OPERAÇÃO ARQUEIRO: Depois de apreender documentos na secretaria que Roseli Barbosa comandava, Gaeco quer confirmar a suspeita de que os três institutos que mantinham vinculo com a Setas – Instituto de Desenvolvimento Humano (IDH), Concluir e Microlins – possam estar todos sob o controle do mesmo empresário Paulo César Lemes, que é Top of Mind mas teria usado o esquema para obter contratos milionários com a administração de Silval Barbosa e faturar quantia superior a R$ 20 milhões

O promotor de Justiça Marco Aurélio Castro, que comanda o Gaeco em Mato Grosso, a primeira dama e ex-secretaria titular da Setas Roseli Barbosa e o empresário Paulo Cesar Lemes, que aparece assinando convênio com o então secretário de Educação, Ságuas Moraes

O promotor de Justiça Marco Aurélio Castro, que comanda o Gaeco em Mato Grosso, a primeira dama e ex-secretaria titular da Setas Roseli Barbosa e o empresário Paulo Cesar Lemes, que aparece assinando convênio com o então secretário de Educação, Ságuas Moraes

Gaeco analisa documentos e suspeita de desvio de dinheiro

Centenas de documentos foram apreendidos na Setas, na tarde de terça-feira (29)

LISLAINE DOS ANJOS
DO MIDIANEWS

Os promotores de Justiça do Grupo Especial de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que coordenam a “Operação Arqueiro”, irão iniciar a análise das centenas de documentos e mídias (arquivos de computadores) que foram aprendidos na terça-feira (29), durante as buscas na sede da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social (Setas).

Durante mais de seis horas, eles vasculharam o gabinete do atual secretário, Jean Estevan de Oliveira, e várias salas da pasta.

Uma das linhas de investigação do Gaeco é confirmar, ou não, a suspeita de que os três institutos investigados – Instituto de Desenvolvimento Humano (IDH), Concluir e Microlins – pertençam ao mesmo empresário e foram usados para obtenção de contratos milionários com o Governo.

Ao MidiaNews, uma fonte do Gaeco afirmou que a investigação irá comprovar se o único crime cometido pelo grupo foi o de falsidade ideológica, com o propósito de vencer as licitações sem risco de concorrência, ou se também houve peculato (desvio de dinheiro público).

“Iremos confirmar se o serviço dos contratos firmados foram prestados, ainda que com qualidade duvidosa, ou se houve só o recebimento do pagamento sem que nada fosse executado” A fonte confirmou que o empresário que está sendo investigado é Paulo Lemes, proprietário das franquias da Microlins em Mato Grosso.

“Iremos confirmar se o serviço dos contratos firmados foram prestados, ainda que com qualidade duvidosa, ou se houve só o recebimento do pagamento sem que nada fosse executado”, afirmou a fonte.

Segundo o Gaeco, os institutos receberam quase R$ 20 milhões para a execução de cursos profissionalizantes, como o “Qualifica Mato Grosso” e “Copa em Ação”. O esquema envolveria, ao todo, nove pessoas – inclusive, servidores da pasta.

As investigações são feitas em conjunto com o Núcleo de Ações de Competência Originária da Procuradoria Geral de Justiça (Naco).

Os contratos foram firmados durante a gestão da primeira-dama e ex-secretária da pasta, Roseli Barbosa, que se afastou do cargo em 28 de fevereiro deste ano.

Desde o início da manhã desta quarta-feira (30), os promotores do Gaeco estão tomando depoimento de testemunhas ligadas à investigação.

Erros “grotescos”

As investigações do Gaeco tiveram início após a divulgação de erros grotescos em apostilas distribuídas em um curso de Atendente de Hotelaria e Turismo do programa “Qualifica Mato Grosso”, oferecido no Município de Santo Antônio do Leverger (27 km ao Sul de Cuiabá), por meio da Setas.

Nas apostilas, o resgate histórico sobre a criação de municípios de Mato Grosso foi distorcido. O curso servia como qualificação de profissionais para a Copa do Mundo.

As investigações apontam que as apostilas utilizadas no curso de hotelaria foram montadas por uma pessoa que possuía apenas o Ensino Médio completo e que teria copiado todo o conteúdo de páginas da internet – entre elas, o site “Desciclopédia”, uma sátira do site “Wikipedia”.

Em seu depoimento, ela confessou ter recebido R$ 6 mil para realizar o serviço.

Operação Arqueiro

Segundo o Gaeco, o nome da operação tem ligação direta com o alvo da investigação, a Setas, sigla que remete à flecha.

O nome dado a quem atira flechas é “arqueiro”, palavra de origem grega, sujo significado é “guardião”.

 

 

Franquia da Microlins, em Mato Grosso, controlada pelo empresário Paulo Cesar Lemes, que é Top of Mind, é colocada sob suspeição pelo Ministério Público Estadual, através do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) que investiga  contratos suspeitos celebrados por Secretária de Trabalhjo e Assistência Social do Governo de Mato Grosso

Franquia da Microlins, em Mato Grosso, controlada pelo empresário Paulo Cesar Lemes, que é Top of Mind, é colocada sob suspeição pelo Ministério Público Estadual, através do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) que investiga contratos suspeitos celebrados por Secretária de Trabalho e Assistência Social do Governo de Mato Grosso

 

———–

Instituto Concluir e IDH/MT são administrados pela mesma pessoa; Roseli Barbosa gastou quase R$ 20 milhões com os dois institutos em menos de um ano

 
Foto:VG Notícias


 

por Rojane Marta/VG Notícias

Estranha coincidência. Assim podem ser considerados os contratos milionários firmados entre a Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social (Setas), comandada pela primeira-dama do Estado, Roseli Barbosa e os Institutos Concluir e IDH/MT (Instituto de Desenvolvimento Humano de Mato Grosso).

O Instituto Concluir, que de 2012 a 2013 abocanhou mais de R$ 13 milhões de recursos da “Setas” – o mesmo responsável pela confecção das apostilas que ofenderam cidades de Mato Grosso -, tem como diretor administrativo Aroldo Portela – conforme informação divulgada nesta segunda-feira (03.06) pela Polícia Judiciária Civil.

No entanto, Portela, segundo consta em extratos de contratos divulgado pela Setas, na Imprensa Oficial, é presidente do IDH/MT – instituto que somente em 2013 recebeu R$ 4.351.919,20, e em 2012 recebeu R$ 493.432,85 – o que totalizam R$ 4.845.352,05, conforme portal de transparência do governo do Estado.

Fundado em 29 de fevereiro de 2000, o Instituto Concluir, de acordo com dados extraídos do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), fica localizado na avenida Fernando Correa da Costa, 2.218, bairro Jardim Petrópolis, em Cuiabá. Já o IDH/MT encontra-se na rua Vereador Jorge Vitzak, 286, bairro Cristo Rei, em Várzea Grande, e foi fundado em 16 de setembro de 2003.

As coincidências não param por aí. Ambos os institutos estão localizados anexos à empresa Microlins, que tem como sócio proprietário, conforme registro na Junta Comercial do Estado, Paulo Cesar Lemes. Vale destacar, que a empresa Microlins possui dois cadastros na Receita Federal – um como MFP Centro Mato-Grossense de Formação Profissionalizante Ltda – ME, e outro como Fênix Centro Comercial de Informática – ambas registradas em nome de Paulo Lemes. A Fênix também é fornecedora de cursos para a secretária Roseli Barbosa.

De acordo com extrato de aditivos do contrato 050/2011, a Microlins (Fênix) começou a atender o governo em 2011. A empresa foi contratada para dar cursos técnicos de qualificação profissional por meio do programa “Copa em Ação”.

Em 2012, a Microlins saiu de cena para dar espaço para o Instituto Concluir – o qual lucrou milhões dos cofres públicos. Já em 2013, quem se destacou foi o IDH/MT, que recebeu mais de R$ 4 milhões apenas no mês de março.

Os dois Institutos e a empresa Microlins receberam do Estado quase R$ 20 milhões para executar programas sociais referente ao “Qualifica Mato Grosso”, “Copa em Ação”, entre outros, nos últimos dois anos.

OSCIP – Em fevereiro deste ano, os dois institutos – Concluir e IDH/MT tiveram o pedido de qualificação como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) negado pelo Ministério da Justiça.

Outro lado – Aroldo Portela foi procurado pela reportagem do VG Notícias no IDH/MT, porém, ele não estava no momento. O coordenador do Instituto, identificado como Ricardo, informou que Aroldo estava em uma reunião e que iria passar o telefone da reportagem do VG Notícias para ele retornar, no entanto, até o fechamento desta matéria não houve retorno.

Já o assessor de imprensa da Concluir, entrou em contato com a reportagem e limitou-se a dizer sobre a confecção das apostilas que ofenderam cidades de Mato Grosso. Segundo ele, o instituto reconhece o erro na confecção das apostilas, porém, irá se pronunciar apenas após a perícia e o inquérito final. “Não houve prejuízo financeiro, apenas moral. O lote foi retirado e governo não irá pagar”.

Quanto aos recursos destinados ao Instituto, ele declarou que são valores para as apostilas e aulas, e que “não há nada de errado”.

 

 

 

Categorias:Direito e Torto

6 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.2.20.211 - Responder

    Isso e’ um tapa na cara daqueles que defendem, ingenuamente, a idéia de que as mulheres são todas honestas e os homens são todos corruptos. Sexo nao e’ documento!

  2. - IP 179.173.203.17 - Responder

    E nada de sua propria pena Enock…? Que pena…

  3. - IP 179.173.203.17 - Responder

    Passei para ver os comentarios dos comentaristas de plantao…
    Nada ate agora…tsc tsc…
    Estariam ocupados em esconder provas…?
    Estariam deprimidos por conta da “primeira ladra” do estado estar sendo lancada como uma seta pelo arqueiro…?
    Ou estariam apenas com o rabo entre as pernas porque sao tambem vermes parasitas que vivem das migalhas caidas ao chao em que rastejam e lambem…?

  4. - IP 179.173.203.17 - Responder

    Enock…
    Afinal, como poderiamos conhecer os projetos que seriam realizados e checar o que teria sido realizado efetivamente…? Um jornalista nao poderia buscar copia desse projeto de qualificacao, e nao teria obrigacao de publica-lo, ao inves de ficar se restringindo a repercutir a embromacao que ja foi publica na midia de bolso, elevando assim a discussao para outro patamar…?

  5. - IP 189.87.159.24 - Responder

    Nossa que escandalo… Estou Pasmo !!! Hobbin Wood roubava dos ricos para dar as pobres hoje é ao contrário, coitado dos pobres… tem que investigar afundo… isso é uma VERGONHA…

  6. - IP 189.59.32.114 - Responder

    o enoque não fez nenhum comentário sobre o empresário ser grande doador do Lúdio.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

2 × 5 =