(65) 99638-6107

CUIABÁ

O mundo sobre rodas

Comitê Nacional do GNV nasce para combater fraudes no setor

Publicados

O mundo sobre rodas


source
Gás Natural Veicular se torna opção mais em conta em tempos de alta na gasolina e no etanol
Divulgação

Gás Natural Veicular se torna opção mais em conta em tempos de alta na gasolina e no etanol

O GNV (Gás Natural Veicular) voltou a entrar em evidência após a alta nos preços da gasolina e do etanol. Para aumentar a competitividade do setor, combater fraudes e melhorar a divulgação sobre o combustível, a Associação Brasileira do Biogás (ABiogás) anuncia a criação do Comitê Nacional do GNV .

De acordo com a ABiogás, o GNV depende de muitas empresas de pequeno e médio porte. No Comitê Nacional do GNV , elas serão representadas por associações, incluindo a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios (Sindirepa) e Organização Nacional da Indústria do Petróleo (ONIP).

O Comitê Nacional do GNV terá o objetivo de defender pautas que sejam comuns a todas as empresas envolvidas na indústria. “No dia a dia, a negociação comercial é de cada um. Mas dentro do comitê, vamos avaliar o que é comum a todos”, diz Gabriel Kropsch, vice-presidente da ABiogás

Leia Também:  Bugatti cria veículo de só 1 cv e velocidade final de menos de 30 km/h

Segundo o Comitê Nacional do GNV , todos os acidentes que ocorrem com veículos a gás são ocasionados por conversões feitas por empresas ilegais . Um dos objetivos será a identificação dos infratores para impedir mais irregularidades.

Adaptação

Atente-se à taxa de compressão do motor do seu carro antes de fazer a conversão
Divulgação

Atente-se à taxa de compressão do motor do seu carro antes de fazer a conversão

Apesar da economia de combustível, os modelos a gasolina não entregam bom desempenho quando convertidos para o GNV . Isso se deve à baixa taxa de compressão, que costuma melhorar em modelos flex ou movidos a etanol.

Você viu?

Para uma boa combustão do GNV, será necessária taxa de compressão de pelo menos 13:1. Carros movidos apenas a gasolina contam com taxa de compressão entre 8:1 e 10:1, sendo insuficientes para uma boa combustão. 

Em grosso modo, veículos flex ou movidos a álcool precisam de mais energia para mudar o combustível do estado líquido para o gasoso. Dessa forma, quando convertidos para o GNV, a temperatura média de trabalho é superior. Portanto, os modelos flex ou a etanol, teoricamente, funcionam melhor que os a gasolina se forem convertidos para GNV.

Leia Também:  Vendas do Kia Rio são suspensas e correm o risco de não voltarem

Custo-benefício

Carros com GNV podem ser até 50% mais econômicos que modelos flex ou movidos a gasolina
Divulgação

Carros com GNV podem ser até 50% mais econômicos que modelos flex ou movidos a gasolina

De acordo com um estudo feito pela Comgás, donos de veículos com instalação de GNV chegam a economizar, em média, 50% do valor que um outro condutor gastaria em um modelo flex, por exemplo. A porcentagem pode variar conforme a região do País, mas fica evidente que a instalação do kit de gás natural veicular é um recurso interessante para quem quer economizar.

A lei diz que todos os veículos com kit gás instalado devem passar por uma vistoria anual, ainda que muitos proprietários não dêem a atenção necessária para a segurança. É necessário procurar uma oficina que seja tanto aprovada no Inmetro quanto registrada pelo Denatran.

Para a vistoria, o proprietário deve apresentar a autorização prévia do Detran (comprovando que seu veículo estava apto a receber a instalação), atestado de qualidade do instalador e nota fiscal de instalação e componentes. Vale lembrar que ao transitar com o carro portando a documentação do  GNV com validade vencida, o proprietário poderá ter o licenciamento anual do seu carro negado pelo Detran.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

O mundo sobre rodas

Bateria do carro exige cuidados para uma viagem tranquila

Publicados

em


source


Vale verificar se está tudo em ordem com a bateria do carro para não ter problemas inesperados
Divulgação

Vale verificar se está tudo em ordem com a bateria do carro para não ter problemas inesperados

Com o período de férias se aproximando para algumas pessoas, além do feriado do aniversário de São Paulo, dia 25 de janeiro, muitos já começaram a se programar para viajar, mas se esquecem do principal: fazer a manutenção básica do carro.

A bateria é um dos itens que mais merece atenção, afinal, ela é o coração da máquina. Éder Inácio, analista de suporte técnico na Clarios, responsável pela produção da marca Heliar, explica que o primeiro passo é se atentar para o estado atual da bateria instalada no carro.

Para isso, é preciso seguir as orientações primordiais: inspecionar os terminais para verificar se não existe alguma oxidação ou zinabre , que é gerado a partir da reação química do ácido sulfúrico, oxigênio do ar e metal do polo ou contato.

Leia Também:  Bugatti cria veículo de só 1 cv e velocidade final de menos de 30 km/h

Além disso, checar se a bateria está bem presa aos terminais dos polos . Se o componente possuir um indicador de carga, observar qual é a coloração atual. A leitura da indicação desse dispositivo permite saber se está carregado ou não.

Bateria deve ser checada antes de pegar a estrada.
Divulgação

Bateria deve ser checada antes de pegar a estrada.

Caso preciso substitui-lo, opte por uma da mesma capacidade de C20 (tempo de descarga de 20 horas) ou maior, nunca menor. Ampere-hora ou C20 é um indicador de quanta energia é armazenada em uma bateria, ou seja, a energia que ela pode fornecer continuamente por 20 horas, a 25 °C, sem cair abaixo de 10,5 volts.

Leia Também

Leia Também

Outra medida importante quando se trata de bateria são os amperes de partida a frio, ou seja, a corrente de descarga de alta taxa em baixa temperatura, também conhecida como amperes de partida a frio (CCA).

Carro parado exige mais cuidado com a manutenção

Carro parado exige mais cuidado com a bateria. Há quem resolva instalar uma peça para desconectar o polo negativo
Reprodução

Carro parado exige mais cuidado com a bateria. Há quem resolva instalar uma peça para desconectar o polo negativo

Carro parado também exige cuidado. Se o veículo precisar ficar parado por mais de 21 dias, uma alternativa é desconectar a bateria . Para isso, basta remover o cabo da porta negativa e tomar muito cuidado para não deixar as extremidades negativa e positiva se tocarem.

Leia Também:  Vendas do Kia Rio são suspensas e correm o risco de não voltarem

O especialista Inácio explica que se os cabos entrarem em contato ou até mesmo fecharem, pode haver consequências, incluindo danos ao alternador e cabos ou até mesmo ferimentos.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA