(65) 99638-6107

CUIABÁ

Brasil, mostra tua cara

ONOFRE RIBEIRO: Mauro Mendes disse que encontrou os cofres da prefeitura vazios e a cidade cheia de problemas. O antecessor, Chico Galindo também fez a mesma coisa: culpou a gestão Wilson Santos, que antes culpara a gestão Roberto França, que culpara as gestões Coronel Meirelles e Dante de Oliveira. Nada mais pobre do que isso!

Publicados

Brasil, mostra tua cara

Cuiabá é uma merda?
Onofre Ribeiro

O pessimismo de Mauro Mendes - segundo avalia Onofre Ribeiro - contamina a cidade e os seus negócios, e nos leva a crer nas teses anteriores de outros gestores de que “Cuiabá é uma cidade inadministrável”. Pura incompetência! Eu, Enock Cavalcanti, assino em abaixo. Afinal quem se candidatou dizendo que ia resolver, por que é que agora começa a bancar o bebê chorão?


O prefeito Mauro Mendes iniciou a sua administração cometendo o mesmo erro dos antecessores: criticando a gestão anterior e pondo-lhe a culpa pelos problemas que sua própria gestão vai enfrentar. Não tem erro mais grosseiro do que esse. A população já se encheu faz tempo, e só os prefeitos eleitos a cada gestão não perceberam que ninguém quer escutar desculpas: que a resposta para os problemas da cidade, que afetam os cidadãos.
Disse que encontrou os cofres da prefeitura vazios e a cidade cheia de problemas. O antecessor, Chico Galindo também fez a mesma coisa: culpou a gestão Wilson Santos, que antes culpara a gestão Roberto França, que culpara as gestões Coronel Meirelles e Dante de Oliveira. Nada mais pobre do que isso! O cidadão cuiabano, a quem a cidade deve prestar contas porque é o seu legítimo dono, fez a sua parte. Pagou os impostos diretos como IPTU e as taxas municipais. Mas de tudo o que comprou, foi-lhe cobrado o ICMS do qual uma importante parcela retorna aos cofres do município. Logo, todos, sem exceção, consomem produtos e pagam imposto à prefeitura.
Gestão é coisa do gestor. Cobrar e exigir por uma cidade decente é papel legítimo do cidadão. O gestor foi eleito sabendo o que iria encontrar. Se não sabia, pior ainda! Mostra incapacidade prévia. Voltamos ao prefeito Mauro Mendes e ao seu pessimismo. Ele foi eleito com 169.688 votos, equivalentes a 54,65% dos eleitores cuiabanos, contra 140.798 (45,35%) do opositor. Aos que o elegeram e aos que não votaram nele resta-lhes esperar dele uma gestão eficiente, eficaz e transformadora, porque, afinal, é o prefeito da cidade onde moramos todos!
O seu pessimismo contamina a cidade e os seus negócios, e nos leva a crer nas teses anteriores de outros gestores de que “Cuiabá é uma cidade inadministrável”. Pura incompetência! Mas quando o prefeito recém-eleito repete a mesma choradeira, passa atestado de despreparo e não oferece esperanças à sociedade. Em qualquer situação, nada é pior que a perda da esperança.
Não dá pra não comparar Cuiabá com sua eterna arquirrival Campo Grande. Lá esbanja-se autoestima e otimismo. E nós aqui nesse chororô infantil. Investidores escolhem cidades onde o espírito coletivo é positivo. Cidades derrotadas só atraem derrotados e outros negócios menores. Mas compreender isso requer compreender-se a alma, a história e os cenários futuros de Cuiabá.
Talvez falte isso a uma gestão que pretende ser realizadora, mas cultiva o pessimismo e não parece não ter feito planos além de tapar buracos nas ruas. Aliás, os buracos que as gestões anteriores deixaram….! Faz Cuiabá parecer uma merda. Não foi, não é e nem será, mas desde que os gestores parem de olhar no retrovisor.
Onofre Ribeiro e jornalista em Cuiabá.
[email protected]

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Taques junto com Blairo "Máquinas" apoiando Mauro na capital

Propaganda
2 Comentários

2 Comments

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Brasil, mostra tua cara

Agência Brasil explica: quem pode ser candidato no Brasil

Publicados

em

Este ano, os eleitores brasileiros voltarão às urnas para eleger o presidente da República, deputados federais, estaduais e distritais, senadores e governadores. Para concorrer aos cargos eletivos, todos os cidadãos podem participar da disputa, mas devem se enquadrar nas regras estabelecidas pela Constituição e pela legislação eleitoral. 

Para registrar as candidaturas na Justiça Eleitoral, os candidatos devem ter nacionalidade brasileira, estar em pleno exercício dos direitos políticos e devem ter domicílio eleitoral no local da eleição um ano antes do pleito, estando filiados a um partido político pelos menos seis meses antes das eleições. 

A idade mínima para candidatura também deve ser respeitada. Os candidatos para os cargos de presidente da República, vice-presidente e senador devem ter 35 anos na data da posse. Para os cargos de governador e vice a idade mínima é de 30 anos, e de 21 anos para quem vai concorrer aos cargos de deputado federal, estadual ou distrital. 

Ficha limpa

A Lei da Ficha Limpa também deve ser observada para quem pretende concorrer ao pleito. A norma entrou em vigor em 2010 para barrar a candidatura de condenados por órgãos colegiados por oito anos. 

Leia Também:  Parlamento coloca em pauta o Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Biblioteca de Mato Grosso

O primeiro turno das eleições será realizado no dia 2 de outubro de 2022. O eventual segundo turno para votação aos cargos de presidente e governador será no dia 30 do mesmo mês. A diplomação dos eleitos ocorrerá até 19 de dezembro do ano que vem.

Edição: Kleber Sampaio

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA