(65) 99638-6107

CUIABÁ

O mundo sobre rodas

Ford Corcel dos anos 70 ganha motor 1.8 e surpreende ao volante; veja vídeo

Publicados

O mundo sobre rodas


source
Ford Corcel: com rodas da versão GT e faróis com lentes amarelas, a raridade ficou com aspecto esportivo e elegante
Renato Bellote/iG

Ford Corcel: com rodas da versão GT e faróis com lentes amarelas, a raridade ficou com aspecto esportivo e elegante

A Autolatina foi a união entre Ford e Volkswagen. A ideia era trocar tecnologia, conhecimentos e também informações sobre o mercado. Vale lembrar que as importações estavam retornando e a concorrência dos importados logo faria diferença no mercado.

Vários modelos surgiram dessa parceria. Em alguns casos a união do acabamento de uma marca com a mecânica confiável de outra gerou um produto bem interessante. Foi o caso do Del Rey , lançado nos anos 80, e que em sua última fase recebeu o motor AP 800 , algo que otimizou seu desempenho.

Seguindo essa ideia hoje vamos falar de um projeto diferente. Muito mais do que um simples swap motor e câmbio este Corcel de 1975 teve um trabalho elaborado de suspensão e também acabamento. A própria adaptação seguiu um princípio e uma lógica.

Leia Também:  Peugeot 3008 GT-Pack: o injustiçado

Externamente o carro passou por um processo de restauração completa . Nesse sentido vale destacar as rodas de 13 polegadas, que foram passadas para 15 polegadas, mantendo o miolo original. Internamente bancos da Procar e volante da versão GT se destacam no contexto.

O cofre também não foi esquecido. O motor de 1,8 litro da Volkswagen recebeu comando mais bravo e um filtro esportivo . Já a suspensão foi doada por um Del Rey, com especial atenção para o trabalho nas molas e amortecedores.

Acelerar o Corcel é uma experiência divertida. Vale ressaltar que a adaptação mecânica ficou perfeita. Ele não parece, nem de longe, um modelo que recebeu esse tipo de mudança. O motor Volkswagen deu agilidade e, ao mesmo tempo, manteve o conforto da suspensão.

Em breve vamos conhecer um outro projeto que segue a mesma linha em termos de detalhe e bom gosto: um Maverick que recebeu um motor V6. Nesse caso mecânica da Ford Ranger e estilo de sobra. Nos falamos na próxima semana.

Leia Também:  Toyota lança linha 2023 de Yaris Hatch e Sedan com retoques no desenho
Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

O mundo sobre rodas

Piloto põe raridades da Ferrari à venda e pode arrecadar R$ 40 milhões

Publicados

em


source


Coleção de Ferrari inclui um modelo de Fórmula 1 e supercarros icônicos, com 288 GTO e o 275 GTB/4
Divulgação

Coleção de Ferrari inclui um modelo de Fórmula 1 e supercarros icônicos, com 288 GTO e o 275 GTB/4

Um piloto de corrida pouco conhecido, Marcel Petitjean está colocado a sua invejável coleção de modelos da Ferrari cujo montante de 28 exemplares dos mais raros modelos serão oferecidos sem reservas em um leilão da RM Sotheby’s em Paris, no dia 2 de fevereiro.

Petitjean não teve muito sucesso como piloto de corrida nos anos 60, mas com certeza compensou mais tarde com seus investimentos inteligentes. O ex-piloto até pensou em abrir um museu do automóvel , mas seus planos fracassaram e mais tarde ele decidiu vender as raridades.

Entre as preciosidades, estão uma 288 GTO de 1985, com apenas 272 unidades fabricadas e esta em específico, conta com apenas 9.600 quilômetros. O preço? Pelo menos US$ 2,8 milhões de dólares, ou R$ 15.164.800, em conversão simples.

Colecao de Ferraris. Foto: Divulgação

Leia Também:  Volkswagen confirma fim da produção do Fox no Brasil

Colecao de Ferraris. Foto: Divulgação

Colecao de Ferraris. Foto: Divulgação

Colecao de Ferraris. Foto: Divulgação

Colecao de Ferraris. Foto: Divulgação

Colecao de Ferraris. Foto: Divulgação

Outra das raridades é a 275 GTB/4 de 1966, a primeira Ferrari de produção a ser equipada com a versão de quatro árvores de cames no cabeçote do V12. Provavelmente chegará a mais de US$ 2,2 milhões de dólares (R$ 11.915.200).

Outros destaques incluem uma Ferrari 250 GT Series II Cabriolet restaurada de 1959 e uma Ferrari 250 GT/L Berlinetta de 1964. Ambos apresentam o motor V12 “Colombo” de bloco curto de 3,0 litros e, sem dúvida, adicionarão quase R$ 40 milhões de reais à conta bancária de Petitjean.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA