(65) 99638-6107

CUIABÁ

O mundo sobre rodas

Híbridos e elétricos também podem receber blindagem

Publicados

O mundo sobre rodas

source
Blindagem dos híbridos e elétricos exige ainda mais cuidado, já que há mais cabos e sistemas eletrônicos
Divulgação

Blindagem dos híbridos e elétricos exige ainda mais cuidado, já que há mais cabos e sistemas eletrônicos

O mercado de veículos híbridos e elétricos ainda é majoritariamente voltado para um público de alto poder aquisitivo, então é até natural para os compradores destes veículos utilizar blindagem para ter uma segurança a mais dentro de seu carro, mas será possível blindar um veículo eletrificado?

Sim, apesar de existir diferenças entre modelos eletrificados e movidos a combustão, todos podem ser blindados , porém é necessário que a empresa que irá realizar a blindagem fique atenta a alguns pontos, como afirma Olavo Ehmke, sócio-diretor da Auto bunkers Defense.

Conforme o executivo, “muitas vezes o veículo híbrido ou elétrico tem motores em mais de uma posição. Há veículos que têm motor no compartimento do capô e outro no porta-malas. Assim acontece também com as baterias . Isso faz com que haja mais cabos e chicotes elétricos distribuídos pelo veículo e esta situação exige maior cuidado durante a blindagem, além de um projeto de balística exclusiva”, explica ele. Ainda segundo o especialista, híbridos e elétricos não podem receber soldas ou processos que causem descargas elétricas no carro, fazendo com que o trabalho necessite além de profissionais especializados, uma estrutura diferenciada.

Leia Também:  Jeep lança picape Gladiator em versão única Rubicon, com irreverência

Ehmke também diz que, “inclusive, os veículos híbridos e elétricos devem permanecer isolados do solo com o uso de cavaletes de plástico ou borracha. Nestes veículos utilizamos a blindagem Aramid Gold que é uma tecnologia exclusiva de uma blindagem executada em manta aramida e dispensa peças em aço”, conclui ele.

Também é preciso ter mais atenção na blindagem de híbridos e elétricos para não provocar descargas de energia
Divulgação

Também é preciso ter mais atenção na blindagem de híbridos e elétricos para não provocar descargas de energia

Quando se fala em blindagem e carros elétricos e híbridos, muito se pensa em peso, seja o da própria blindagem e principalmente das baterias. Para efeito de comparação, um dos líderes do segmento de híbridos no Brasil, o Toyota Corolla , é 35kg mais pesado que a versão à combustão equivalente.

Nos modelos elétricos, o peso aumenta 346 kg no caso do Volvo XC40 , que era vendido com motor 2.0 a gasolina em 2021 e atualmente só é ofertado na variante 100% elétrica. Apesar dos motores elétricos serem mais simples e mais leves, esse peso a mais vem das baterias, que geralmente, ficam no assoalho do carro, para diminuir o centro de gravidade do veículo.

Leia Também:  Bruno Baptista e Velocitta comemoram juntos 10 anos de corridas

No caso da blindagem, Olavo diz que o aumento de peso é de 145 kg em veículos sedans e entre 165 e 195 no caso de SUVs , e que a autonomia dos veículos é reduzida entre 4 e 6%. Segundo o especialista o peso poderia ser ainda maior, se não fosse a tecnologia Aramid, que é em média 50 kg mais leve que a convencional.

O executivo diz que os eletrificados já representam 8% do mercado de veículos blindados, e conforme eles se popularizam, a tendência é aumentar essa participação no mercado. O especialista ainda afirma que os modelos mais procurados para blindar são os da Toyota , Volvo e BMW , e a procura é lógica, devido ao sucesso dessas fabricantes no mercado de eletrificados no Brasil.

A tendência é que os modelos eletrificados ampliem sua participação no mercado, já que cada vez mais as marcas de luxo passam a oferecer apenas versões híbridas e elétricas de seus modelos e as montadoras “comuns” também irão oferecer estes veículos.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

O mundo sobre rodas

Kombi alemã: VW Caravelle de Stephen Hawking vai a leilão

Publicados

em


A VW Caravelle das fotos pertenceu e está sendo oferecida à venda através da casa de leilões Silverstone Auctions
Reprodução

A VW Caravelle das fotos pertenceu e está sendo oferecida à venda através da casa de leilões Silverstone Auctions

A casa de leilões inglesa Silverstone Auctions anunciou que vai leiloar , o Volkswagen Caravelle GL 112 de 1988 que pertenceu ninguém mais, ninguém menos que o professor Stephen Hawking, considerado um dos mais renomados cientistas do século.

Hawking nasceu em uma família de médicos, ele recebeu um bacharelado em física no University College em Oxford. Pouco tempo depois, ele se formou no Trinity Hall em Cambridge, onde fez doutorado em matemática aplicada e física teórica.

Em 1963, o físico teórico foi diagnosticado com uma forma de doença do neurônio motora, que gradualmente espalhou por todo o corpo de Stephen e, apesar das limitações, ele continuou em seu trabalho tornando-se um autor de best-sellers.

Leia Também:  Jeep lança picape Gladiator em versão única Rubicon, com irreverência

Comprado zero-quilômetro por Hawking em junho de 1988, o Caravelle das fotos foi usado em seu casamento em 1995 e com a condição de Hawking se deteriorando, em 1999, o veículo foi passado para os parentes do professor em 1999.

O irmão de Hawking cuidou e guardou a van em um estacionamento subterrâneo. Repintada há alguns anos, este veículo pode ser considerado um elemento significativo da vida posterior de Stephen Hawking , herdado em 2003 pelo sobrinho do estudioso.

O Caravelle está sendo oferecido pela  Silverstone Auctions  sem lances de reserva, e certamente desencadeará uma guerra entre os participantes não só pela brilhante carreira de um físico teórico e cosmólogo britânico, reconhecido internacionalmente por sua contribuição à ciência, mas também pelo veículo em si.

Leia Também:  Conheça o novo VW Virtus 2023, que aparece em imagens na Índia

O Volkswagen Caravelle GL 112 de 1988 é equipado originalmente com motor boxer de 2,1 litros de 113 cv acoplado a uma caixa de câmbio automático, de três marchas. Usado como transporte pessoal de Hawking por uma década, o carro conta com apenas 90.000 milhas, o que dá 144.840 km.

No Brasil, o modelo teve uma passagem curta através de suas variantes Eurovan , uma versão mais simples e a Caravelle , a mais luxuosa e as importações começaram em 1998 como uma opção mais cara a nossa boa e “Velha Senhora”, a Kombi . O fim da importação ocorreu em 2001 e a versão brasileira continuou reinando sozinha no segmento de vans.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA