataques deste final de semana: o da revista Veja que o colocou na capa vestido de presidiário e o de Época, sobre relatório do COAF sobre suas movimentações financeiras, vazado ilegalmente para Veja em agosto passado.  Em conversas com parlamentares do PT Lula chamou a atenção para o fogo alternado dos adversários: sempre que a manobra golpista do impeachment perde força, o fogo sobe contra ele. E assim segue a pancadaria, ora alvejando Dilma, ora golpeando Lula, com o objetivo resumido por Gilberto Carvalho: levá-lo à prisão e tirá-lo da disputa de 2018.

Relativamente à denúncia de Época, o Instituto Lula divulgou nota criticando os métodos jornalísticos da revista, que buscou “ouvir” o instituto mas negou-se a confirmar que estava se baseando no relatório do COAF. Sobre a movimentação financeira da empresa de palestras de Lula, a LILS, a nota repete o que foi dito em agosto, quando a revista Veja divulgou o mesmo relatório.   Não há nada de ilegal na movimentação financeira do ex-presidente. Os recursos são oriundos de atividades profissionais, legais e legítimas de quem não ocupa nenhum cargo público: os valores mencionados no vazamento ilegal se referem a 70 palestras contratadas por 41 empresas diferentes, listadas no link acima. Todas palestras realizadas, contabilizadas e com os devidos impostos pagos. Tem palestra até para a Infoglobo, do mesmo grupo de comunicação que edita a revista Época.”

Mas em agosto a conjuntura era outra, quem estava no alvo era Dilma: os movimentos pró-impeachment realizaram naquele mês os últimos protestos significativos, sobretudo em São Paulo.  A base seguia rota no Congresso e a economia em desarranjo. O governo apresentou o orçamento de 2016 deficitário, o que levou ao rebaixamento da nota de crédito do Brasil. Desde então a bandeira do impeachment passou a ser sustentada basicamente pela oposição, no Congresso. Na rua, o movimento se restringe aos “taradinhos do impeachment”, tomando aqui emprestada a expressão cunhada por Jânio de Freitas. Eles agora deram para se amarrar às colunas do São Verde, graças à liberalidade de Eduardo Cunha. Em outros tempos, nem prefeitos sem gravada podiam transitar pelo nobre salão parlamentar.

Em agosto o relatório do COAF, apresentado por Veja,  teve pouco impacto no meio da fuzilaria contra Dilma. Agora o relatório ressurge no momento mais agudo da caçada a Lula: seu filho é investigado pela Operação Zelotes enquanto ele mesmo enfrenta a investigação do Ministério Público sobre a relação com Odebrecht no exterior, afora a delação de Fernando Baiano na Lava Jato, gerando a suspeita de que o empresário Bumlai possa ter usado o nome do amigo presidente para obter “empréstimo” junto ao operador do PMDB.  Estão excitados os caçadores, tanto quanto seus cães bem treinados e incrustados no próprio aparelho de Estado.

Enquanto isso, a balão do impeachment murcha a olhos vistos. A pesquisa Datafolha realizada entre deputados, ainda que tenha limitações na sua aferição, pois foi pouco expressiva a parcela dos que aceitaram responder, mostra que o governo tem votos para enfrentar a votação da autorização do processo na Câmara. Com a reforma ministerial Dilma conseguiu montar um “núcleo duro” que alcança o um terço da Casa, ou 171 votos necessários para barrar o impeachment. Tal núcleo é composto por PT, PC do B, PDT, alguns votos da Rede e do PSOL, e parcelas do PMDB, PSD, PP e outros. O governo anda até animado a enfrentar logo este tigre para se livrar logo dele.

Ademais, Eduardo Cunha continua jogando com habilidade e ninguém sabe hoje, com certeza, que decisão ele tomará em relação ao pedido, agora que a decisão é única e exclusivamente dele, com a revogação do rito alvejado pelas liminares do STF.  Se concluir que o governo tem votos para barrar o impedimento, ele pode até mesmo desistir de aceitar o pedido da oposição, por que não?

E quanto mais Dilma sair do foco, mais pesado o fogo descerá sobre Lula, seus parentes e auxiliares.  Sem o impeachment, a prioridade absoluta passa a ser “não deixar Lula voltar”.

——

Charges do final de semana

19986_993919707297829_7069930545917227458_n

As revistas semanais, como de praxe, vieram babando ódio e rancor.

A gente responde com risada.

Bom final de semana para todos!

12065920_993899420633191_1117319928981212438_n

———–

Lula desmonta factoide “requentado” de Época: Manipula dados, não respeita contraditório e engana os leitores; vende como “exclusivo” tema já tratado por sua concorrente ainda mais mentirosa

DO BLOGUE VIOMUNDO

época

NOTA À IMPRENSA

O lado escuro do ”outro lado” no jornalismo sensacionalista de Época

31/10/2015 08:53

da Assessoria de Imprensa do Instituto Lula 

A revista Época especializou-se em distorcer e manipular documentos, muitos deles vazados de forma ilegal, para difamar e caluniar o ex-presidente Lula. Esta semana, a revista, e o autor da matéria, Thiago Bronzatto, fazem isso novamente.

A revista não tem interesse em entender ou reportar os fatos de forma fiel, quer apenas construir ilações. Não tem o que se chama de jornalistas investigativos: são apenas redatores sensacionalistas, operando documentos vazados ilegalmente. Não apresenta fatos, quer apenas especular e fazer barulho em cima de tais documentos, tentando criar factoides políticos, vender mais revista e fazer audiência em redes sociais.

Não respeita o contraditório e engana os leitores, vendendo como “novidade” matérias requentadas. Por exemplo, colocando a tarja “Exclusivo” na capa desta semana, para um tema tratado em agosto por sua concorrente mais famosa e ainda mais mentirosa.

Para simular que ouve o “outro lado”, quase toda sexta-feira envia à assessoria do Instituto Lula burocráticos e-mails com perguntas cifradas, que escondem tema principal da matéria e o teor das ilações. A essa altura da produção da revista, as teses e especulações já estão prontas e, muitas vezes, até divulgadas no twitter do editor-chefe.

Nestes e-mails, seus jornalistas disfarçam ou sonegam informações necessárias para as respostas adequadas, como aconteceu mais uma vez nesta sexta-feira. Procurada pelo repórter Thiago Bronzatto, com perguntas que remetiam a um relatório do Coaf vazado de forma ilegal para a revista Veja, em agosto, a assessoria de imprensa do Instituto Lula perguntou diretamente: “É sobre o relatório do Coaf que a Veja já deu em agosto?”. O repórter de Época se recusou a esclarecer essa questão simples. Pior: ele mentiu, associando as perguntas a diferentes operações da Polícia Federal e Ministério Público, quando na matéria ele diz, e não dá para saber se é verdade também, que obteve o documento através da CPI do BNDES.

A questão não é menor: existe hoje uma investigação sobre o vazamento das informações desse relatório do COAF. O ex-presidente Lula e a empresa LILS solicitaram ao Ministério da Justiça, ao Ministério da Fazenda e à Procuradoria-Geral da República que apurem, na competência de cada instituição, as responsabilidades pela violação criminosa do sigilo bancário da empresa de palestras criada por Lula após deixar a presidência da República, a LILS.

No e-mail, o repórter já criminaliza os fatos, ao dizer que Lula teria feito “operações atípicas” no “mercado segurador”. Na realidade Lula apenas adquiriu um plano de previdência privada com o dinheiro ganho em palestras. É isso que informa o relatório do COAF, vazado criminosamente para Veja e requentado pela Época.

Numa apuração honesta, não era necessário perguntar nada ao Instituto Lula; bastaria conferir a nota que emitimos em 18 de agosto.

Não há nada de ilegal na movimentação financeira do ex-presidente. Os recursos são oriundos de atividades profissionais, legais e legítimas de quem não ocupa nenhum cargo público: os valores mencionados no vazamento ilegal se referem a 70 palestras contratadas por 41 empresas diferentes, listadas no link acima. Todas palestras realizadas, contabilizadas e com os devidos impostos pagos. Tem palestra até para a Infoglobo, do mesmo grupo de comunicação que edita a revista Época.

Se Época acha que o valor pago é alto, poderia perguntar à direção do Infoglobo, que pagou o valor da palestra e que explicou, no jornal O Globo, que o fez por “participar de iniciativas que contribuem para o desenvolvimento e a promoção do Rio de Janeiro. Em 2013, com esse objetivo, a empresa apoiou a Fecomércio-RJ na realização de um seminário sobre o mapa do comércio no Estado do Rio. Além de divulgar o evento em seus jornais, a Infoglobo arcou com os custos dos palestrantes, inclusive do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.”

Fazer palestras para uma empresa não implica em nenhuma outra relação e é uma prestação de serviço pontual que mantém a total independência do ex-presidente em relação ao contratante. Tanto que o ex-presidente ter feito uma palestra para a Infoglobo não o impede, ou sua família ,de mover processos contra o jornal, por exemplo, pela mentira contra o filho do ex-presidente publicada por Lauro Jardim em sua estreia em O Globo, na capa dominical do diário.  Mentira pela qual até hoje, nem o colunista nem o jornal se retrataram publicamente.

Jornalistas de Época caluniam, mais uma vez, ao chamar Lula de lobista e já estão sendo processados por isso na justiça, junto com o editor-chefe Diego Escosteguy.

Sobre a patética campanha de parte da imprensa tradicional e familiar brasileira contra Lula e sua família, que só esse mês rendeu 5 capas ofensivas de revistas semanais contra ele, o ex-presidente, com tranquilidade, declarou na última quinta-feira em Brasília:

“Eu só queria que vocês não ficassem preocupados com esses problemas porque digo sempre: ninguém, podem ter certeza, ninguém precisa ficar com pena. Se tem uma coisa que aprendi na vida é enfrentar adversidades. Podem ter certeza. Se o objetivo é truncar qualquer perspectiva de futuro, então vão ser três anos de muita pancadaria. Três anos. E podem ficar certos: eu vou sobreviver. Não sei se eles sobreviverão com a mesma credibilidade que eles acham que tem. Mas eu vou sobreviver.”

ÍNTEGRA DA TROCA DE E-MAIL COM THIAGO BRONZATTO, FUNCIONÁRIO DA REVISTA ÉPOCA

Thiago Bronzatto – Redação Época Brasília – Editora Globo [email protected]
30 de outubro de 2015, 11:25

Caros,

Tudo bem?

Estamos fazendo uma matéria para a próxima edição da revista ÉPOCA na qual mencionaremos o ex-presidente Lula. Vocês poderiam, por favor, me ajudar a esclarecer as dúvidas abaixo?

1-) No âmbito da operação Zelotes, foram identificados repasses de recursos da empresa L.I.L.S. para os filhos do ex-presidente e as suas respectivas empresas. Qual a razão dessas transferências?

2-) Qual a posição do ex-presidente Lula em relação à intimação da PF para ouvir o seu filho Luis Cláudio?

3-) No âmbito das investigações da Lava Jato e do MPF, há informações de que Lula tenha realizado movimentações financeiras no mercado segurador consideradas atípicas. O ex-presidente tem conhecimento disso? Qual a sua posição?

Estamos fechando hoje às 16h. Qualquer dúvida, estou nos contatos abaixo.

Aproveito este e-mail para reiterar o pedido de entrevista presencial com o ex-presidente Lula, enviado no dia 29 de junho deste ano, conforme sugerido pelo próprio Instituto Lula em nota publicada em seu site. Até agora, não tive nenhuma resposta sobre a minha demanda.

Abraço e obrigado,

 

Resposta da Ass. De Imprensa do Instituto Lula [email protected]
30 de outubro de 2015, 13:25

Caro Thiago,

É sobre o relatório do Coaf que a Veja já deu em agosto?

Att,

 

Thiago Bronzatto às 13:29

Caro,

Trata-se de matéria diferente, como você deve ter percebido em nossas perguntas.

Abraço,

Thiago

Ass. De Imprensa Instituto Lula às 13:54

Caro,

Que é outra matéria é óbvio. O tempo espaço impede que uma matéria da Época em outubro seja a mesma da Vejaem agosto. Seria até plágio.

O documento base, o qual você não identifica, nem explica, como é habitual nos seus “outros lados”, parece o mesmo, pelas perguntas 1 e 3. Como não tenho certeza ser o mesmo, perguntei. E você não respondeu.

Sobre esse documento, há uma investigação em curso sobre o vazamento das informações nele, que estavam sob sigilo de justiça.

A Veja fez até um infográfico com ele na época, com perdão do trocadilho.

Tiago, a gente já respondeu ao seu pedido de entrevista faz tempo, você apenas falha em compreender isso e faz esse copiar-colar toda a sexta-feira. Não haverá entrevista para a Época, porque a revista é considerada um lixo, como foi publicamente dito. E pela existência de ações judiciais e a necessidade de correções factuais em matérias anteriores que a revista Época, e você especificamente, jamais fizeram.

Atenciosamente,

Thiago Bronzatto, às 14:02

Caro, eu gostaria apenas que você respondesse objetivamente as minhas questões. Posso considerar o seu e-mail como resposta oficial da assessoria de imprensa do Lula?

Abraço,

Thiago

Assessoria de Imprensa do Instituto Lula, às 14:19

Caro Thiago,

E eu gostaria apenas que você fizesse matérias de forma objetiva, imparcial, sem sensacionalismo e com correção factual. E também com  a devida checagem de informações, sem pegadinhas e realmente interessado em ouvir o outro lado. Mas como dizem os Rolling Stones, você não pode ter sempre o que você quer.

Todos os meus e-mails para você, assim como todas as suas mensagens para mim, podem se tornar públicos a qualquer momento que você quiser ou que nós quisermos, como já fizemos em outras ocasiões.

Atenciosamente,

 

——————-

LEIA AGORA O QUE A REVISTA ÉPOCA PUBLICA ESTA SEMANA

s milionárias nas contas de Lula, Palocci, Pimentel e Erenice

Um relatório da agência do governo de combate à lavagem de dinheiro revela que os quatro, entre outros petistas, movimentaram quase meio bilhão de reais em transações com indício de irregularidades

THIAGO BRONZATTO

>> Trecho da reportagem de capa de ÉPOCA desta semana

Há duas semanas, analistas do Conselho de Controle de Atividades Financeiras, mais conhecido pela sigla Coaf, terminaram o trabalho mais difícil que já fizeram. O Coaf, subordinado oficialmente aoMinistério da Fazenda, é a agência do governo responsável por combater a lavagem de dinheiro no Brasil. Reúne, analisa e compartilha com o Ministério Público e a Polícia Federal informações sobre operações financeiras com suspeita de irregularidades. Naquela sexta-feira, dia 23 de outubro, os analistas do Coaf entregavam à chefia o Relatório de Inteligência Financeira 18.340. Em 32 páginas, eles apresentaram o que lhes foi pedido: todas as transações bancárias, com indícios de irregularidades, envolvendo, entre outros, os quatro principais chefes petistas sob investigação da PF, do Ministério Público e do Congresso.

Revista ÉPOCA - capa da edição 908 - O dinheiro suspeito (Foto: Revista ÉPOCA/Divulgação)

Eis o quarteto que estrela o relatório: Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República, líder máximo do PT e hoje lobista; Antonio Palocci, ministro da Casa Civil no primeiro mandato de Dilma Rousseff, operador da campanha presidencial de 2010 e hoje lobista;Erenice Guerra, ministra da Casa Civil no segundo mandato de Lula, amiga de Dilma e hoje lobista; e, por fim, Fernando Pimentel, ministro na primeira gestão Dilma, também operador da campanha presidencial de 2010, hoje governador de Minas Gerais. O Relatório 18.340, ao qual ÉPOCA teve acesso, foi enviado à CPI do BNDES. As informações contidas nele ajudarão, também, investigadores da Receita, da PF e do MP a avançar nas apurações dos esquemas multimilionários descobertos nas três operações que sacodem o Brasil: Lava Jato, Acrônimo e Zelotes. Essas investigações, aparentemente díspares entre si, têm muito em comum. Envolvem políticos da aliança que governa o país e grandes empresários. No caso da CPI do BNDES, os parlamentares investigam as suspeitas de que os líderes petistas tenham se locupletado com as operações de financiamento do banco, sobretudo as que beneficiaram o cartel de empreiteiras do petrolão.

SEGURO O ex-presidente  Lula e o relatório do Coaf (acima). Também foram identificadas operações de compra de títulos  de previdência  por R$ 6,2 milhões (Foto:  )

Ao todo, foram examinadas as contas bancárias e as aplicações financeiras de 103 pessoas e 188 empresas ligadas ao quarteto petista. As operações somam – prepare-se – quase meio bilhão de reais. Somente as transações envolvendo os quatro petistas representam cerca de R$ 300 milhões. Palocci, por exemplo, movimentou na conta-corrente de sua empresa de consultoria a quantia de R$ 185 milhões. Trata-se da maior devassa já realizada nas contas de pessoas que passaram pelo governo do PT. Há indícios de diversas irregularidades. Vão de transações financeiras incompatíveis com o patrimônio a saques em espécie, passando pela resistência em informar o motivo de uma grande operação e a incapacidade de comprovar a origem legal dos recursos.

FARTURA A empresa de Palocci movimentou as maiores quantias. O relatório (acima) mostra, entre seus clientes, a Caoa, suspeita de comprar uma medida provisória (Foto:  )
MISTÉRIO O governador Pimentel também fez aplicações de R$ 676 mil no mercado segurador sem prestar informações sobre a origem do dinheiro, segundo o Coaf (acima) (Foto:  )
LOBISTA Erenice, ex-ministra de Lula. Uma empresa de seu filho recebeu dinheiro de Fábio Baracat, suspeito de pagar propinas por contratos com o governo  (Foto:  )

O Coaf não faz juízo sobre as operações. Somente relata movimentações financeiras suspeitas de acordo com a lei e regras do mercado, como saques de dinheiro vivo na boca do caixa ou depósitos de larga monta que não tenham explicação aparente. O Coaf recebe essas informações diretamente dos bancos e corretoras. Eles são obrigados, também nos casos previstos em lei, a alertar o Coaf de operações “atípicas” envolvendo seus clientes. É obrigação do Coaf avisar as autoridades sobre operações suspeitas de crimes. A lavagem de dinheiro existe para esquentar recursos que tenham origem ou finalidade criminosa, como pagamentos de propina. Não cabe ao Coaf estipular se determinada transação é ilegal ou não. Cabe a ele somente informar a existência dessa transação às autoridades competentes, caso essa transação contenha características de uma operação de lavagem de dinheiro. Foi isso que o Coaf fez no caso do quarteto petista. Cabe agora à PF, ao MP e ao Congresso trabalhar detidamente sobre as informações reveladas pelo Coaf.

GRANDE FAMÍLIA Lula e família. Uma de suas empresas transferiu R$ 48 mil a Fernando Bittar, sócio de um dos filhos do petista e dono de um sítio abribuído ao ex-presidente (Foto:  )
FONTE  REVISTA EPOCA
———

Lula: o mito e as verdades

As investigações da Polícia Federal e do Ministério Público sobre casos de corrupção atingem filhos, parentes, amigos, amigos íntimos, amigas íntimas e ex-assessores do ex-presidente

Por: Daniel Pereira e Rodrigo Rangel, no site da revista VejaPARANOIA - Lula (de camiseta) e Dilma no Palácio da Alvorada: o ex-presidente acredita que é vítima de uma perseguição que contaria com o aval da presidente

PARANOIA – Lula (de camiseta) e Dilma no Palácio da Alvorada: o ex-presidente acredita que é vítima de uma perseguição que contaria com o aval da presidente(André Duzek/Estadão Conteúdo)

Oito anos na Presidência da República fizeram de Lula um mito. Ele escapou ileso do escândalo do mensalão, bateu recorde de popularidade, consolidou o Brasil como um país de classe média e elegeu uma quase desconhecida como sua sucessora. Os opositores reconheciam e temiam seu poder de arregimentação das massas. O líder messiânico, o novo pai dos pobres, o protagonista do primeiro governo popular da história do Brasil encontra-se atualmente soterrado por uma montanha de fatos pesados o bastante para fazer vergar qualquer biografia – até mesmo a de Lula. Investigações sobre corrupção feitas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público vão consistentemente chegando mais perto de Lula. Ele próprio é foco direto de uma dessas apurações. Do seu círculo familiar mais íntimo ao time vasto de correligionários, doadores de campanha e amigos, o sistema Lula é formado predominantemente por suspeitos, presos e sentenciados. Todos acusados de receber vantagens indevidas de esquemas bilionários de corrupção oficial.

O mito está emparedado em verdades. Lula teme ser preso, vê perigo e conspiradores em toda parte, até no Palácio do Planalto. Chegou recentemente ao ex­-presidente um raciocínio político dividido em duas partes. A primeira dá conta de que sua derrocada pessoal aplacaria a opinião pública, esse monstro obstinado, movido por excitação, fraqueza, preconceito, intuição, notícias e redes sociais. A segunda parte é consequência da primeira. Com a opinião pública satisfeita depois da punição a Lula, haveria espaço para a criação de um ambiente mais propício para Dilma Rousseff cumprir seu mandato até o fim. Nada de novo. A política é feita desse material dúctil inadequado para moldar alianças inquebrantáveis e fidelidades eternas.

Os sinais negativos para Lula estão por toda parte. Uma pesquisa do Ibope a ser divulgada nesta semana mostrará que a maioria da população brasileira condena a influência de Lula sobre Dilma. Some-se a isso o contingente dos brasileiros que até comemorariam a prisão dele, e o quadro fica francamente hostil ao ex-presidente. O nome de Lula e os de mais de uma dezena de pessoas próximas a ele são cada vez mais frequentes em enredos de tráfico de influência, desvios de verbas públicas e recebimento de propina. Delator do petrolão, o doleiro Alberto Youssef disse que Lula e Dilma sabiam da existência do maior esquema de corrupção da história do país. Dono da construtora UTC, o empresário Ricardo Pessoa declarou às autoridades que doou dinheiro surrupiado da Petrobras à campanha de Lula à reeleição, em 2006. O lobista Fernando Baiano afirmou que repassou 2 milhões de reais do petrolão ao pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula e tutor dos negócios dos filhos do petista. Baiano contou aos procuradores que, segundo Bumlai, a propina era para uma nora do ex-presidente. A relação de nomes é conhecida, extensa e plural – dela faz parte até uma amiga íntima de Lula. A novidade agora é que a lista foi reforçada por um novo personagem. Não um personagem qualquer, mas Luís Cláudio da Silva, um dos filhos do ex-presidente. O cerco está se fechando.

Com reportagem de Hugo Marques e Pieter Zalis

FONTE REVISTA VEJA

 

1 Comentário

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 189.59.46.134 - Responder

    Como que é!!!!???

    Pra prender o Lulla, precisa criar um “clima”!!!!??

    Então o Lulla está acima do Estado Democrático de Direito!!!!!!??

    Vocês, da esquerda, não conseguem perceber que qualquer pessoa pode e deve ser presa, sempre que estiverem presentes os requisitos constantes da Constituição Federal e do Código de Processo Penal.

    Acontecerá com o Lullão e seus familiares se os requisitos forem preenchidos.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

19 − 18 =