(65) 99638-6107

CUIABÁ

O melhor detergente é a luz do sol

Italianos receberão auxílio universal de R$ 1,1 mil por filho a partir de 2022

Publicados

O melhor detergente é a luz do sol

 

 

source
Italianos receberão auxílio universal de R$ 1,1 mil por filho a partir de 2022
Pexels – RODNAE Productions

Italianos receberão auxílio universal de R$ 1,1 mil por filho a partir de 2022

O governo da Itália aprovou nesta quinta-feira (18) o decreto que regulamenta um programa social que pagará um benefício mensal de até 175 euros – o equivalente a R$ 1,1 mil pela cotação atual – por cada filho menor de idade.

Uma iniciativa semelhante já está em vigor desde 1º de julho para famílias de baixa renda, mas se tornará universal a partir de março de 2022, substituindo todos os outros auxílios familiares distribuídos pelo governo italiano. As inscrições, no entanto, já começam em 1º de janeiro.

Para receber o benefício atualmente, a família não pode ter Indicador de Situação Econômica Equivalente (ISEE), instrumento que mede a condição de vida com base na renda anual e no patrimônio, superior a 50 mil euros por ano.

No entanto, a partir de 2022 o programa englobará todas as pessoas legalmente residentes na Itália há pelo menos dois anos, incluindo imigrantes. O valor do benefício será calculado de acordo com o ISEE: famílias com indicador inferior a 15 mil euros ganharão 175 euros por filho, e núcleos com ISEE superior a 40 mil euros receberão o piso de 50 euros (R$ 314).

Leia Também:  Projeto incentiva produção agroecológica em comunidades rurais de Sinop

Esses valores serão reajustados para 85 (R$ 534) e 25 euros (R$ 157), respectivamente, para filhos entre 18 e 21 anos de idade.

O programa também prevê bônus para determinadas categorias, como mães com menos de 21 anos (mais 20 euros mensais por filho, independentemente da renda) ou núcleos de baixa renda com dois genitores que trabalhem (mais 30 euros por filho).

Leia Também

Além disso, o governo pagará um valor extra de 15 a 85 euros a partir do terceiro filho, e mais 100 euros a partir do quarto filho. Uma família com quatro filhos, por exemplo, pode receber mais de mil euros por mês (R$ 6,3 mil), caso seja de baixa renda e os dois genitores trabalhem.

O benefício ainda será vitalício para famílias com filhos com deficiência, com valor extra de 105 euros ao mês para menores de idade que não sejam autossuficientes, 95 euros para “deficiência grave” e 85 para “deficiência média”. Caso o filho tenha entre 18 e 21 anos, o bônus será de 50 euros por mês; e a partir dos 21 anos, entre 25 e 85 euros, de acordo com a renda familiar.

O governo estima que o programa custará 15 bilhões de euros em 2022, valor que deve chegar a quase 20 bilhões no fim da década. “O pagamento único universal é uma grande reviravolta”, afirmou a ministra das Deficiências da Itália, Erika Stefani.

A medida também é uma forma de estimular a natalidade em um país que vem de consecutivos recordes negativos: foram apenas 404,1 mil nascimentos em 2020, número mais baixo já registrado no país e 16 mil a menos que no ano anterior. Com isso, a população italiana já acumula seis anos seguidos de queda.

Para tentar reverter a tendência, sucessivos governos já implantaram diversas medidas de estímulo à natalidade, embora o país ainda proíba práticas que poderiam incentivar as pessoas a ter filhos, como o acesso de homossexuais e solteiros a procedimentos de reprodução assistida.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Dinheiro na mão é vendaval

Procon-RJ multa iFood em R$ 1,5 milhão por troca de nomes de restaurantes

Publicados

em

 

 

source
Empresa deverá pagar indenização por não prestar informações sobre alteração em nomes de restaurantes
Sophia Bernardes

Empresa deverá pagar indenização por não prestar informações sobre alteração em nomes de restaurantes

O iFood foi multado R$ 1.508.240 pelo Procon-RJ por não prestar informações necessárias que garantirassem que os dados dos clientes estavam seguros, após uma pane no sistema que levou os nomes de vários restaurantes listados pelo serviço de entregas serem substituídos por mensagens políticas, antivacina e dados de app rival no último dia 2 de novembro.

Segundo o Procon Carioca, o IFood chegou a informar que as alterações teriam sido feitas por uma empresa prestadora de serviço, mas que não houve vazamento de dados pessoais dos consumidores nem de informações sobre cartões de débito ou crédito cadastrados como meios de pagamento.

Leia Também

No entanto, como o aplicativo declara em sua política de privacidade compartilhar dados com empresas terceirizados, incluindo os meios de pagamento, o Procon Carioca pediu ao iFood esclarecimentos sobre a vulnerabilidade de exposoção de dados dos consumidores, como CPF, endereço, cartões.

O Procon Carioca solicitou também informações sobre quais estabelecimentos foram afetados por esse acesso indevido, por quanto tempo os nomes ficaram alterados, qual foi o prazo para correção do sistema, quantas compras foram realizadas durante o acesso indevido e qual a identificação da empresa prestadora de serviços que deu causa ao acontecimento e suas atribuições na gestão da plataforma.

Segundo o órgão de defesa do consumidor a ausência de documentos comprobatórios de que não houve vazamento de dados e sobre o incidentes em si levou à multa. A empresa ainda pode recorrer.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA