(65) 99638-6107

CUIABÁ

O melhor detergente é a luz do sol

“O Despertar da Palavra” – O Coletivo Literário Maria Taquara (MT) realiza 10 oficinas online gratuitas, de abril a junho de 2021

Publicados

O melhor detergente é a luz do sol

Contemplado com o prêmio Estevão de Mendonça da Secretária de Estado de Cultura, Esporte e Lazer do Governo de Mato Grosso, o coletivo literário feminista de autoras mato-grossenses Maria Taquara realizará, ao longo dos próximos meses, um super intensivo de oficinas onlines de escrita criativa em suas mais variadas linguagens: poesia, poesia visual, slam, prosa, crônica, conto, narrativas curtas, entre outras. As inscrições estão abertas e são gratuitas a todxs xs interessadxs, com ou sem experiência na criação de textos literários, através do WhatsApp (65) 8139 0607.

Entre as oficineiras, contamos com grandes nomes da literatura regional, autoras premiadas e já com vasta obra consagrada, como Divanize Carbonieri, finalista do Prêmio Jabuti, e destaques da nova geração, como a multiartista Pacha Ana. Também compõem essa constelação de mulheres protagonistas e realizadoras da palavra Marithê Azevedo, Lígia da Silva Viana, Estela Ceregatti, Jade Rainho, Juçara Naccioli, Paty Wolff, Lívia Bertges, Anna Maria Moura e Neide Silva, sob coordenação de Mari Gemma De La Cruz e Marli Walker.

O Coletivo Literário Maria Taquara – Mulherio das Letras MT, criado em novembro de 2018, tem como objetivo fomentar a participação da mulher na literatura e na arte do Estado e defender a necessidade de políticas públicas para o fomento da leitura, da literatura e das bibliotecas nos diversos níveis governamentais. Hoje, o coletivo encontra-se composto por 26 autoras.

O prêmio Estevão de Mendonça é uma iniciativa pública da Secretária de Estado de Cultura, Esporte e Lazer do Governo do Estado de Mato Grosso. Um júri técnico, formado por professores (as) doutores (as) na área, destacou os melhores trabalhos literários que receberam apoio oficial para a publicação de obras e a realização de atividades literárias. O prêmio, instituído para incentivar escritores e escritoras em atividade, rende uma justa homenagem ao historiador Estevão de Mendonça, fundador do Instituto Histórico e da Academia de Letras do nosso Estado.

Oficinas de Escrita criativa ministradas pelo Coletivo Literário Maria Taquara:

O movimento do Slam e a poesia contemporânea no Brasil, por Pacha Ana e Lígia Viana

17 de abril e 24 de abril, Sábado 09h às 11h

Princípios da narrativa curta, por Divanize Carbonieri

17 de abril e 24 de abril, Sábado das14h às 16h

Poesia & Canção: a composição da palavra na música, por Estela Ceregatti

Jade Rainho

21 e 28 de abril, Quarta-feira das 19h às 21h.

A arte como espaço e dispositivo da expressão da linguagem e pensamento do sujeito, por Neide Silva

01 de maio e 08 de maio, Sábado 09h às 11h

Narrativas de si para multiplataformas, por Marithê Azevedo

01 de maio e 08 de maio, Sábado 14h às 16h

Poesia: palavra mágica, por Jade Rainho

15 de maio e 22 de maio, Sábado 09h às 11h

Poéticas do cotidiano em contos curtos, por Paty Wolff

15 de maio e 22 de maio, Sábado 14h às 16h

Poesia visual: imagem e texto do impresso ao digital, por Lívia Bertges

29 de maio e 05 de junho, Sábado 09h às 11h

Narrativas urbanas contra o medo, por Ananás

29 de maio e 05 de junho, Sábado 14h às 16h

Poesia marginal no século XXI, por Juçara Naccioli

19 de junho e 26 de junho, Sábado 14h às 16h

Inscrições através do WhatsApp: (65) 8139 0607

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  JORNALISTA RAFAEL COSTA: Longe de defender o peemedebista Silval Barbosa, cuja gestão tem notórios exemplos de falhas, vide projetos da Copa do Mundo e tantos outros, mas Pedro Taques e seus auxiliares adotam a tática de resumir o histórico do Estado em quatro anos, esquecendo propositalmente de uma figura que é pivô de diversos escândalos políticos e financeiros: o ex-governador e atual senador Blairo Maggi
Propaganda

O melhor detergente é a luz do sol

Brasil ganha Frente Nacional de Defesa do Consumidor. Movimento buscará agenda positiva na proteção dos direitos do consumidor

Publicados

em

Um grupo plural, formado por professores, defensores públicos, advogados, membros do Ministério Público, entidades civis, representantes de Procons e cidadãos de todo o Brasil, sensibilizados com a grave situação do País, criou na última semana a Frente Nacional de Defesa do Consumidor (Fenadecon). O movimento de união prioriza uma agenda positiva na proteção dos direitos do consumidor e tem o objetivo de contribuir para solução de graves problemas, como o crescente assédio de instituições financeiras aos aposentados – que agravou o superendividamento no Brasil nos últimos anos – e ameaças de retrocessos aos direitos dos consumidores em tramitação no Congresso Nacional, como projetos de lei que pretendem impor barreiras para restringir o acesso do cidadão ao Judiciário.

Nossa intenção com a Frente é criar um espaço de diálogo e participação dos órgãos e entidades de defesa do consumidor e especialistas, propondo ações que atenuem as dificuldades das pessoas, sobretudo aquelas agravadas pelos efeitos da pandemia de Covid-19. Os problemas são muitos e estaremos mais mobilizados para propor e cobrar soluções”, afirma Amauri da Matta, ex-promotor e coordenador do Procon-MG, coordenador do movimento.

A Fenadecon tem o objetivo de debater e consolidar posicionamentos e atuar diretamente para a resolução dos problemas e propor medidas que defendam os direitos dos consumidores brasileiros. Será um canal direto e aberto de articulação entre as principais entidades do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor para estabelecer interlocução com os poderes executivo, legislativo e judiciário, e com a sociedade.

A primeira reunião que definiu a criação do movimento expôs alguns dos principais problemas que afetam os consumidores coletados por representantes de Procons de todo o Brasil. Um dos destaques foram as diversas denúncias de casos envolvendo fraudes e irregularidades na abordagem e concessão de crédito consignado para aposentados e pensionistas do INSS. Em 2020, as reclamações sobre essa modalidade de crédito registradas no Consumidor.gov.br e Banco Central cresceram 179% em relação a 2019, conforme revelou levantamento do Idec.

A Frente também acompanha a movimentação de medidas no Congresso Nacional que possam dificultar o acesso dos consumidores ao Judiciário, como projeto de lei que trata da pretensão resistida. Outros pontos de atenção do grupo são os reajustes nos planos de saúde, que tiveram aumentos acumulados no começo de 2021, e a alta de preços, em plena pandemia e crise financeira, de itens essenciais para a sobrevivência humana como alimentação e medicamentos.

A crise econômica que enfrentamos desde o ano passado teve um efeito devastador para consumidores de todas as partes do Brasil. O número de denúncias de irregularidades e dificuldade com serviços financeiros e atividades vitais deixa o consumidor em uma situação cada vez mais vulnerável e são as nossas prioridades”, completa o coordenador do grupo.

Além de dialogar com o poder público, a Frente pretende ser um canal de orientação permanente com estudos, dados científicos e debates. Sua estrutura será composta por um Comitê Executivo, um Conselho Consultivo, e por uma Coordenação e Secretaria que darão andamento às deliberações.

É muito importante para o Idec e para outras entidades esse trabalho de forma articulada e coordenada. A ameaças e retrocessos aos direitos dos cidadãos chegam em diferentes frentes e precisamos estar cada vez mais preparados e atentos para impedi-los“, afirma Teresa Liporace, diretora executiva do Idec e uma das integrantes do movimento.

FONTE IDEC

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  JOSÉ ORLANDO MURARO: Sempre brinco, dizendo que, há décadas, duas mulheres me acompanham. A primeira é a SOLIDÃO, vestida de luto, que pela janela, aguarda o meu retorno para uma casa vazia e empoeirada. Senta-se, em silêncio, na ponta da mesa, enquanto almoço. No máximo repete os versos de Pessoa: “ –Óh mar...quanto do teu sal, são lágrimas de Portugal?” É a minha herança lusitana, por parte de pai. A outra mulher é a Dona MORTE. Baixinha, velha, desdentada, com os peitos murchos balançando dentro de uma camiseta puída. Companheira de estrada, e de tantas e tantas confusões em que me meti pela vida. Ela visitou a maior parte dos meus inimigos. Poucos restam. E eu atingi uma idade improvável para alguém que já esteve em situações bem delicadas. Belicosa, não repete versos de ninguém, apenas se distrai amolando facas. É a minha herança italiana
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA