(65) 99638-6107

CUIABÁ

Alguma coisa está fora da ordem

GIBRAN LACHOWISKI: Governo do Recruta Zero mistura familiocracia com coisas de Estado e se vale mais de milícias que de direitos humanos

Publicados

Alguma coisa está fora da ordem

O atual presidente


 
Política da distração
Por Gibran Lachowski
 
Atentar-se às brigas entre os estratos militares do governo do Recruta Zero é desperdício de energia. Focar atenção nos despautérios triviais de um imbecil que faz de tudo pra chamar a atenção também não é inteligente. Como não é inteligente responder de forma picada a cada ação, com ou sem chocolatinhos, de um pseudo ministro da Educação.
 
Estamos diante de uma calculada política de distração.
 
Nada melhor, portanto, do que concentrar-se no que interessa, denunciando o projeto de país que este desgoverno propõe e tenta executar.
 
Um projeto ultraliberal, que não respeita o ser humano, não tem noção de política pública, não sabe o que é nacionalismo e nem faz mais questão de disfarçar.
 
Que mistura familiocracia com coisas de Estado e se vale mais de milícias que de direitos humanos.
 
Que, para nossa vergonha internacional, se ajoelha subserviente à administração Trump, mas que dentro de casa traveste-se de machão, governando por decretos, temeroso dos desgastes junto ao Congresso Nacional.
 
Por isso, o foco é rua, mobilização, protestos, atos públicos, passeatas, diálogos nas praças, contato direto com as pessoas, olhos nos olhos, mãos nos ombros, apertos de mãos, abraços apertados, mãos dadas, punhos cerrados, gritos incontidos por transformação.
 
É NÃO à Reforma da Previdência, NÃO ao corte bilionário na educação, NÃO à liberação tresloucada de armas, NÃO à liberação indiscriminada de veneno para o agronegócio. É NÃO.
 

 
Gibran Lachowski, jornalista e professor universitário em Mato Grosso
 
 
 
 
 
 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  SINDICALISTA JOÃO BATISTA DE SOUZA: Pior que a violência generalizada da massa criminosa só mesmo a corrupção e a má gestão pública

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Alguma coisa está fora da ordem

LÚDIO CABRAL: 5 mil vidas perdidas para a covid em Mato Grosso

Publicados

em

Por

CINCO MIL VIDAS

Lúdio Cabral*

Cinco mil vidas perdidas. Esse é o triste número que Mato Grosso alcança hoje, dia 26 de janeiro de 2021, em decorrência da pandemia da covid-19.

Cada um de nós, mato-grossenses, convivemos com a dor pela perda de alguém para essa doença. Todos nós perdemos pessoas conhecidas, amigos ou alguém da nossa família.

A pandemia em Mato Grosso foi mais dolorosa que na maioria dos estados brasileiros e o fato de termos uma população pequena dificulta enxergarmos com clareza a gravidade do que enfrentamos até aqui.

A taxa de mortalidade por covid-19 na população mato-grossense, de 141,6 mortes por 100 mil habitantes, é a 4ª maior entre os estados brasileiros, inferior apenas aos estados do Amazonas (171,9), Rio de Janeiro (166,2) e ao Distrito Federal (147,0). O número de mortes em Mato Grosso foi, proporcionalmente, quase 40% superior ao número de mortes em todo o Brasil. Significa dizer que se o Brasil apresentasse a taxa de mortalidade observada em Mato Grosso, alcançaríamos hoje a marca de 300.000 vidas perdidas para a covid-19 no país.

Lembram do discurso que ouvimos muito no início da pandemia? De que Mato Grosso tinha uma população pequena, uma densidade populacional baixa, era abençoado pelo clima quente e que, por isso, teríamos poucos casos de covid-19 entre nós?

Leia Também:  Emanuel Pinheiro apresenta relatório da CPI do MT Saúde nesta 3ª. Se relatório não agradar, Luciane Bezerra já anunciou que fará relatório paralelo. Ela recebeu apoio do Fórum Sindical. Veja no vídeo

Lembram do posicionamento oficial do governador de Mato Grosso no início da pandemia, de que o nosso estado não teria mais do que 4.000 pessoas infectadas pelo novo coronavírus?

Infelizmente, a realidade desmentiu o negacionismo oficial e oficioso em nosso estado. Não sem muita dor. O sistema estadual de saúde não foi preparado de forma adequada. Os governos negligenciaram a necessidade de isolamento social rigoroso em momentos cruciais e acabaram transmitindo uma mensagem irresponsável à população. O resultado disso tudo foram vidas perdidas.

Ao mesmo tempo, o Mato Grosso do sistema de saúde mal preparado para enfrentar a pandemia foi o estado campeão nacional em crescimento econômico no ano de 2020. Isso às custas de um modelo de desenvolvimento que concentra renda e riqueza, de um sistema tributário injusto que contribui ainda mais com essa concentração, e de um formato de gestão que nega recursos às políticas públicas, em especial ao SUS estadual, já que estamos falando em pandemia.

Dolorosa ironia do destino, um dos municípios símbolo desse modelo de desenvolvimento, Sinop, experimentou mortalidade de até 100% entre os pacientes internados em leitos públicos de UTI para adultos em seu hospital regional.

Nada acontece por acaso. Os números da covid-19 em Mato Grosso não são produto do acaso ou de mera fatalidade. Os números da covid-19 em Mato Grosso são produto de decisões governamentais, de escolhas políticas determinadas por interesses econômicos, não apenas agora na pandemia, mas por anos antes dela. E devemos ter consciência disso, do contrário, a história pode se repetir novamente como tragédia.

Leia Também:  SAÍTO, inquieto, discorre sobre a Democracia e orienta que devemos reconstruí-la a todo momento, já que seu conceito é dinâmico como dinâmica é a sua essência. Na expressão de Pablo Neruda, "a pedra cresce onde a gota tomba"

Temos que ter consciência dessas injustiças estruturais para que possamos lutar e acabar com elas. A dor que sofremos pelas pessoas que perdemos para a pandemia tem que nos mobilizar para essa luta.

Lutar por um modelo de desenvolvimento econômico que produza e distribua riqueza e renda com justiça, que coloque pão na mesa de todo o nosso povo e que proteja a nossa biodiversidade. Lutar por um sistema tributário que não sacrifique os pequenos para manter os privilégios dos muito ricos. Lutar por políticas e serviços públicos de qualidade para todos os mato-grossenses. Lutar pelo SUS, por um sistema público de saúde fortalecido e capaz de cuidar bem de toda a nossa população.

São essas algumas das lições que precisamos aprender e apreender depois de tantos meses de sofrimento e dor, até porque a tempestade ainda vai levar tempo para passar.

*Lúdio Cabral é médico sanitarista e deputado estadual pelo Partido dos Trabalhadores em Mato Grosso.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA