O vídeo do depoimento de Zé Dirceu ao juiz Sérgio Moro é um retrato perturbador da Operação Lava Jato e do próprio juiz Moro. Você vê um entrevistador, ou interrogador, hesitante, despreparado e munido de acusações de extrema fragilidade. Na contrapartida, o entrevistado, ou interrogado, responde a todas as questões com a clareza que faltou por completo a Moro. Dirceu está cansado, claramente, abatido – mas mantém o raciocínio límpido e rápido. A não ser que você seja um antipetista fanático, ao fim do vídeo você vai se perguntar: “Mas o que este cara tá fazendo preso há tantos meses?” VEJA EM VÍDEO NA ÍNTEGRA

O depoimento de Dirceu a Moro é um retrato sinistro da Lava Jato.

Por Paulo Nogueira, no Diário do Centro do Mundo

O vídeo do depoimento de José Dirceu ao juiz Sérgio Moro é um retrato perturbador da Lava Jato e do próprio Moro.

Você vê um entrevistador, ou interrogador, hesitante, despreparado e munido de acusações de extrema fragilidade.(No destaque, a íntegra do depoimento, em o vídeo.)

Na contrapartida, o entrevistado, ou interrogado, responde a todas as questões com a clareza que faltou por completo a Moro. Dirceu está cansado, claramente, abatido – mas mantém o raciocínio límpido e rápido.

A não ser que você seja um antipetista fanático, ao fim do vídeo você vai se perguntar: “Mas o que este cara tá fazendo preso há tantos meses?”

O que mais chama a atenção é a ignorância sobre a natureza do tipo de consultoria que um homem como Dirceu pode prestar a grandes empresas interessadas em conquistar mercados internacionais.

Qual é a mercadoria que ele tem? Suas relações, o conhecimento que amealhou ao longo de anos de vida política.

Dirceu pode, ou podia, apresentar empresas a autoridades de vários países. É uma prática visceralmente comum – e legal. Quem faz isso não tem o poder de fechar negócios: isso fica por conta da capacidade do cliente em se sair bem em disputas corporativas.

Mas a abertura de porta é fundamental para corporações que não conhecem o país em que pretendem fazer negócio.

Um consultor como Dirceu pode, também, ajudar você a compreender os cenários políticos e econômicos dos países com os quais sonha. Esse tipo de informação ajuda você a tomar, ou não, a decisão de investir num novo mercado.

Moro demonstrou não entender esse tipo de consultoria.

Para ele, aparentemente, consultoria é você encher de planilhas seu cliente e afogá-lo em números.

Há aí um desconhecimento brutal do universo dos negócios.

Eu estava na Abril quando a empresa solicitou os serviços de consultoria de Maílson da Nobrega, o homem dos 80% de inflação mensal.

O que se demandava de Mailson, em sonolentas reuniões em que eu frequentemente dormia, como amigos meus do então Comitê Executivo da Abril poderiam confirmar, é que ele e sócios da consultoria Tendências mostrassem os cenários econômicos e políticos.

Existe, é certo, outro tipo de consultoria. Ainda na Abril, a Booz-Allen fez um trabalho de reengenharia financeira. Aí sim eram pilhas de estatísticas.

Uma coisa é uma coisa, e outra coisa é outra coisa. Mas Moro não domina o mundo dos negócios, aparentemente.

Isso fica evidente também na questão dos 40 milhões que – ao longo de anos – a consultoria de Dirceu faturou.

Ora, é um faturamento perfeitamente razoável para uma consultoria que lida com grandes empresas. Falei na Tendências de Maílson. Pegue o mesmo número de anos e compare os faturamentos dela e da consultoria de Dirceu. Certamente você chegará a resultados parecidos.

É vital sublinhar, também, que faturamento é uma coisa, e lucro outra. Você paga funcionários, aluguel, impostos, e só depois disso tem os lucros.

Do jeito que as coisas foram postas, pela Lava Jato e pela imprensa, fica a impressão de que Dirceu tem em sua conta 40 milhões de reais. Em 2014, apenas a TV Globo, dentro do conglomerado dos Marinhos, faturou 12,4 bilhões de reais. É como dizer que cada Marinho ficou com 4 bilhões e uns trocados em sua conta pessoal.

Tudo é feito para engodar as pessoas. A mídia em nenhum momento joga luz sobre as sombras, porque lhe interessa demonizar os inimigos, como Dirceu.

O vídeo deixa claro por que uma banca de advocacia inglesa considerou a Lava Jato, num parecer, uma afronta ao Estado de Direito.

Nas questões de Moro, todas respondidas sem titubeio por Dirceu, não há rigorosamente nada que justifique a prisão. São coisas vagas, mal-sustentadas, e espetacularmente amplificadas pela mídia. Ele admitiu que aceitou, erradamente, uma reforma de presente da construtora de um delator. “Não é dinheiro de propina”, afirmou. Há prova de que seja? Não. Convenhamos: uma reforma seria um trocado no mundo dos bilhões da Petrobras. Não faz sentido. Mas ainda assim: que se prove, e o fato é que não apareceu prova nenhuma.

O que se verifica é um abuso.

Para olhar para o lado positivo, é a primeira vez que Dirceu tem a chance de se defender, algo que não foi lhe dado nunca nem pela Lava Jato e nem pela imprensa.

Sua defesa de si mesmo é um testemunho exuberante da pobreza miserável do jornalismo nacional – e do conhecimento limitado do juiz Sérgio Moro

Zé Dirceu chega para depor, na Justiça Federal, em Curitiba

Zé Dirceu chega para depor, na Justiça Federal, em Curitiba

Categorias:Cidadania

4 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 191.33.165.19 - Responder

    Patéticos,trocaram as ideologias pelo conforto e são defendidos pelos blogueiros sujos,como tal pagos para o serviço sujo.Os artistas que defendem essa caterva,ou são de alguma maneira remunerados,ou fazem para chocar,ser do contra ,porque os tribunais superiores,que são os que devem em última instância achar,não acham.Porque será?

  2. - IP 191.33.165.19 - Responder

    SABEM PORQUE OS TRIBUNAIS NÂO ACHAM?PORQUE AS PROVAS SÂO ROBUSTAS,SIMPLES ASSIM! IDIOTAS PETISTAS

  3. - IP 187.183.136.137 - Responder

    Coitadinho, deve ser solto e em seu lugar prender Jesus Cristo ou o próprio juiz Moro

  4. - IP 189.87.159.130 - Responder

    “A não ser que você seja um antipetista fanático, ao fim do vídeo você vai se perguntar: Mas o que este cara tá fazendo preso há tantos meses?”
    Da descrição do artigo que critica um pré-julgamento de Zé Dirceu, consta um pré-julgamento do leitor que ousar a discordar da opinião do blogueiro. Com efeito, associa-se, de pronto, a discordância de um ponto de vista a uma certa ideologia. Quer dizer que se eu chegar à conclusão de que a prisão preventiva dele era necessária, eu já sou um antipetista fanático? Não posso ter opinião própria, alheia a partidarismo e interesses politiqueiros? Parece-me que de um lado há uma crítica severa quanto a um suposto pré-julgamento do ex-Ministro, mas de outro julga-se previamente quem não compartilha do mesmo ponto de vista do articulista.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

quatro − um =