(65) 99638-6107

CUIABÁ

O melhor detergente é a luz do sol

Lúdio Cabral apresenta emendas ao PLDO para garantir RGA dos servidores e isenção de aposentados

Publicados

O melhor detergente é a luz do sol

 

Foto: Marcos Lopes

O deputado estadual Lúdio Cabral (PT) apresentou emendas ao Projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) 2022, para assegurar direitos aos servidores ativos e inativos de Mato Grosso. O parlamentar pediu vista na semana passada e devolve o projeto com as emendas na terça-feira (31), para passar pela 1ª votação.
Uma das emendas de Lúdio modifica o artigo 52 da LDO e garante a reposição da inflação aos servidores, de modo que a Revisão Geral Anual (RGA) de 2022 tenha que ser de, no mínimo, a inflação registrada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano 2021. Essa emenda inclui também os aposentados e pensionistas na previsão de receber RGA.
“Os servidores públicos, principalmente os aposentados e pensionistas, foram muito sacrificados nos últimos anos em Mato Grosso. A reposição de 2% feita pelo governador em 2021 é irrisória. A perda salarial dos servidores da ativa foi de 21% nos últimos 4 anos, e dos inativos foi de 35%. Além da perda pela inflação, os aposentados e pensionistas tiveram 14% da remuneração confiscada a título de contribuição previdenciária. Parte desse confisco foi amenizado neste mês, mas a justiça ainda não foi feita, pois a isenção ainda não chega ao teto do INSS, como seria justo”, afirmou Lúdio.
Outra emenda do parlamentar adiciona o artigo 50-A e assegura previsão orçamentária para que os servidores aposentados e pensionistas sejam isentos da contribuição previdenciária até o teto do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). A expectativa do deputado é retomar o debate com um novo projeto sobre a isenção da Previdência para o conjunto dos aposentados e pensionistas no próximo ano.
Lúdio Cabral afirmou que o Estado de Mato Grosso tem dinheiro de sobra em caixa, pois fechou o ano de 2020 com superávit de R$ 3,9 bilhões, segundo dados da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), apresentados no balanço do 3º quadrimestre de 2020. Além disso, a despesa do Estado com pessoal chegou a 44% da receita corrente líquida, limite abaixo do permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal e, portanto, com margem de R$ 1 bilhão para conceder a reposição salarial.

Leia Também:  BLOGUEIRO MIGUEL DO ROSÁRIO: Condenação de Pallocci (por corrupção passiva e lavagem de dinheiro) é mais jogo sujo de Sérgio Moro. LEIA DECISÃO

Fonte: ALMT

Lúdio, deputado estadual. Foto JL Siqueira ALMT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

O melhor detergente é a luz do sol

JORGE YANAI: Tem umas coisinhas que nós, médicos experientes, nunca vamos abrir mão: os exames clínicos e a boa e velha prosa com o paciente

Publicados

em

50 anos de Medicina

POR JORGE YANAI

 

 

Ano que vem completo 50 anos de Medicina mas quero hoje dividir um pensamento com você.

Nós médicos, somos notáveis pela mão de Deus e com o uso da ciência,  para prevenir, curar, intervir e salvar. Isso merece, sim, uma data e ela tá prontinha, 18 de outubro.

Mas e o dia do paciente, quando comemorar? Sem ele, não tem médico, enfermeiro, técnicos, recepcionistas, hospital, laboratório. É dele que depende o nosso sucesso e é por ele que trabalhamos, isso não pode ser esquecido. Jamais.

Então, todos os dias são dias dos pacientes, inclusive o 17 de setembro, Dia Mundial da Segurança do Paciente, algo mais amplo, conceitual mas ainda pouco pessoal, pouco humano, de verdade.

Na medicina moderna, andamos meio distantes desse protagonista. A internet, os exames, a tecnologia, nos tiram um pouco da proximidade, da intimidade, do toque e do abraço.

Nos últimos anos a pandemia também fez com que essa relação se tornasse mais “europeia” e o bom e velho tempo,  a tal  correria que usamos como desculpa, encurtam as consultas. Infelizmente.

Considero que o médico moderno, deve sim, usar todos os recursos para ser melhor, para fazer o  melhor. Só que tem umas coisinhas que nós, experientes, nunca vamos abrir mão: os exames clínicos e a boa e velha prosa com o paciente.

Muitas coisas são descobertas, ouvindo histórias, observando o tom de voz, gestos, olhares, postura, carências, excessos… porque, afinal, ser médico, também é: ler as pessoas.

Que a tecnologia, o tempo e o respeito aos bons métodos sejam uma forte corrente para que os atuais e futuros médicos possam unir-se às causas que vão além das datas comemorativas.

Um abraço do amigo,

Leia Também:  FHC: Nossos partidos ficaram aquém das expectativas. Mesmo PSDB e PMDB se enredaram na teia das corrupções

Jorge Yanai, médico desde 1972… e eterno aprendiz das necessidades humanas.

Jorge Yanai

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA