(65) 99638-6107

CUIABÁ

O mundo sobre rodas

De volta para o futuro: indústria automotiva deu marcha à ré?

Publicados

O mundo sobre rodas


source

Os anos 1990 foram emblemáticos para a indústria automotiva brasileira . Nos primeiros meses de seu mandato, o então presidente Fernando Collor – hoje senador por Alagoas – autorizou a entrada de novas fabricantes no Brasil. Foi neste momento que Peugeot, Citroën, BMW, Hyundai e tantas outras marcas de sucesso efetivamente ingressaram em nosso mercado.

O período também ficou marcado pelo “boom” de um setor automotivo que por muitos anos permaneceu incubado por conta dos impactos da ditadura militar. A indústria se fortaleceu com novas fábricas de Volkswagen, Chevrolet, Suzuki, Ford, Honda e Toyota, e as possibilidades apontavam para um grande futuro.

Três décadas se passaram, e o mercado brasileiro vê novamente o futuro repetir o passado. Partindo disso, a reportagem do iG Carros elege cinco fatos de 2021 que coincidem com o período dos anos 90 . Acompanhe a lista.

1 – Carros seminovos são mais caros que novos

Toyota Corolla híbrido seminovo já está mais caro que o modelo zero quilômetro
Divulgação

Toyota Corolla híbrido seminovo já está mais caro que o modelo zero quilômetro

Ainda no final de 2020, a Anfavea (Associação Nacional das Fabricantes de Veículos Automotores) emitiu uma nota alertando sobre o risco de desabastecimento nas fábricas brasileiras . Muitas fabricantes chegaram a  paralisar suas linhas de montagem por conta da falta de componentes e da ascensão da segunda onda do novo coronavírus.

Pela falta de veículos novos nas concessionárias e a longa fila de espera, muitos clientes preferem trocar o modelo atual por outro seminovo . Dessa forma, cria-se um desequilíbrio no mercado, onde carros seminovos acabam ficando mais caros que modelos novos . Eis um exemplo:

O Toyota Corolla Altis com motor 1.8 híbrido é oferecido por R$ 151.090 no site oficial da fabricante. Nos classificados online, proprietários do sedã já anunciam o modelo por valores entre R$ 160 e R$ 180 mil, tamanha a fila de espera para retirar a versão zero quilômetro da concessionária. A tendência era muito comum nos anos 90, quando carros eram vistos como investimentos por conta dos preços voláteis.

Leia Também:  Audi A4 2021 é alternativa sofisticada no meio de um mar de SUVs

2 – Valor do carro de manhã é diferente do de noite

VW Polo ficou 5,48% mais caro, sendo o veículo que registrou o maior aumento de preço em 2021
Divulgação

VW Polo ficou 5,48% mais caro, sendo o veículo que registrou o maior aumento de preço em 2021

Um levantamento feito pela KBB Brasil aponta que o Volkswagen Polo foi o modelo que mais subiu de preço em 2021 . Em apenas um mês, o modelo teve variação de 5,48%. No mesmo período, a Caoa Chery aproveitou para subir em 5,42% o preço do Tiggo 5X , enquanto a Toyota elevou em 4,36% os preços do Yaris .

Os preços voláteis remetem ao período da hiperinflação , que teve seu ápice no mês de março de 1990. Foi nessa época que aparelhos de som foram anunciados por 6 milhões de cruzeiros e o pote de margarina chegou a custar 43 mil.

Neste momento, o brasileiro se acostumou a fazer as “despesas” para se proteger da elevação abrupta. Assim que recebiam os salários, era normal que trabalhadores fizessem as compras do mês como defesa dos aumentos repentinos.

Você viu?

3 – O “retorno” da Autolatina

Apollo e Verona: sedã da Ford serviu de base para modelo feito em parceria com a Volkswagen
Renato Bellote/iG

Apollo e Verona: sedã da Ford serviu de base para modelo feito em parceria com a Volkswagen

Em 1987, Ford e Volkswagen selaram o acordo que criou a Autolatina , a maior joint-venture automotiva da época. As fábricas do grupo foram integradas, com a Volkswagen produzindo veículos para a Ford – como Versailles e Royale – e a Ford produzindo modelos Volkswagen – como Logus e Apollo .

A joint-venture Autolatina era apenas um acordo operacional. As fabricantes continuavam independentes e eram responsáveis pelas vendas de seus próprios veículos. A Volkswagen era dona de 51% da empresa, enquanto a Ford tinha 49%.

Leia Também:  VW Parati: conheça a história da versão perua derivada do Gol

A decisão de encerrar a Autolatina foi tomada em 1994 de forma amigável por ambas as fabricantes. Ela foi dissolvida completamente em 1996, e as fábricas de Ford e Volkswagen voltaram a produzir veículos próprios.

Um fato curioso é que durante o Salão de Detroit de 2019, as fabricantes anunciaram uma  nova aliança global para o compartilhamento de tecnologias e integração de produção. A Ford ficará responsável pelos veículos comerciais da Volkswagen, enquanto a marca alemã será encarregada de produzir modelos elétricos para a aliada. Um bom exemplo disso é a próxima geração da Volkswagen Amarok , que terá a mesma base da Ford Ranger.

4 – Jeep bombando

O
Divulgação

O “carro dos artistas” Jeep Cherokee fez pescoços virarem durante os anos 90

Toda década tem seu objeto de desejo absoluto. Nos anos 70, o sonho de qualquer jovem era ter um cupê esportivo como Maverick e Opala . No período seguinte, já em 1980, as versões apimentadas de Gol , Escort e Kadett eram as mais desejadas.

Várias marcas tiveram o mesmo status durante os anos 90, mas a partir da metade da década, a Jeep começou a bombar. O modelo Cherokee passou a aparecer nas garagens de todos os artistas, cantores e jogadores de futebol, em um arranjo semelhante ao Range Rover Evoque em meados de 2010.

A partir da fusão da Chrysler com a Fiat , a Jeep voltou a ser objeto de desejo no Brasil. Isso começou em 2015 com o lançamento do Renegade , ganhando ainda mais força com o Compass em 2017. A marca de utilitários aventureiros agora é o grande sonho da classe média brasileira, exatamente como em 1995.

5 – Número de emplacamentos iguala 1997

VW Gol foi o modelo mais vendido do Brasil em 1997; 23 anos depois, repetimos os mesmos números de vendas
Divulgação

VW Gol foi o modelo mais vendido do Brasil em 1997; 23 anos depois, repetimos os mesmos números de vendas

A indústria automotiva estava se recuperando da crise econômica causada pelo momento turbulento do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. O melhor resultado recente foi em 2019, quando foram vendidos 2.262.069 automóveis e 403.514 veículos comerciais leves.

No ano seguinte veio a pandemia do novo coronavírus , interrompendo um processo de crescimento que durava já durava três anos. Segundo a Anfavea, foram emplacados 1.615.942 automóveis e 338.886 veículos comerciais leves em 2020.

O resultado chama atenção pela regressão dos números. Em 1997, a Anfavea divulgou que 1.605.214 automóveis e 268.451 veículos comerciais leves foram emplacados. Ou seja, o descontrole da pandemia fez o resultado total da indústria automotiva regredir 23 anos .

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

O mundo sobre rodas

Motorhome de Mariah Carey de quase R$ 10 milhões tem até salão de festas

Publicados

em


source


Motorhome de Mariah Carey está entre os mais luxuosos que se tem notícia nos EUA hoje em dia
Divulgação

Motorhome de Mariah Carey está entre os mais luxuosos que se tem notícia nos EUA hoje em dia

Quando dinheiro não é o problema o céu é o limite. Netse caso em específico estamos falando de celebridades excêntricas que gastam milhões em motorhomes como Will Smith, o The Heat  e o de  Mariah Carey , ‘ Skyscraper on Wheels’  que possui um motorhome de dois andares e três níveis.

Tanto Will Smith quanto Mariah Carey têm em comum a sua preferência pelos superluxuosos motorhomes da Anderson Mobile Estates. Rumores indicam que a cantora o teria comprado seu 2015.

Ao contrário de The Heat de Smith , o motorhome de Mariah, que o designer RJ Anderson descreveu como um “arranha-céu sobre rodas”, é menos assustador. O estilo do interior é menos datado, embora ainda contenha muita madeira brilhante.

Leia Também:  Volkswagen Taos é lançado no Brasil a partir de R$ 154.990

Este motorhome monstro é na verdade um dos modelos iniciais produzidos por Anderson, e ele atende pelo nome de The Lounge. É projetado para entreter e apresenta o teto hidráulico que sobe com o apertar de um botão para revelar um grande salão de festas.

Leia Também

A área total de moradia é de 111,5 metros quadrados e está dividida em três níveis: há uma sala com área de maquiagem no andar de baixo com uma penteadeira com uma TV escondida atrás desta, uma cozinha completa na parte de baixo com fogão personalizado.

Na cozinha, ainda se destacam itens como forno de convecção, geladeira oculta e um inonizador de água da Kangen (é preciso descer um lance de escadas, então conta como um nível separado do inferior) e do andar de cima, que é uma área de clube noturno lounge.

Leia Também:  Toyota Aygo X é (mais um) misto de SUV e hatch subcompacto

No andar de cima, acessível por meio de uma escadaria de granito (The Lounge tem mais de 2 toneladas de mármore e pedra sobre ele), fica a área de entretenimento que pode ser desde uma sala de cinema até uma boate. Grandes TVs instaladas em extremidades opostas podem transformar essa área em um cinema. Também pode funcionar como discoteca, graças às luzes integradas e sistema de som profissional.

Quanto ao custo do The Lounge de Mariah, Anderson diz que o motorhome hoje está avaliado em US$ 1,8 milhão, ou cerca de R$ 9,560 milhões numa conversão simples.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA