(65) 99638-6107

CUIABÁ

O melhor detergente é a luz do sol

HISTORIADOR SEBASTIÃO CARLOS: As ideias conspirativas contra o presidente da República encontraram em Mato Grosso terreno fertilíssimo. O governador Corrêa da Costa que já trabalhava o meio civil desde a sua eleição em 1961, recebeu com grande satisfação a transferência do Coronel Carlos de Meira Mattos para comandar o 16º Batalhão de Cavalaria. Elemento afinadíssimo com os conspiradores nacionais, Meira Mattos tão logo chega a Cuiabá passa a articular abertamente a contestação armada ao governo central

Publicados

O melhor detergente é a luz do sol

JANGO MARIA TERESAMATO GROSSO E O GOLPE DE 1964 – II

SEBASTIÃO CARLOS

Em Mato Grosso, as oligarquias locais vinham, com tranquilidade, se revezando no poder desde a redemocratização em 45. Aliás, como acontecera, embora com outros nomes, na República Velha. O PSD e a UDN, não obstante partidariamente se digladiassem nas disputas locais, em âmbito nacional, no campo do comprometimento ideológico, estavam mais que afinados com as forças mais conservadoras e de direita do país. Afinal, a oposição significativamente mais numerosa ao governador era comandada pelo senador Filinto Müller, conhecida figura nacional da direita. A terceira força política, representada pelo PTB, o partido do presidente da República, era apenas incipiente e, no que tinha de representativo como quadro partidário, era liderado por outra figura conservadora, por sinal o irmão de Filinto, o ex-interventor federal (1937-1945) Júlio Strubing Müller. É bem verdade, que esse partido estava começando a por a cabeça de fora, mas ainda sem musculatura suficiente para oferecer, naquele momento, alternativa aos dois maiores. É digno de nota, porém, assinalar-se que em seu interior estava se firmando um grupo, autodenominado “novo PTB”, em que elementos de esquerda, particularmente no sul do Estado, estavam tendo forte presença. O maior representante desse grupo era o médico e coronel da reserva da FAB, Wilson Fadul que, então deputado federal, fora candidato ao governo em 1958.

Enquanto que aqueles plenamente identificados com o presidente da Republica, representados pelo Partido Trabalhista Brasileiro, era um grupo numericamente insignificante, e constituído em sua expressiva maioria por profissionais liberais e alguns poucos líderes estudantis, formando uma minoria dentro da própria agremiação, já que a chefia partidária era conservadora, as forças no campo da oposição a Jango eram hegemônicas e constituíam uma estreita e sólida aliança entre a oligarquia política e a mais forte estrutura econômica existente no Estado.

Leia Também:  ADVOGADO RENATO NERY: Com a aprovação da reforma trabalhista, os empregados e empregadores se libertarão do excesso de regulamentação

Em contraponto à fragilidade daqueles, estas últimas vinham, desde há muito, se articulando. Na montante da contestação comandada por poderosos setores do meio rural e industrial, e de políticos com forte penetração na classe média, além dos estamentos militares, as ideias conspirativas contra o presidente da República encontraram em Mato Grosso terreno fertilíssimo. O governador Corrêa da Costa que já trabalhava o meio civil desde a sua eleição em 1961, recebeu com grande satisfação a transferência do Coronel Carlos de Meira Mattos para comandar o 16º Batalhão de Cavalaria. Elemento afinadíssimo com os conspiradores nacionais, Meira Mattos tão logo chega a Cuiabá passa a articular abertamente a contestação armada ao governo central sendo o principal e mais importante elo entre militares e civis em Mato Grosso e sua eficaz ligação com o comando nacional dos conspiradores.

A articulação sediosa na capital era feita a céu aberto. Rubens de Mendonça, em seu Histórias das Revoluções em Mato Grosso, reproduz artigo de Meira Mattos, no qual, falando na terceira pessoa, diz claramente que, “desde sua chegada, em principio de outubro de 1963, preocupou-se em fazer pregação, entre os seus oficiais e amigos civis, sobre  necessidade de se estar preparados para apoiar-se um movimento de salvação de nossa democracia e de restauração dos costumes políticos, movimento este em gestação nas principais capitais do país”. Vê-se, pois, que antes mesmo dos fatos que são comumente alegados como justificativa para a deflagração do movimento, ou seja, o comício da Central do Brasil, no dia 13 de março, ou a reunião de Jango com os marinheiros, o que efetivamente se constituiu numa imperdoável quebra da hierarquia, a conspiração para a deposição já estava em marcha há muito tempo.

Leia Também:  ADVOGADO RENATO GOMES NERY: É imprescindível que se mantenha a nossa incipiente democracia. O caminho do arbítrio nós já conhecemos

Por sua vez, o governador, tendo dado “o apoio decidido e franco” ao coronel Meira Matos, agia febrilmente para arregimentar todas as forças políticas e econômicas do Estado. Um dos mais fieis aliados de Corrêa da Costa e convicto conspirador era o advogado Demosthenes Martins. Posteriormente ele relataria em suas memórias A poeira da jornada: “Nos primeiros dias de março, o Governador Fernando Corrêa deslocou-se de Cuiabá para Campo Grande a fim de melhor esquematizar, com elementos vinculados à reação, as providências a serem desenvolvidas e aguardar a designação da data da reunião dos governadores do Centro-Sul, na qual se traçaria a ação a seguir”.

———————————————————————–

sebastião carlos advogado e professor mt

Sebastião Carlos Gomes de Carvalho é historiador e advogado. É membro do Instituto dos Advogados Brasileiros (RJ) e da Academia Mato-Grossense de Letras.

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

O melhor detergente é a luz do sol

CULTURA DE MATO GROSSO: Trajetória do artista Benedito Nunes é perpetuada em site e documentário

Publicados

em

 

Apelidado carinhosamente de Van Gogh do Cerrado, a trajetória do artista plástico Benedito Nunes está eternizada no site que leva o nome dele, e que conta com detalhes a história de vida e o legado cultural deixado pelo mato-grossense, que gostava de retratar a natureza da região e o cotidiano da cuiabania. Aprovado no edital Conexão Mestres da Cultura, da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), o projeto ‘Tributo ao Mestre do Cerrado: Benedito Nunes’, conta também com o documentário ‘Se essa rua fosse Nunes’, com estreia para esta sexta-feira (26.11), na plataforma digital que homenageia o artista.

Falecido em março do ano passado, aos 63 anos de idade, Benedito Nunes é considerado um dos mais importantes artistas da famosa ‘Geração 80’. Nascido em 1956, era pintor, desenhista, professor e escultor. Ganhou reconhecidos prêmios nas artes visuais, participou de importantes exposições no Brasil e fora do país. E, os seus 30 anos de história com a arte, a biografia é contada pelo professor e crítico de arte Laudenir Antônio Gonçalves, disponível no site lançado pelo projeto.

Leia Também:  Juína comemora 39 anos com ações do Governo do Estado em infraestrutura, logística e agricultura familiar

A plataforma traz também o documentário ‘Se essa rua fosse Nunes’, produzido a partir das imagens e narração sobre as obras do artista. Também estão disponíveis no site uma galeria virtual e uma oficina apresentada pela proponente do projeto ‘Tributo ao Mestre do Cerrado: Benedito Nunes’, a artista Tânia Pardo.

“Nunes, além de ser um artista acessível e carismático, era famoso por retratar o cenário mato-grossense. Assim ficou conhecido como o Van Gogh do Cerrado, deixando sua marca na arte brasileira. Foi um grande artista, premiado em vários salões, não só em Mato Grosso, mas também fora. Reconhecido no Brasil por seu estilo, nos deixou um grande legado”, destaca Tania Pardo.

Conexão Mestres da Cultura – O edital surgiu para compartilhar os saberes e fazeres artísticos e culturais do estado, reconhecendo o trabalho desenvolvido por pessoas impactaram a cultura mato-grossense, considerando sua contribuição para o fortalecimento da cultura do estado e sua importância para a comunidade que atua.

Fonte: GOV MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA