Ong Moral questiona Ministério Público Estadual sobre investigação contra Maggi no Escândalo dos Maquinários. Procedimento está parado há dois anos sem nenhuma decisão sobre arquivamento ou propositura de ação, depois que Conselho Superior do MP derrubou proposta do procurador Helio Fredolino Faust de arquivar o caso

Bruno Boaventura, presidente da Ong Moral e Paulo Prado, procurador geral de Justiça, que estiveram juntos no enfrentamente da PEC 37, que tentava tirar poderes do Ministério Público, agora entram em confronto, por causa da atitude do MPE frente à possível investigação do ex-governador Blairo Maggi por possível envolvimento no Escândalo dos Maquinários

Bruno Boaventura, presidente da Ong Moral e Paulo Prado, procurador geral de Justiça, que estiveram juntos no enfrentamente da PEC 37, que tentava tirar poderes do Ministério Público, agora entram em confronto, por causa da atitude do MPE frente à possível investigação do ex-governador Blairo Maggi por possível envolvimento no Escândalo dos Maquinários

POLÍTICA / ESCÂNDALO DOS MAQUINÁRIOS

Entidade questiona MPE sobre investigação contra Maggi

Procedimento está parado há dois anos sem nenhuma decisão sobre arquivamento ou propositura de ação

 

Senador Blairo Maggi, alvo de invetsigação sobre suposta participação em escândalo financeiro

LAÍCE SOUZA
DO MIDIAJUR

A ONG Moral (Movimento Organizado pela Moralidade Pública e Cidadania) cobrou explicações do Ministério Público Estadual (MPE) sobre o andamento da investigação contra o senador Blairo Maggi, do suposto envolvimento do parlamentar no caso que ficou conhecido como “Escândalo dos Maquinários”.

A investigação teve início em 2012 e, desde então, nenhuma ação foi proposta contra o ex-governador ou o processo foi arquivado.

“Qual é o atual andamento da investigação do envolvimento do senador Blairo Maggi no escândalo conhecido como ‘Rombo dos Maquinários’, que trata sobre o superfaturamento da compra de 705 máquinas pelo programa MT 100% Equipado, já que, passados mais de dois anos da decisão do Conselho Superior do Ministério Público, na sessão do dia 7 de fevereiro de 2012, em continuar com a investigação em relação ao parlamentar?”, questiona a ONG, no documento encaminhado ao MPE.

O requerimento foi protocolado no MP no 6 passado, diretamente no gabinete do procurador-geral de Justiça, Paulo Prado.

Investigações

A Auditoria Geral do Estado foi quem apurou, a pedido do próprio ex-governador, se ocorreu ou não superfaturamento na compra de máquinas e equipamentos, realizado por meio de processo licitatório concluído em 2009.

A investigação da auditoria foi realizada em 2010 e concluiu pela existência do superfaturamento, na ordem de R$ 44 milhões.

Tanto na Justiça Estadual como na Federal processos judiciais, já foram instaurados contra ex-secretários da época e empresas.

O único que não foi processado é Blairo Maggi.

Na primeira investigação realizada pelo MP, o procurador de Justiça, Hélio Fredolino Faust, entendeu pela não existência de indícios de participação do hoje senador Maggi, no suposto desvio de recurso.

O Conselho dos Procuradores, ao analisar o pedido de arquivamento das denúncias contra o ex-governador, decidiu por maioria a abri investigação.

Desde então, nada de concreto foi apresentado pelo Ministério Público, nem o arquivamento da investigação por ausência de provas, nem a instauração de processo judicial.

Justiça Federal

Na esfera federal, Blairo Maggi é réu em ação popular movida pelo empresário Antônio Gaeta, acusado de participação do esquema de desvio de recurso.

Além de Blairo, também respondem a ação os ex-secretários de estado Vilceu Francisco Marchetti´(Infraestrutura), Eder de Moraes Dias (Fazenda) e Geraldo Aparecido de Vitto Júnior (Administração), além do Estado de Mato Grosso e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES).

Também participam do processo as empresas M. Diesel Caminhões e ônibus Ltda., Iveco Latin America Ltda, Auto Sueco Brasil Concessionária de Veículos Ltda., Tecnoeste Máquinas e Equipamentos Ltda., Dymak Máquinas Rodoviárias Ltda., Tork-Sul Comércio de Peças e Máquinas Ltda., Cotril Máquinas Ltda.

Maggi e Éder conseguiram o desmembramento do processo em janeiro deste ano. Assim, as ações tramitaram em separado dos demais réus.

Justiça Estadual

Outra ação, movida pelo Ministério Público tramita na Justiça Estadual contra os réus menos Maggi, em decorrência da demora do ente ministerial em concluir a investigação contra o senador.

 

Categorias:Jogo do Poder

5 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 201.25.77.190 - Responder

    E a coragem???

  2. - IP 177.41.95.98 - Responder

    Paulo Prado,quem diria querendo rasgar sua história e da sua honestíssima família pantaneira.Tudo para proteger esse pau-rodado perito em nomear pessoas altamente desqualificadas quando governa.

  3. - IP 191.224.162.251 - Responder

    Afff!… Até que enfim os pelegos da Serys resolveram mostrar serviço!…

  4. - IP 186.218.194.243 - Responder

    ENOCK…

    EU NÃO VI UMA LINHA SEQUER SOBRE O JULIER E O LAUDO DE SUA PERÍCIA QUE ESTÁ ESCONDIDA A SETE CHAVES…E AI JULIEEERRRR!!! CADÈ O LAUDO??? PORQUE ESSE LAUDO ESTÁ EM SEGREDO…??? NÃO É DE APENAS 44 MILHÕES, O TAL ASSALTO…??? ONDE ESTÃO AS 705 MÁQUINAS…??? ELAS EXISTEM…??? EM QUE ESTADO SE ENCONTRAM…??? DE QUE FORMA FORAM DISTRIBUIDAS…??? ESTÃO NOS MUNICÍPIOS A QUE FORAM DESTINADAS…??? ESSAS MÁQUINAS ESTÃO TRABALHANDO…??? ONDE…??? O QUE REALIZAM…???
    ENFIM…SÃO MUITAS PERGUNTAS JULIER…E AAAAIIIIIIII…..????!!!

  5. - IP 177.64.246.55 - Responder

    que vergonha, senhores do ministério público.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

3 × um =