(65) 99638-6107

CUIABÁ

O melhor detergente é a luz do sol

EDMUNDO ARRUDA JR: Registro respeito por todos que mantêm crenças religiosas tradicionais. Para mim os seus malefícios são menores que os benefícios. Os melhores seres humanos que conheci acreditam ou acreditavam em Deus e frequentavam seus templos

Publicados

O melhor detergente é a luz do sol

Ateu graças a Deus?*

POR EDMUNDO ARRUDA JR

Lendo alguns dados biográficos de escritores, artistas, pensadores, deparo-me com aqueles autodeclarados ateus. Um direito deles.

Já deixo claro que não frequento igrejas embora tenha sido batizado presbiteriano (por vontade paterna) e frequentado missas com minha mãe, católica de carteirinha.

Registro respeito por todos que mantêm crenças religiosas tradicionais. Para mim os seus malefícios são menores que os benefícios. Os melhores seres humanos que conheci acreditam ou acreditavam em Deus e frequentavam seus templos.

Preocupam-me mais do que os usos históricos das religiões para formatar e alienar multidões (um autor fala em cristofascismo) ou suas utilidades sociais emancipatórias (passa por minha cabeça a teologia da libertação de L.Boff, F.Betto, R.Freire, etc), aquelas utilizações ideológicas dos espertinhos de todas as cores.

Ademais, basta um testemunho de melhoria de vida de um indivíduo que professe dada fé, institucionalmente ou não, para legitimar positivamente crenças e instituições. Também os fundamentalismos não invalidam tudo o que não está no garrote dos extremos.

Minhas dúvidas surgem em relação a ateus, melhor, aos profundamente ateus. Aos ateus de convicções inabaláveis. Os homens de certezas últimas sob a supremacia progressiva da Razão.

Conheço muitos ateus fora dos que encontro em grandes figuras públicas.
Em Curitiba trombei com um deles. Batia no peito dizendo -se ateu de pai e mãe. Vá lá que seja verdade. Tenho dúvidas. Dizia-se comunista sem os vícios pequeno burgueses. Colocava-se numa condição superior por não ter sido desvirtuado em sua origem, escapando dessa forma de todas as mistificações deformadores da droga chamada religião, e do embuste chamado Deus.

Leia Também:  Programa macroeconômico industrial para MT é ultra-relevante

Aos dezessete anos deixei de frequentar cultos dominicais e missas nas quartas feiras. Entretanto, a fundação e/ou princípios estavam dados e perpassam minha vida até hoje. Com bons e maus frutos a formação cristã me acompanha. A psicanálise ajudou a minorar culpas e outros efeitos das ambiguidades daquela educação familiar, no caso, da mistura dos rituais evangélicos e católicos, sob a disciplina militar imposta pelo pai, oficial do Exército.

Mas permanece no meu coração uma semente que gera frutos e outras sementes. E constato a diferença do joio para o trigo.

Em mais de trinta anos de convivência observando aquele amigo, autorepresentado “comunista”, vi um fervoroso devoto de Marx, pouco lido mas exaltado no discurso militante.

A palavra de um segundo Deus revelada num livro sagrado ungia aquele fiel à condição de superação de perversas transcendências burguesas. Marx nasceu em 1818 (Trier) e faleceu em Londres (1883), onde escreveu sua obra prima, “O Capital”. Com esse Deus-Marx e sua Bíblia “O Capital” nas mãos tudo se torna racional…E se tudo é racional o real se tornaria mais e mais sob controle. Será?

Não entrarei no inventário de desencontros/encontros éticos e/ou morais de homens em progressiva dissociação entre ideias e práticas. Viver é ser atravessado por contradições. Julgamentos morais podem esconder o Palhares que todos temos dentro de nós (aproveitando o filósofo Nelson Rodrigues).

No caso daquele gordo fanfarrão da cidade sorriso, de caráter dúvidavel e fraternidade venal, mudou-se finalmente para Cuba, aguardando Chico Buarque e tantos outros apaixonados pelo castrismo.

Leia Também:  Dona da Americanas e Submarino lidera queixas da Black Friday no Procon-SP

Em tempos de regressão social em vários níveis dou razão a Habermas no desafio de valorizar a esfera religiosa no seu derradeiro esforço comunicativo. Nada óbvio, como tudo em tempos metamórficos. Mas uma esperança de resgate do que resta de liga (re-ligare…) num senso comum destroçado por crescentes e múltiplos ressentimentos que desinstitucionalizam a sociabilidade, no trabalho e, principalmente, fora dele, permanece em potência.

Dou razão também a autores que acusam as “segundas religiosidades” ou grandes sistemas de pensamento de não somente carregar mais elementos religiosos do que julgam, como de não proporcionarem algo melhor do que os grandes sistemas teológicos (cristianismo entre outros). Cristo é infinitamente maior que Marx, óbvio.

Os leitores já ouviram pastores e padres mais retóricos? Em nada se diferenciam dos discursos de estalinistas e fascistas, assumidos ou não. Quando aquelas retóricas são mais analíticas, conceituais ganham convergência com a discursividade acadêmica na qual ideias marxistas ou nazistas também ocupam espaços.

Não sei se religião e razão andam ou não juntas. Tendo a vê -las como práticas que suprem carências e projetam esperança, não obstante suas derivações negativas demasiadamente humanas.

Conhecer é um processo infinito como o é o mistério da geração (Deus crea, o homem, cria diz H. Rohden).

_______
* Edmundo Lima de Arruda Jr é sociólogo e professor titular aposentado da UFSC
18.10.21

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Lei e ordem

Juiz federal Ciro Arapiraca atende OAB-MT e CRA-MT e veta atuação de 19 empresas de administração de condomínios como a Colsutese Contabilidade, Planserv Assessoria, Emi-ka, Alternativa Serviços Administativos, Apex Administradora, Atentto Adm Condominial e L2PM Consultoria, que ofereciam serviços jurídicos de forma irregular em Mato Grosso – LEIA AÇÃO DA OAB E DECISÃO DO JUIZ CIRO ARAPIRACA

Publicados

em


A Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT), por meio de sua Comissão de Direito Condominial, em parceria com o Conselho Regional de Administração de Mato Grosso (CRA-MT), obteve decisão liminar deferida em Ação Civil Pública impetrada contra dezenove empresas de administração de condomínios que ofereciam serviços jurídicos de forma irregular em Mato Grosso. 

 

Segundo a presidente da OAB-MT, Gisela Cardoso, a decisão é uma vitória para a advocacia. “Uma de nossas missões é coibir o exercício irregular da advocacia, tanto para defender os interesses dos jurisdicionados, quanto para garantir a ampliação mercado de trabalho para os profissionais da área devidamente qualificados. Esta decisão reflete o compromisso da Ordem com a defesa da advocacia”, comemorou.  

 

A ação resultou de estudo elaborado pela Comissão da OAB-MT que identificou que as empresas captavam clientes a partir da divulgação de supostos serviços de assessoria, consultoria e orientação jurídicas, ajuizamento de ações, cobranças extrajudiciais/judiciais e outros. Segundo a Ordem, além de cometer exercício irregular da profissão, [as empresas] reduzem drasticamente a possibilidade de trabalho dos advogados (as), pela atividade ilícita de captação que exercem.

 

Em todo o país tem sido corriqueiro, com aumento considerável de ocorrências, a usurpação aos ditames da Lei 8.906/1994, que veda de maneira clara a prestação de serviços advocatícios por pessoa física ou jurídica que não esteja inscrita nos quadros da OAB. A advocacia, especialmente, a condominialista, têm sofrido os impactos disso em sua atuação”, explica o presidente da Comissão de Direito Condominial da OAB-MT, Miguel Zaim.

 

O juiz federal da Primeira Vara, Ciro José de Andrade Arapiraca, em decisão publicada nesta segunda-feira (17), acolheu todos os pedidos da Ordem e concedeu tutela de urgência determinando que as empresas retirem de seus sites e redes sociais toda e qualquer menção ao oferecimento de assessoria jurídica e suspendam imediatamente a divulgação de qualquer material de mídia que contenham tais serviços. Além disso, determinou a suspensão imediata da execução de quaisquer atividades privativas da advocacia e da captação de clientes baseada nesses serviços. 

 

O magistrado fixou ainda multa diária no valor de R$ 2 mil caso no caso de descumprimento da decisão. Segundo a decisão liminar, no caso concreto “verifica-se clara violação ao artigo 28 do Código de Ética e Disciplina da OAB. O periculum in mora também se encontra presente, pois se mostra essencial que não se permita que esses atos possam continuar a ser praticados, evitando-se, assim, prejuízos de terceiros”.

 

Leia Também:  Licenciamento Ambiental: novo PL é mais moderno e garante proteção adequada ao meio ambiente, argumenda ruralista Fernando Cadore, presidente da Aprosoja MT

 

FONTE: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL seccional de Mato Grosso

OAB-MT e CRA-MT Impetram ACP Contra Empresas de Administração Condominial Que Oferecem Serviços Jurídicos I… by Enock Cavalcanti on Scribd

Juiz Federal Ciro Arapiraca Atende OAB-MT em ACP contra empresas de administração de condomínios by Enock Cavalcanti on Scribd

Ciro Arapiraca, juiz federal e Gisela Amaral, da OAB MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MATO GROSSO

POLÍCIA

Economia

BRASIL

MAIS LIDAS DA SEMANA