(65) 99638-6107

CUIABÁ

O melhor detergente é a luz do sol

Stringueta vira alvo do promotor Marcos Regenold e colegas do MP que acusam delegado de calúnia, injúria e difamação. E de fazer pré-campanha eleitoral usando MP como escada. LEIA AÇÃO DO MP

Publicados

O melhor detergente é a luz do sol

Mais uma etapa da disputa entre o cidadão e delegado da Polícia Civil de Mato Grosso, Flávio Stringueta e as doutas autoridades do Ministério Público do Estado de Mato Grosso. Uma disputa cujos resultados, vamos combinar, interessa ao conjunto da cidadania em nosso Estado para que se tenha maior transparência quanto à atuação das autoridades públicas.

Stringueta entrou no vácuo da disputa entre o MP-MT e o empresário João Dorileo Leal, alvo de denúncia de corrupção por parte do promotor Arnaldo Justino, por possível envolvimento em negociata em parceria com Pedro Nadaf e outras autoridades do finado governo de Silval Barbosa em Mato Grossoo.

Denunciado por corrupção pelo MP, a resposta de Dorileo foi abrir as páginas do seu jornal para a ressurreição de supostas irregularidades no Parquet, com revelação de supostas revelações da CPI do MP na Assembleia Legislativa em docmentos com mais de 300 páginas que teriam chegado, de forma clandestin, à redação do jornal A Gazeta.

Em meio às manchetes da Gazeta contra o MP, apareceu o primeiro artigo de Flávio Stringueta, reproduzido depois por outras mídias, inclusive por esta PAGINA DO E, sob o título de “O que importa nesta vida?” Outros artigos viriam logo em seguida. Agora uma forte resposta do MP é assinada pelo promotor Marcos Regenold que, em sua peça, acusa Stringueta de caluniar, difamar e injuriar José Antônio Borges Pereira, Patrícia Eleutério Campos, João Ribeiro da Mota, Luis Alexandre Lima Lentisco, Cassia Vicente de Miranda Hondo, Adalberto Ferreira de Souza Junior, Reinaldo Rodrigues de Oliveira Filho, Elton Oliveira Amaral, Marcelo Mantovanni Beato, Samuel Telles Costa, Roberto Aparecido Turin, Herbert Dias Ferreira, Luiz Fernando Rossi Pipino, Milton Pereira Merquíades, Daniela Crema da Rocha de Souza, Fernanda Pawelec Vasconcelos, Felipe Augusto Ribeiro de Oliveira, Sérgio Silva da Costa, Ana Carolina Rodrigues Alves Fernandes Oliveira e Luiz Eduardo Martins Jacob Filho, todos membros do Ministério Público. O inteiro teor da denúncia este blogueiro divulga no destaque

As críticas de Stringueta

Em seu artigo, Stringueta citou a compra de R$ 2 milhões em aparelhos celulares para membros do MPE. “Virou notícia, e vergonha, nacional. O que se esperaria dos promotores, ou seus líderes, ou do inconsequente idealizador desse absurdo? Que não tivessem feito. E, como já tinham feito, que pedissem desculpas à sociedade pelo erro e sumissem de cena.   Mas não. Continuaram. Irão receber os tais aparelhos, como se não tivessem condições de ter algo assim para trabalhar e se comunicar. Uma juíza assim autorizou”, escreveu.

O delegado criticou ainda o auxílio moradia e o direito de férias de dois meses por ano que favorecem os membros do MP. “Alguém sabe explicar? Eles trabalham mais do que os trabalhadores de outros poderes e da iniciativa privada? Merecem mais por que? E, sabem, podem vender as férias e receberem em dinheiro, até porque, sabemos, não precisam de 2 meses de férias. Assessores que o digam”.

Denuncia da rachadinha doeu no MP

De acordo com a ação formulada pelo promotor Marcos Regenold, o que mais doeu na série de artigos de Stringueta “O que importa nessa vida?”, foram as diversas imputações de crime a alguns membros do Ministério Público do Estado de Mato Grosso.

Escreve Regenold: “Expressamente o denunciado reafirmou, com todas as letras, que os promotores de justiça, membros do Ministério Público Mato-grossense ‘rateavam’ as sobras dos valores repassados a instituição a título de duodécimo (fato determinado), o que retrata esquema de apropriação de dinheiro público, que configuraria o crime de peculato previsto no art. 312 do Código Penal por parte dos ofendidos”.

Ainda nos seus artigos, Stringueta teria difamado membros do MPE assegurando que recebem valor a título de “auxílio moradia”, sugerindo, segundo Regenold, ilegalidade ao expressar que membros do Ministério Público e do Judiciário “encobrem um ao outro” e que tais valores seriam pagos em duplicidade para casos de marido e esposa.

A Gazeta se calou mas o delegado…

Os ataques e as manchetes criticas do jornal do empresário Dorileo Leal contra o MP-MT se esvaziaram e já não se fala tanto em uma possível retomada da CPI do Ministério Público na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. A disputa do delegado Stringueta contra promotores e procuradores do MP, todavia, promete novos e palpitante desdobramentos.

RELEIA O QUE STRINGUETA ESCREVEU SOBRE O MP MT:

DELEGADO FLÁVIO STRINGUETA: Não existe instituição mais imoral que o Ministério Público do Estado de Mato Grosso – PÁGINA DO ENOCK (paginadoenock.com.br)

FLÁVIO STRINGUETA: Por que, nobres cidadãos de bem e fiscais dos fiscais, os ‘doutores da lei‘ do Ministério Público de Mato Grosso precisam de ‘vale-auxílio covid‘? E por que deve ser o dobro dos seus subalternos? – PÁGINA DO ENOCK (paginadoenock.com.br)

Leia Também:  PROMOTOR DOMINGOS SÁVIO DE ARRUDA: Aprendi, ao longo dos anos, que a gestão ambiental exercida pelo Poder Público não pode se limitar ao uso de instrumentos de comando e controle que, como se sabe, se baseiam em normas legais ou administrativas (fiscalização, monitoramento, licenciamento, etc). Afinal, como nos ensinou Drummond, "as leis não bastam. Os lírios não nascem da lei". Cresce a minha expectativa em relação ao modelo de gestão ambiental a ser adotado pelo próximo governo. Certamente, em poucos dias, com o anúncio do nome que haverá de comandar a Secretaria Estadual do Meio Ambiente, todos poderemos ter uma noção do porvir. Que Deus ilumine o amigo Pedro Taques!

DELEGADO FLÁVIO STRINGUETA: Ora, ora, ora. O sr. Procurador Geral do MPE não consegue perceber a diferença gritante entre iniciativa privada e o MPE? Senhor Procurador, o dinheiro do MPE é público, você não pode fazer o quer dele – PÁGINA DO ENOCK (paginadoenock.com.br)

 

Promotor Marcos Regenold Processa Delegado Flávio Stringeta Em Nome Do Ministério Público de MT Por Calúnia… by Enock Cavalcanti on Scribd

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

O melhor detergente é a luz do sol

Famílias mais pobres sofrem inflação 20% maior que as mais ricas em setembro

Publicados

em

 

 

source
Famílias mais pobres sofrem inflação 20% maior que as mais ricas em setembro
Fernanda Capelli

Famílias mais pobres sofrem inflação 20% maior que as mais ricas em setembro

O Indicador de Inflação por Faixa de Renda acelerou para todas as faixas no mês de setembro, mas revelou uma inflação mais acentuada para as famílias de renda muito baixa, com índice de 1,3%, enquanto o grupo de renda alta ficou em 1,09%, diferença de 20%. Os dados foram divulgados hoje (15) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

No acumulado de 12 meses, a inflação para o grupo de renda muito está em 10,98%; a renda baixa acumula 10,72%; a renda média baixa está em 10,64%; a média tem alta de 10,09%; o grupo de renda média alta tem inflação em 12 meses de 9,32% e o grupo de renda alta teve inflação de 8,91%.

A inflação para o segmento de renda baixa foi de 1,2% no mês, para a renda média baixa, 1,21%, e para o segmento de renda média alta foi de 1,04%.

Segundo o instituto, o grupo habitação exerceu a maior pressão inflacionária para as famílias dos três segmentos de renda mais baixa. Para as famílias de renda muito baixa, pesaram os reajustes de 6,5% das tarifas de energia elétrica, de 3,9% do gás de botijão e de 1,1% dos artigos de limpeza. Já os alimentos em domicílio foram puxados especialmente pelas frutas (5,4%), aves e ovos (4%) e leites e derivados (1,6%).

Leia Também:  Governo realiza obras de recuperação da trincheira Jurumirim a partir do dia 7 de junho

Leia Também

As três faixas de renda mais alta repetiram o impacto sofrido em agosto, com peso maior no grupo de transportes, influenciada pelos reajustes de 2,3% da gasolina, de 28,2% das passagens aéreas e de 9,2% dos transportes por aplicativo.

O Ipea aponta que para as famílias de renda muito baixa pesaram no acumulado do ano o aumento nos preços dos alimentos no domicílio, como carnes (24,9%), aves e ovos (26,3%) e leite e derivados (9%), além dos reajustes de 28,8% da energia e de 34,7% do gás de botijão.

Para as famílias com maiores rendimentos, a inflação acumulada sofreu impacto das variações de 42% dos combustíveis, de 56,8% das passagens aéreas, de 14,1% dos transportes por aplicativo e de 11,5% dos aparelhos eletroeletrônicos.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA