PREFEITURA SANEAMENTO

ÓDIO NO JORNAL: Uma charge publicada pelo cartunista Chico Caruso no jornal O Globo de domingo (8), Dia Internacional da Mulher, causou polêmica, espanto e revolta. Na ilustração de Chico Caruso, a presidente Dilma Rousseff (PT) aparece prestes a ser executada por um integrante do grupo radical Estado Islâmico (EI). Veja as reações

TIJOLAÇO: FHC É QUEM ESTÁ SOB O CAPUZ DO TERRORISTA

chico caruso a charge que ameaça de morte dilma roussef

“Quem é o ‘Exército Islâmico’ do cartunista? A midia, inclusive seus patrões, os Marinho? O ‘mercado financeiro’? O PSDB e seu arquivado neolíder, Aécio Neves?”, questiona Fernando Brito, editor do Tijolaço, ao comentar a charge de Chico Caruso no último domingo; “Mas a gente poderia citar outros ou imaginar ali, atrás do capuz preto o velho Fernando Henrique Cardoso, aquele que diz que Dilma ‘não deve ser salva’, talvez porque tenha sido eleita, coisa que os tucanos já não conseguem faz quase 20 anos”

Quem é o “Exército Islâmico” do Chico Caruso?

Por Fernando Brito, no Tijolaço
A charges de Chico Caruso deram um passo para frente, de ontem para hoje.

A de ontem, parece que trocas as bolas e põe como cozinheiros os dois principais ingredientes do “Caldeirão do Janot”, onde Cunha e Renan não estão sendo cozinhados propriamente em fogo brando.

Na de hoje, a qual muitos vão criticar pelo mau-gosto da cena de decapitação, justo no Dia Internacional da Mulher, eu prefiro ver outra coisa.

Quem é o “Exército Islâmico” do cartunista?

A midia, inclusive seus patrões, os Marinho?

O “mercado financeiro”?

O PSDB e seu arquivado neolíder, Aécio Neves?

A Justiça não é, porque Chico sabe que nem sequer pedido de arquivamento há em relação a Dilma.

Mas a gente poderia citar outros ou imaginar ali, atrás do capuz preto o velho Fernando Henrique Cardoso, aquele que diz que Dilma “não deve ser salva”, talvez porque tenha sido eleita, coisa que os tucanos já não conseguem faz quase 20 anos, desde 1988 e mereça morrer.

São tantos e tão graúdos os que querem passar o facão na goela de Dilma que Chico poderia inaugurar ali o turbante árabe padrão “camisa do Botafogo”, com seus patrocínios tipo “classificados”.

Baita ato falho, hein, Caruso?

Você acabou de mostrar que os pretendentes a algozes de Dilma são fundamentalistas, intolerantes, violentos, sanguinários.

Retratou-os como quem quer se impor no poder abaixo de ameaças, facadas, terrorismo.

Acabou dando concretude àquilo que seu muito mais talentoso parceiro de humor e de rodas de jazz, o iluminado Luís Fernando Veríssimo, escreveu hoje, no mesmo O Globo:

Às vezes, as melhores definições de onde nós estamos e do que está nos acontecendo vem de onde menos se espera.

Você mostrou quem é mesmo que quer degolar a Presidenta eleita pelo voto.

Parabéns, Chico, você foi verdadeiro na sua morbidez.

——–

Charge de “O Globo” com Dilma refém do Estado Islâmico gera polêmica na internet

 Redação Portal IMPRENSA

Uma charge publicada pelo jornal carioca O Globo no último domingo (8/3), Dia Internacional da Mulher, causou polêmica entre os internautas nas redes sociais. Na ilustração de Chico Caruso, a presidente Dilma Rousseff (PT) aparece prestes a ser executada por um integrante do grupo radical Estado Islâmico (EI).
Crédito:Reprodução
Charge polêmica foi publicada na capa do jornal carioca
O grupo é responsável por uma série de decapitações realizadas desde o ano passado. Entre os principais alvos estão jornalistas e defensores de direitos humanos. Os crimes são divulgados pelos jihadistas na internet por meio de imagens e vídeos.
A divulgação da charge no jornal e nas redes sociais gerou discussões entre os leitores, que acusaram O Globo de falta de bom senso, especialmente na data marcada pela comemoração do Dia Internacional da Mulher.
Crédito:Reprodução/O Globo/Chico Caruso
Imagem de Dilma vítima do Estado Islâmico causou críticas nas redes sociais
“Incentiva o discurso do ódio e reforça a postura de violência contra as mulheres. Depois não venham com o papo furado: “Je suis Caruso”!!!!”, comentou um deles. “O Chico Caruso, indubitavelmente, é o melhor dos chargistas brasileiros, se não o maior. Mas, caro Chico, o humor negro não lhe cai bem. Principalmente nestes termos”, escreveu outro.
Os internautas também lembraram o caso dos jornalistas e chargistas do semanário francês Charlie Hebdo, assassinados em janeiro deste ano por extremistas muçulmanos pelas sátiras feitas a Maomé.  Desde 2006, quando publicou as primeiras charges com a figura do profeta, a redação do semanário vivia sob alerta devido às ameaças de radicais.

À IMPRENSA, Caruso comentou a repercussão. Segundo o artista, a charge é a última parte de uma sequência de três desenhos sobre Dilma Rousseff, todos mostrando a presidente tentando “negociar” com adversários. No primeiro, ela tenta falar com ministros e parlamentares; no segundo, aparece sendo “cozinhada” pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, e pelo líder do Senado, Renan Calheiros.
“Eu sou um ‘analfabyte’, então o que vem de ‘byte’ não me atinge”, brinca Caruso. “A chage não é para ser fofa. A situação de crise no governo é uma coisa que todo mundo está falando. Eu fechei o desenho na sexta, sabia que ia ser publicada no domingo e que era dia da mulher, mas nem pensei…”

————

 Caruso conseguiu provocar repúdio até em seus fãs com a charge 

por : , no Diário do Centro do Mundo

O espírito da Globo

Existe uma coisa chamada, em alemão, de Zeitgeist. Significa “o espírito do tempo”.

Grandes jornalistas – editores, colunistas, chargistas – têm isso. Eles conseguem captar os ventos que sopram no mundo, as ideias que mobilizam a sociedade, as discussões que agitam as comunidades.

Mas não é um atributo duradouro. Ou você renova a sua capacidade de enxergar as coisas ou perde o Zeitgeist.

É, então, a sua ruína. Você é uma caricatura de você mesmo. Você defende carros na era das bicicletas e coisas do gênero.

O cartunista Chico Caruso enquadra-se nesse caso. Nos anos 1980, e pelo menos em parte da década de 1990, ele foi o chargista brasileiro.

Era tão surpreendente e fino que a TV Globo o colocou para fazer charges eletrônicas, algo inédito no Brasil.

Mas Chico Caruso foi perdendo a mão, e a cabeça, e o que resta dele, hoje, são ruínas.

A charge de hoje em que Dilma aparece de joelhos, prestes a ser decapitada por um extremista do Estado Islâmico, é simplesmente repulsiva.

Mereceu, nas redes sociais, um amplo, generalizado, estridente repúdio – e não apenas de petistas. Várias pessoas que se disseram fãs de Chico Caruso manifestaram sua revolta com o que viram.

Qual era o ponto? Difícil dizer. Qual era a graça? Mais difícil ainda. Qual era a motivação? Aí sim era fácil identificar: raiva contra Dilma.

Caruso, como todo humor produzido na Globo, sofre de um mal insanável. Ele não pode fazer graça com nada que comprometa os humores de seus patrões.

Bobo ele não é. Você não verá nenhuma charge sua que faça referência ao caso HSBC, por exemplo, assim como não viu nenhuma que ironizasse o aeroporto de Aécio.

E então ele vira um autor de desenhos que vão agradar os Marinhos.

Hoje, na imprensa brasileira, bater em Dilma e no PT substituiu o talento para você fazer carreira e merecer luzes.

Nulidades como Villa, Constantino, Sardenberg e tantos outros vivem de seu antipetismo ululante.

Marta Suplicy começou a atacar o PT e Dilma e veja no que deu: já é colunista da Folha. Batata. Quanto vai demorar para que a Globo lhe dê alguma coisa? E para que ela figure nas páginas amarelas da Veja?

Caruso, voltando a ele, fez uma troca lastimável. Perdeu o espírito do tempo e se embrenhou do espírito da Globo.

Caruso representa, no universo das charges, o que a Globo é fora delas: um símbolo da iniquidade, do golpismo, dos privilégios de uma casta egoísta e desonesta.

Você tem uma ideia de quanto ele está ultrapassado quando passa os olhos pelo trabalho de Latuff. É a inovação versus o atraso.

Com tantas charges esdrúxulas nos últimos anos, Caruso hoje se superou. Ele conseguiu cortar a cabeça de Dilma no Dia da Mulher.

Ele provavelmente vai receber tapinhas nas costas de seus editores e talvez até de algum Marinho.

Mas como chargista sua carreira como alguém digno de respeito terminou hoje, ceifada pela faca que ele colocou nas mãos de um terrorista prestes a decapitar Dilma.

Paulo Nogueira
Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

—–

Dia Internacional da Mulher

Charge com Dilma na iminência de ser executada pelo EI gera polêmica na internet

Do NE10

Nas redes sociais, capa com o jornal do dia repercute / Foto: reproduçãoNas redes sociais, capa com o jornal do dia repercuteFoto: reprodução

Uma charge publicada pelo jornal carioca O Globo neste domingo (8), quando se comemora o Dia Internacional da Mulher, gerou polêmica entre usuários de redes sociais. Na imagem, a presidente Dilma Rousseff (PT) aparece na iminência de ser executada por integrante do Estado Islâmico.

A charge figura na capa da edição deste domingo do jornal e, logo pela manhã, começou a circular pela internet. A criação do chargista Chico Caruso mostra a presidente numa situação em que é representado um cenário de assassinato como os que são realizados pelo grupo extremista e fundamentalista Estado Islâmico.

O grupo vêm realizando execuções brutais de ocidentais e, desde o ano passado, começou a publicar imagens das mortes em sites de compartilhamento de vídeos.

Deputado federal pelo PSOL do Rio de Janeiro, Jean Wyllys publicou um nota de repúdio ao jornal em sua página oficial mantida no Facebook. “Faltou a O Globo, NO MÍNIMO, sensibilidade, já que hoje é o Dia Internacional da Mulher”, afirma o deputado que é um dos mais combativos pela luta dos direitos humanos, dos homossexuais e das mulheres na Câmara.

REPERCUSSÃO – A divulgação, no Facebook oficial de O Globo, da capa com a presidente gerou discussões e polêmica entre os internautas. Nos milhares de comentários que o post registra, há quem sem posicione contra e favor o jornal.

Os que se posicionam favoráveis à publicação alegam defesa da liberdade de expressão e de imprensa. Já os que são contra acusam o jornal de falta de bom senso e atentam que este domingo é marcado pela comemoração do Dia Internacional da Mulher, o que torna a charge “de mau gosto” e “inoportuna”.

Alguns internautas lembram o caso dos jornalistas do periódico francês Charlie Hebdo, que em janeiro foram assassinados por extremistas muçulmanos.

Até a tarde deste domingo, o jornal ainda não havia se pronunciado sobre a repercussão da charge.

Dilma Rousseff foi a primeira mulher eleita e reeleita presidente do Brasil. No início de seu segundo mandato, vem sofrendo uma forte crise política marcado por afastamentos de sua base aliada e recorrentes escândalos de corrupção envolvendo a Petrobras, investigada pela Operação Lava Jato da Polícia Federal.

 

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 187.104.87.239 - Responder

    É lamentável setor da impressa especialmente o Globo e o Sr. Caruso, cometer uma barbaridade de tamanha maldade e crueldade contra a MULHER, ao publicar uma charge da Presidente Dilma, preste a ser decapitada por membro do Estado Islâmico. Em primeiro lugar todas as pessoas desde um mendigo ao mandatário de uma NAÇÃO merecem e têm que serem respeitados, inclusive pela maior autoridade do planeta. Os que estão fazendo com a Presidenta do Brasil, comprovam que essas pessoas não têm respeito por si próprio, imaginem que tipo de educação seus filhos recebem. Esquecem essas pessoas que toda a maldade cometida contra uma pessoa o próprio tempo se encarrega de devolve-las aos seus signatário num futuro não distante.

  2. - IP 189.10.50.119 - Responder

    Brasileiro trata política como trata o futebol, ou seja, apenas torce fanaticamente, pouco importando se o time é ruim, possui jogadores de péssima qualidade e é mal dirigido. Fico pasmo quando vejo defesas partidárias de condutas flagrantemente inaceitáveis por parte daqueles que se preocupam efetivamente com o bem-estar social. Me desculpem aqueles que eventualmente se ofendam com minha colocação, mas desde o primeiro presidente eleito diretamente pelo povo brasileiro até a presente data, continuo vendo mais do mesmo, ou seja: discurso demagógico, cinismo político, corrupção desenfreada, arrogância disfarçada, tendo surgido até mesmo heróis bem semelhantes ao macunaíma. Rogo a Deus para que um dia tenhamos de fato a possibilidade de eleger um ser abnegado, verdadeiro, honesto no trato com a coisa público, não necessariamente perfeito, mas que seja perfeitamente aceitável como governante catalizador dos anseios sociais e portador de pureza em seus propósitos. O restos, as rusgas infantis, os melindres ridículos e demais asneiras, somente servem para iludir e alienar aqueles que se negam a usar a razão e refletir profundamente com o estado de coisas.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

três × quatro =