PREFEITURA SANEAMENTO

O ódio e a grosseria expressa por aqueles que agrediram verbalmente a presidenta da República sugere que, se tivessem a oportunidade, partiriam para a agressão física com socos e pontapés. Alguém duvida? Dirigido contra qualquer pessoa já seria grosseiro. Lançado contra uma mulher de 67 anos, que é a autoridade máxima do país, supera o terreno da grosseria e ingressa no universo da violência mesmo

Ódio de classe, racismo, machismo, violência e tudo que não presta

No início do ano, tivemos o caso do médico negro cubano Juan Delgado, que foi hostilizado por jovens médicas brancas no aeroporto de Fortaleza, fato que ficou conhecido nacional e internacionalmente pela foto de Jarbas Oliveira, da Folhapress.

No início do ano, tivemos o caso do médico negro cubano Juan Delgado, que foi hostilizado por jovens médicas brancas no aeroporto de Fortaleza, fato que ficou conhecido nacional e internacionalmente pela foto de Jarbas Oliveira, da Folhapress.

Marco Weissheimer, no Sul21

“A melhor coisa do jogo ontem foi o grito ‘Ei, Dilma, vai tomar no c..’”. Ouvi a frase no início da manhã desta sexta-feira saindo da boca de um jovem branco de classe média, com formação universitária. A frase foi acompanhada de um largo sorriso de satisfação e uma pitada de ódio no olhar. O tal de sentimento de classe parece existir mesmo. O ódio e a grosseria expressa por aqueles que agrediram verbalmente a presidenta da República sugere que, se tivessem a oportunidade, partiriam para a agressão física com socos e pontapés. Alguém duvida? Dirigido contra qualquer pessoa já seria grosseiro. Lançado contra uma mulher que é a autoridade máxima do país supera o terreno da grosseria e ingressa no universo da violência mesmo.

Machismo, violência, racismo: parece haver um setor importante da chamada classe média que vem cultivando com afinco essas práticas. O lateral esquerdo da seleção brasileira também foi vítima desse ódio. “Tinha que ser preto”, escreveram usuários no Twitter, logo após Marcelo fazer um gol contra. Mais uma manifestação de racismo que se soma a tantas outras que já fazem parte do cotidiano nacional. O somatório do ódio de classe com o ódio racial, machismo e disposição para a violência formam um quadro que não pode mais ser escondido ou apontado como manifestações isoladas. Ele se manifesta desde a partir de manifestações de contrariedade com a presença de pobres em aeroportos e, pior, dentro de aviões, até comportamentos explícitos de violência como os dirigidos contra Dilma e Marcelo.

Dizer que a melhor coisa da abertura da Copa foi mandar a presidenta da República é a cereja deste bolo indigesto. A melhor coisa da abertura da Copa não teria sido a apresentação do exoesqueleto, do projeto Andar de Novo, encabeçado pelo cientista brasileiro Miguel Nicolelis, um grande passo da ciência brasileira e uma esperança para melhorar a qualidade de vida de paraplégicos em todo o mundo? Apresentação, aliás, que foi praticamente escondida pela televisão brasileira. Não, para alguns, a melhor coisa foi mandar uma mulher de 67 anos tomar no c…

Esse caldo de cultura é o mesmo que legitima, por exemplo, a prática da tortura, seja por omissão, seja por concordar que, dependendo do caso, é um método aceitável. Como assinala Darcy Ribeiro, em “O Povo Brasileiro”, há dois massacres que são fundadores do Brasil como nação e essas marcas de brutalidade e crueldade seguem presentes até hoje, não como uma característica biológica, mas como comportamento social reproduzido e mesmo estimulado pela impunidade.

Em 1500, os portugueses chegaram em uma terra que abrigava cerca de um milhão de índios, quase a mesma população de Portugal na época. As décadas que se seguiram a essa chegada, foram um período de muita guerra e morte. Os povos que aqui resistiram à chegada do invasor foram, progressivamente, massacrados e escravizados. Por volta do século XVI, os negros chegaram ao território brasileiro. Chegaram contra sua vontade, trazidos acorrentados da costa ocidental africana. Os negros escravos foram incorporados à força a uma cultura e a uma nascente sociedade completamente estranha a eles. A maioria foi levada para o nordeste açucareiro e para áreas de mineração no centro do país. E submetida a terríveis condições de vida, onde o espancamento, a humilhação e a morte eram companhias diárias. Assim como já havia acontecido com os índios. Sobre essa confluência de escravidões, Darcy Ribeiro diz:

“Todos nós, brasileiros, somos carne da carne daqueles pretos e índios supliciados. Todos nós brasileiros somos, por igual, a mão possessa que os supliciou. A doçura mais terna e a crueldade mais atroz aqui se conjugaram para fazer de nós a gente sentida e sofrida que somos e a gente insensível e brutal, que também somos”.

Recentemente, tivemos também o caso do deputado federal Luiz Carlos Heinze, do PP gaúcho que falou durante uma audiência pública que quilombolas, índios, gays e lésbicas são “tudo que não presta”. Dias atrás, Lasier Martins, candidato a senador pelo Rio Grande do Sul falou sobre como índios podem “deixar de ser índios” e se tornarem “cidadãos respeitáveis”. No início do ano, tivemos o caso do médico negro cubano Juan Delgado, que foi hostilizado por jovens médicas brancas no aeroporto de Fortaleza, fato que ficou conhecido nacional e internacionalmente pela foto de Jarbas Oliveira, da Folhapress. Os casos são diferentes, expressão diferentes níveis de preconceito e racismo, mas dialogam entre si, fazem parte do caldeirão de brutalidade mencionado por Darcy Ribeiro.

Essa gente insensível e brutal esteve representada no Itaquerão mandando a presidente tomar no c…e “xingando” Marcelo de “preto” em redes sociais. O ódio de classe, o racismo e a violência andam de mãos dadas. Essa é uma das impunidades mais graves que segue reinando no Brasil, sendo atualizada e legitimada institucionalmente a cada geração. Esse processo de legitimação começa desde o topo da cadeia jurídica, desde a Corte Suprema do país, que segue mantendo os torturadores ao abrigo da Lei da Anistia.

———–

A vaia da área vip é como nossa elite: padrão Fifa

por Fernando Brito, no Tijolaço

fred

A melhor coisa do jogo de ontem, para mim, foi a vaia dada à Presidenta Dilma Rousseff.

Partiu, como registra o Painel da Folha, da área VIP do estádio, embora, claro, tenha tido gente nas arquibancadas acompanhando, como também teve gente que fez “a vaia da vaia”.

Normal, nada demais.

O famoso “vaia-se até minuto de silêncio” de que falava Nélson Rodrigues.

Tirante o fato de que ela ter partido das pessoas mais privilegiadas – os “padrão” Fifa, que ganharam seus ingressos no “bocão” dos patrocinadores, Globo à frente, é o que acontece com qualquer autoridade política anunciada em estádio.

Da vaia, falou muito bem o Juca Kfouri:

Se em Brasília, na abertura da Copa das Confederações, a presidenta foi vaiada, em São Paulo foi xingada mesmo, com palavrões típicos de quem tem dinheiro, mas não tem um mínimo de educação, civilidade ou espírito democrático.

Ninguém precisava aplaudi-la e até mesmo uma nova vaia seria do jogo.

Mas os xingamentos raivosos foram típicos de quem não sabe conviver com a divergência, mesmo em relação a uma governante legitimamente eleita pelo povo brasileiro.

A elite branca tão bem definida pelo insuspeito ex-governador paulista Cláudio Lembo, mostrou ao mundo que é intolerante e mal agradecida a quem lhe proporciona uma Copa do Mundo no padrão Fifa.

Aliás, tivemos mesmo o  ”padrão Fifa” tão cantado em prosa e verso também na festa de abertura: um espetáculo frio, mecânico,   bonitinho mas ordinário. Com direito até a sumirem com o exoesqueleto do Miguel Nicolelis.

Ninguém publicou uma notícia sequer sobre a preparação daquela coreografia glacial, não é?

Claro, era da Fifa, não era do Governo. Se fosse tinha especulação até com o custo da fantasia de samambaia.

Não tinha negro, exceto um ou dois, entre as centenas de bailarinos e figurantes.

Não tinha a arte popular, exuberante, lasciva, irreverente.

Não tinha improviso, mas também não tinha espontaneidade.

Ainda bem que no campo teve.

Gol contra com dez minutos é uma traulitada pra ninguém botar defeito.

E nosso time teve a calma para não entrar em parafuso e deixar Neymar empatar o jogo.

Com direito a uma bela exibição de Oscar, a quem a mídia já havia morto e enterrado.

O pênalti em Fred pode ter sido marcado com rigor excessivo, sim, mas houve o puxão e um entrelaçada de braço do zagueiro croata. E o nosso centroavante fez a malandragem que os “politicamente corretos” detestam, o povão aplaude e a história consagra.

Ou o “la mano de Dios” de Maradona não é uma das histórias mais saborosas e repetidas do futebol?

Sigo repetindo o que venho dizendo.

A oposição brasileira virou o fio.

A Copa que funciona e a grosseria que Kfouri descreveu – e que Aécio Neves confirmou com suas declarações de que “a presidente está sitiada” – vão paulatinamente fazer que as pessoas percebam que não há frase mais adequada para descrever nossa elite do que aquela que o colunista esportivo escreveu:

Mostrou que “é intolerante e mal agradecida a quem lhe proporciona uma Copa do Mundo no padrão Fifa.”

E com quem quer lhe proporcionar um país com desenvolvimento e níveis melhores de justiça social que não mantenham o Brasil no que sempre foi o seu padrão, o “padrão selva”.

Mas também não surpreende: afinal, é gente completamente selvagem, apesar de ser elite.

10 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - IP 177.221.96.140 - Responder

    O PT sempre achou que fosse o dono do povo.

    Agora que o povo está vaiando os chefões do partido, a militôncia fica desnorteada.

    Vai ter que mudar de povo.

  2. - IP 189.59.52.218 - Responder

    Para muito além do palavrão pronunciado diante de crianças presentes no estádio e do desrespeito a uma mulher que estava lá como representante do estado brasileiro, exercendo uma função que só a ela cabia, múnus dado pela grande maioria do povo brasileiro, é inacreditável a falta de educação dessa horda de covardes que sabemos muito quem são e quais os seus objetivos e o que representam, são os mesmos covardes de sempre que tentaram se esconder na multidão de um estádio lotado de coxinhas e que são os mesmos que postam comentários anônimos nesta Página do E, essas pessoas pensam que representam a maioria do povo brasileiro. Só que NÃO! Alguém aí tem alguma dúvida disso? A resposta, parafraseando Marco Aurélio Mello, é desenganadoramente NÃO! Não me sinto nem um pouco representado por essa corja de brancos, ricos e hipócritas que antes postavam nas Redes que não iria ter Copa, mas, na clausura de suas mansões eletrificadas, foram os primeiros a comprar os ingressos mais caros e babavam por esse momento de selvageria insana que nos enoja e avilta. Mas em outubro eles terão de nos engolir outra vez! De minha parte não irá faltar esforço e nem coragem para impedir que essa elite volte ao poder no Brasil, seja com o seu legítimo representante Aébrio Cheira Neves ou mesmo com a sua segunda opção disfarçada Eduardo Tucano Campos e aqui em Mato Grosso o legítimo representante dessa nojeira Pedro Mendonça Taques.

    • - IP 201.22.170.35 - Responder

      A Dilma, grande chefona do PT dos petralhas não estava lá como representante do Estado Brasileiro, se estivesse ela teria feito um discurso oficial.

      Estava lá como uma qualquer, acovardada com medo do povo, e tomou vaia.

  3. - IP 189.59.51.106 - Responder

    Se a presidenta é péssima,mal-educada,trata mal seus subordinados e o povo brasileiro,e acha que povo não quer obras ,quer ver jogo.Tem que ir tomar……………

    • - IP 189.11.247.25 - Responder

      Osmir, por cavalheirismo e educação, deveria indicar sua genitora – ou até mesmo pessoa mais íntima – para acompanhar Sua Excelência na empreitada sugerida, afinal know-how é muito importante e facilita a realização dos escopos pretendidos pelo comentarista.

      • - IP 189.59.51.106 - Responder

        Vou indicar sim aliás nem precisava,pois emTODOS os jogos,estamos representados ,pois as vaias e xingamentos não cessam.Se vce está com inveja dela,vai também!

        • - IP 189.11.247.25 - Responder

          O osmir só sabe xingar… Pode por um “pontin” final nessa conversa mole.

  4. - IP 179.216.205.78 - Responder

    PUTS… ESSES PETISTA SEMPRE VEM COM UMA DESCULPA BOBA… EU VAIARIA ELA … E NA CARA… AGORA SOU DA ELITE! QUANDO VOTEI NELA FOI PORQUE EU VIA QUE OS POLÍTICOS DO MEU ESTADO USAVAM MEIOS TORPES PARA SE MANTEREM NO PODER.. LEMBRA? .ISSO MESMO : O VOTO DO CABRESTO…MANTINHA O POBRE NA SUA EXCLUSIVA DEPENDÊNCIA.,,, E AGORA ESSE PT FAZ A MESMA COISA… FALA SÉRIO .. OS CARAS SÓ QUERIAM ERA O PODER… PT SIGNIFICA MESMO É Partido Traíra… TRAIDORES DO MEU VOTO.. FORA PT… PT NUNCA MAIS

  5. - IP 179.174.20.27 - Responder

    Coisa de republiqueta de terceira categoria! E bom ver que o Enoque também está indignado. O incidente deve servir de exemplo para quem tem por hábito destratar as autoridades constituídas, diretamente ou sub-repticiamente, inclusive a mídia. Se está ruim com essas autoridades legitimadas pelo processo político-jurídico decorrente da Constituição, imagine com a anarquia amplamente valorizada por segmentos sociais, políticos e midiaticos. Repúdio energicamente a forma como foi tratada nossa presidente, que bem ou mal, é nossa mandatária política e foi eleita segundo as regras do jogo democrático. Essa estória do brasileiro cordial e conversa pra boi dormir, eis a prova de nossa crônica incordialidade!

    • - IP 177.64.231.180 - Responder

      REPUBLIQUETA?!! MAS HÁ POUCOS DIAS NÃO ERA UM PAÍS ESPLEDOROSO…. ESSE PAÍS ESTÁ SENDO GOVENADO PELOS PETISTAS A QUANTO TEMPO?

      FORA PT .. PT NUNCA MAIS… PT= Partido dos Traíras

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.

1 × quatro =