(65) 99638-6107

CUIABÁ

Alguma coisa está fora da ordem

FILÓSOFA MARILENA CHAUI: "Desmontagem" da democracia, no Brasil e ao redor do mundo, é resultado do poder da economia política neoliberal

Publicados

Alguma coisa está fora da ordem

Marilena Chauí

Seminário Internacional

Globalização desigual e avanço do capital ameaçam a democracia

Evento em São Paulo reúne expoentes da política mundial para identificar possíveis causas da atual “desordem” mundial, que se expressa na crise das instituições e no crescimento do ódio político
por Tiago Pereira, da RBA
Brasil de Fato
Seminário Ameaças à democracia

Ex-secretário-geral da Anistia Internacional diz que o Brasil perde credibilidade ao não cumprir decisão de comitê da ONU

São Paulo – A intolerância e o ódio político avançam e todo o mundo. Não são causas, mas consequências de um processo maior de desarranjo das instituições internacionais e nacionais, sob ataque das forças econômicas do mercado, que pregam a desregulamentação. Querem acabar com a política como esfera de mediação de conflito na sociedade, substituindo-a pelos critérios supostamente técnicos e gerenciais, com as disputas sendo resolvidas pela via jurídica. O “totalitarismo do mercado” pretende reduzir todas as esferas da vida social a um único modelo de organização: a empresa.
Esta é uma parte do diagnóstico apontado por pensadores e políticos de prestígio internacional que se reuniram em São Paulo nesta sexta-feira (14) no seminário Ameaças à Democracia e a Ordem Multipolar, iniciativa do ex-ministro das Relações Exteriores e da Defesa Celso Amorim e da Fundação Perseu Abramo.
A primeira mesa, que debateu mais detidamente a crise do multilateralismo, contou com a participação do ex-primeiro-ministro francês Dominique Villepin, do ex-primeiro-ministro italiano Massimo D’Alema, do ex-secretário geral da Anistia Internacional Pierre Sané, do ex-ministro argentino das Relações Exteriores Jorge Taiana e da filosofa Marilena Chaui, professora emérita da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

Desordem

Villepin apontou desequilíbrios geopolíticos, ideológicos e sociais que ameaçam a ordem internacional. Uma “potência decadente”, os Estados Unidos, que vê a China como um rival em ascensão. Um presidente, Donald Trump, que aposta no “caos” e não tem receio de atacar organismos internacionais e romper tratados. Trump também é símbolo, segundo o francês, do fortalecimento do conservadorismo populista ou supremacista, julgando que alguns países, grupos sociais ou pessoas que querem mandar nos demais.
Ele diz que, nos últimos anos, o Brasil foi um “ator maior” do jogo internacional, oferecendo estabilidade e novas linhas de abordagem para assuntos tradicionais, baseadas na cooperação, com destaque para os Brics. Agora, segundo Villepan, o país enfrenta um “ponto de inflexão”, e deve escolher entre o caminho da democracia ou se vai embarcar em direção à violência política, com mais ódio e medo. Segundo ele, os regimes democráticos também devem dar respostas efetivas sobre questões como a crescente desigualdade e a imigração, para não parecer que os regimes autoritários são mais eficazes.
Segundo ele, a política e a história são mais importantes agora que em qualquer outro momento, num mundo tomado por discussões que se desenvolvem em redes sociais, em que “uma ideia vai rechaçando a outra”, para apontar caminhos democráticos que resolvam as desigualdades sociais, evitando erros do passado. Apesar do quadro dramático, Villepin diz ser otimista e acredita que a democracia brasileira vai se levantar de novo.

Leia Também:  JORNALISTA PAULO NOGUEIRA: O grande azar de Eduardo Cunha foi ter ficado ao alcance de quem não está sob seu domínio nem de seus amigos e aliados: a Suíça. No Brasil, Cunha permaneceria impune como sempre aconteceu nestes anos todos de uma carreira obscura e cheia de acusações de delinquência. Nem Moro e nem a Polícia Federal têm alguma ação sobre tipos como Cunha. É preciso destacar também o papel patético, nesta história criminosa, do PSDB. É uma demonstração incontestável de que a lengalenga anticorrupção do PSDB é a continuação da mesma estratégia golpistas que matou Getúlio e derrubou Jango. É a velha UDN de Lacerda ressuscitada nos tucanos.

Desigualdade

O italiano Massimo D’Alema afirmou que uma “visão otimista” sobre a globalização, durante os anos 1990, que imaginou que um “liberalismo temperado com valores da social-democracia europeia” poderiam ser a solução para os problemas do mundo, acabou por subestimar o crescimento das desigualdades e do fortalecimento do capitalismo financeiro, que ameaçam a democracia. Ao mesmo tempo em que se criou uma enorme riqueza “apropriada por poucos”, o trabalho era “depreciado”, o emprego diminuía, as as populações se viam “impotentes frente ao avanço do capital financeiro”.
Segundo ele, sem a busca por justiça social e a redução das desigualdades, a democracia ficou reduzida a regras formais que servem muito mais às classes dominantes. Elas ainda contam com novas formas de influenciar a disputa política, por meio das diversas possibilidades de manipulação abertas pelas redes sociais. Além de contribuir para a disseminação do ódio político, as redes também colaboram com a desinformação, segundo D’Alema, citando a campanha anti-vacina que também atingiu a Itália. “A internet, que pode ser uma forma incrível para emponderar democracia, corre risco de se tornar ferramenta para manipular e envenenar a vida pública.”
Sobre o Brasil, ele diz que todos estão muito preocupados com a escalada de violência na política, principalmente após o episódio da facada no candidato Jair Bolsonaro (PSL). Contudo, ele citou o golpe do impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff e a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ignorando posicionamento do Comitê de Direitos Humanos da ONU, são precedentes importantes que levaram à atual situação. Após visita ao ex-presidente em Curitiba, D’Alema diz que o encontrou “um pouco ferido pelas injustiças”, mas afirmou que Lula é um lutador e sabe que o que está em jogo, nesse momento, é a democracia.

Desrepeito

O senegalês Pierre Sané ressaltou que os governos que integram o sistema internacional, como o Brasil, devem respeitar os direitos humanos e as decisões do comitê da ONU, órgão que fui instituído por esses mesmos governos para garantir a preservação dos direitos em todo o mundo. Ele citou concepções de John Keane, autor do livro Vida e Morte da Democracia (Edições 70), para dizer que as aspirações por democracia são universais, com raízes históricas de mais de 5 mil anos.
Citando Keane, Sané destacou que a democracia é a forma de governo “dos humildes, pelos humildes e para os humildes”, e afirmou que Lula e o ex-presidente sul-africano Nelson Mandela são a “personificação” dessa forma de governar, e lamentou a que Lula esteja preso “por acusações sem muito respaldo”.
Ele disse que Senegal, que importou do Brasil experiências no combate à miséria, como o Bolsa Família e Fome Zero, agora sofre também com a judicialização da política. Sané afirmou acompanhar o desdobramento dessas ações por aqui, pois, o fogo que consome as instituições no Brasil podem “incendiar nossas casas, no continente africano, consumindo a nossa democracia”.

Leia Também:  Uma reflexão do magistrado e professor Saíto acerca da forma como opções como a fé e acontecimentos como a morte nos afetam.

Tragédia

Marilena Chaui classificou o momento por qual passa o Brasil não apenas como “sombrio e dramático”, mas até mesmo “trágico”. Ela destacou que a “desinstitucionalização” e a “desmontagem” da democracia, por aqui e ao redor do mundo, são resultado do poder, explícito ou disfarçado, da economia política neoliberal. O neoliberalismo, segundo ela, que atua para destruir instituições  como o parlamento, partidos e sindicatos, representa uma nova forma de “totalitarismo”.
Além de querer transformar as instituições públicas em empresas, privatizando direitos, o neoliberalismo cria ainda uma “nova subjetividade” narcisista e individualista, em que os indivíduos, privados de qualquer laço social, se tornam “empresários de si mesmos”. Aos perdedores, é atribuída a culpa pelo fracasso, que desencadeia “ódios e violências de todo o tipo”. A judicialização da política, segundo ela, é a reprodução na sociedade do modo empresarial de solução de conflito que nega a política. Dentro dessa lógica, as eleições deste ano se transformaram em um “problema” para as forças capitalistas, ainda mais pelo “vigor político” que os setores progressistas vêm demonstrando, com possibilidades reais de fazer um vencedor.

Desafios

O ex-chanceler argentino Jorge Taiana ressaltou que o seu país também vive cenário parecido com o do Brasil, com retirada de direitos dos trabalhadores, combinada com a perseguição jurídica a políticos. Até mesmo o tom dos editoriais jornalísticos são parecidos, difundindo mentiras “vergonhosas” para descredibilizar o Comitê de Direitos Humanos da ONU. Segundo ele, os países da América Latina conseguiram certo nível de desenvolvimento autônomo, no final dos anos 1990 e início de 2000, quando os Estados Unidos estavam envolvidos com a chamada “guerra ao terror”.
A crise mundial, que começou em 2008 e a mudança de concepção de defesa norte-americana, que passou a priorizar a contenção da China e da Rússia, fez com que os Estados Unidos buscassem restaurar uma ordem na América Latina que os favoreça, recuperando antigos privilégios, e combatendo caminhos de desenvolvimentos autônomos que tiveram o venezuelano Hugo Chávez e Lula como seus principais expoentes, de acordo com Taiana.

FONTE REDE BRASIL ATUAL

COMENTE ABAIXO:

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

Alguma coisa está fora da ordem

LÚDIO CABRAL: 5 mil vidas perdidas para a covid em Mato Grosso

Publicados

em

Por

CINCO MIL VIDAS

Lúdio Cabral*

Cinco mil vidas perdidas. Esse é o triste número que Mato Grosso alcança hoje, dia 26 de janeiro de 2021, em decorrência da pandemia da covid-19.

Cada um de nós, mato-grossenses, convivemos com a dor pela perda de alguém para essa doença. Todos nós perdemos pessoas conhecidas, amigos ou alguém da nossa família.

A pandemia em Mato Grosso foi mais dolorosa que na maioria dos estados brasileiros e o fato de termos uma população pequena dificulta enxergarmos com clareza a gravidade do que enfrentamos até aqui.

A taxa de mortalidade por covid-19 na população mato-grossense, de 141,6 mortes por 100 mil habitantes, é a 4ª maior entre os estados brasileiros, inferior apenas aos estados do Amazonas (171,9), Rio de Janeiro (166,2) e ao Distrito Federal (147,0). O número de mortes em Mato Grosso foi, proporcionalmente, quase 40% superior ao número de mortes em todo o Brasil. Significa dizer que se o Brasil apresentasse a taxa de mortalidade observada em Mato Grosso, alcançaríamos hoje a marca de 300.000 vidas perdidas para a covid-19 no país.

Lembram do discurso que ouvimos muito no início da pandemia? De que Mato Grosso tinha uma população pequena, uma densidade populacional baixa, era abençoado pelo clima quente e que, por isso, teríamos poucos casos de covid-19 entre nós?

Lembram do posicionamento oficial do governador de Mato Grosso no início da pandemia, de que o nosso estado não teria mais do que 4.000 pessoas infectadas pelo novo coronavírus?

Infelizmente, a realidade desmentiu o negacionismo oficial e oficioso em nosso estado. Não sem muita dor. O sistema estadual de saúde não foi preparado de forma adequada. Os governos negligenciaram a necessidade de isolamento social rigoroso em momentos cruciais e acabaram transmitindo uma mensagem irresponsável à população. O resultado disso tudo foram vidas perdidas.

Ao mesmo tempo, o Mato Grosso do sistema de saúde mal preparado para enfrentar a pandemia foi o estado campeão nacional em crescimento econômico no ano de 2020. Isso às custas de um modelo de desenvolvimento que concentra renda e riqueza, de um sistema tributário injusto que contribui ainda mais com essa concentração, e de um formato de gestão que nega recursos às políticas públicas, em especial ao SUS estadual, já que estamos falando em pandemia.

Dolorosa ironia do destino, um dos municípios símbolo desse modelo de desenvolvimento, Sinop, experimentou mortalidade de até 100% entre os pacientes internados em leitos públicos de UTI para adultos em seu hospital regional.

Nada acontece por acaso. Os números da covid-19 em Mato Grosso não são produto do acaso ou de mera fatalidade. Os números da covid-19 em Mato Grosso são produto de decisões governamentais, de escolhas políticas determinadas por interesses econômicos, não apenas agora na pandemia, mas por anos antes dela. E devemos ter consciência disso, do contrário, a história pode se repetir novamente como tragédia.

Temos que ter consciência dessas injustiças estruturais para que possamos lutar e acabar com elas. A dor que sofremos pelas pessoas que perdemos para a pandemia tem que nos mobilizar para essa luta.

Lutar por um modelo de desenvolvimento econômico que produza e distribua riqueza e renda com justiça, que coloque pão na mesa de todo o nosso povo e que proteja a nossa biodiversidade. Lutar por um sistema tributário que não sacrifique os pequenos para manter os privilégios dos muito ricos. Lutar por políticas e serviços públicos de qualidade para todos os mato-grossenses. Lutar pelo SUS, por um sistema público de saúde fortalecido e capaz de cuidar bem de toda a nossa população.

São essas algumas das lições que precisamos aprender e apreender depois de tantos meses de sofrimento e dor, até porque a tempestade ainda vai levar tempo para passar.

*Lúdio Cabral é médico sanitarista e deputado estadual pelo Partido dos Trabalhadores em Mato Grosso.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Juiz federal Ciro Arapiraca atende OAB-MT e CRA-MT e veta atuação de 19 empresas de administração de condomínios como a Colsutese Contabilidade, Planserv Assessoria, Emi-ka, Alternativa Serviços Administativos, Apex Administradora, Atentto Adm Condominial e L2PM Consultoria, que ofereciam serviços jurídicos de forma irregular em Mato Grosso - LEIA AÇÃO DA OAB E DECISÃO DO JUIZ CIRO ARAPIRACA
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA